Página 1 dos resultados de 1717 itens digitais encontrados em 0.004 segundos

"A importância da amamentação na relação mãe/filho"

Coutinho, Bárbara Sofia Tavares
Fonte: [s.n.] Publicador: [s.n.]
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
37.39%
Monografia apresentada à Universidade Fernando Pessoa para obtenção do grau Licenciada em Enfermagem; Sumário Actualmente existe uma preocupação em promover o acto de amamentar, e como tal há um aumento deste, visto que as mães estão informadas das vantagens que o leite materno possui para o filho, bem como para a mãe. Um dos aspectos relevantes da amamentação é o facto de ser importante no vínculo afectivo que promove entre mãe e filho. Este vínculo inicia-se na gravidez, intensificando-se após o parto, sendo mais forte ao longo do tempo, salientando-se aqui a importância da amamentação visto que há contacto pele a pele e a mãe sente necessidade de o acarinhar o filho durante este acto de amor, entre ambos. Para este trabalho monográfico optou-se pelo tema: “ A Importância da Amamentação na Relação Mãe/Filho”. Tendo como objectivo geral: conhecer a importância, referida pela mãe, da amamentação na relação com o seu filho. Os objectivos específicos são: identificar o conhecimento das mães para a importância da amamentação na relação com o filho; identificar as vantagens da amamentação, referidas pela mãe e identificar quais as razões referidas pela mãe para o abandono do Aleitamento Materno. Para responder a estes objectivos...

Percepção dos alunos de 4ºano do Curso de Licenciatura de Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa sobre a amamentação

Silva, Catarina Isabel Castro Barros da
Fonte: [s.n.] Publicador: [s.n.]
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
37.37%
Trabalho apresentado à Universidade Fernando Pessoa como parte dos requisitos para obtenção do grau de Licenciada em Enfermagem.; O presente projecto de graduação insere-se no âmbito do plano curricular do 4ºano da Licenciatura de Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa – Porto, sendo o tema abordado “Percepção dos alunos do 4ºano do Curso de Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa sobre amamentação”. Actualmente existem numerosas instituições que promovem a amamentação em todo o mundo, preconizando como sendo benéfico para o bebé, o aleitamento materno exclusivo até aos seis meses de vida, conferindo uma nutrição equilibrada e adequada, a protecção contra numerosas infecções e principalmente promovendo o vínculo mãe-filho. Neste estudo, as questões de investigação que desencadearam o problema foram: “Qual a percepção dos alunos do 4ºano da Licenciatura em Enfermagem da Universidade Fernando Pessoa relativamente à amamentação?” ; “Os alunos do 4ºano de Enfermagem tiveram, em contexto de ensino clínico, noção das motivações das mães para amamentar?” ; “Tiveram noção das vantagens e dificuldades das mães que iniciaram a amamentação?” Pela sua natureza...

A prática da amamentação entre mulheres em situação de violência por parceiro íntimo, durante a gestação atual: análise da duração do aleitamento materno exclusivo e autoeficácia materna na amamentação; .The practice of breastfeeding among women in situations of intimate partner violence, during a current gestational period: analysis of the duration of exclusive breastfeeding and maternal self-efficacy in breastfeeding

Mariano, Laura Marina Bandim
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 12/09/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.47%
A violência por parceiro íntimo (VPI), durante a fase gravídico-puerperal da mulher, pode ter consequências sérias e desastrosas tanto para a saúde das mulheres como para seus conceptos/neonatos. Algumas dificuldades das mães, durante o aleitamento materno, podem estar relacionadas, direta ou indiretamente, à atitude de agressão por parte do parceiro, independente de ocorrer antes, durante e/ou depois da gestação. Este estudo teve como objetivo analisar a prática da amamentação entre mulheres em situação de VPI, durante a gestação atual, usuárias de um serviço de pré-natal da rede pública quanto à duração do aleitamento materno exclusivo (AME), ao nível de autoeficácia materna para amamentar e aos fatores relacionados ao início, estabelecimento da amamentação e desmame precoce. Trata-se de um estudo quantitativo e descritivo-exploratório, desenvolvido no CRSM-MATER, situado em Ribeirão Preto - SP, com aprovação da Comissão de Ética em Pesquisa com Seres Humanos, nº 1421/2011. Os dados foram coletados no período de maio de 2012 a maio de 2013. As mulheres participantes do estudo foram recrutadas a partir de um inquérito sobre prevalência de VPI na gestação, aplicado no pré-natal para 358 gestantes...

Variação da densidade mineral óssea no puerpério segundo amamentação, amenorréia, índice de massa corpórea e uso de método anticoncepcional; Variation of bone mineral density during postpartum according to breastfeeding, amenorrhea, body mass index and use of contraceptive method

Maria Laura Costa do Nascimento
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 05/08/2011 PT
Relevância na Pesquisa
37.37%
Objetivos: Avaliar as variações da densidade mineral óssea (DMO) até um ano de puerpério entre mulheres saudáveis, e a associação com aleitamento materno, amenorréia, índice de massa corpórea e uso de método anticoncepcional. Propõe ainda comparar as usuárias de métodos hormonais só com progestágenos com as usuárias de métodos não hormonais até 6 meses pós-parto. Método: estudo de coorte prospectivo, incluindo 100 mulheres saudáveis seguidas por um período de um ano no pós-parto. Mulheres consideradas elegíveis deveriam ter tido uma gestação não complicada, única, de termo (?37 semanas) e nenhum antecedente de doenças que interfirissem no metabolismo ósseo (como diabetes mellitus, insuficiência renal crônica, tireoidopatia, hipo ou hiperparatireoidismo, hepatite, neoplasia ou doença da hipófise) ou utilização de medicação (corticosteróides, anticoagulantes, anticonvulsivantes, diuréticos tiazídicos ou drogas para tratamento de doenças tireoideanas), além do desejo de postergar uma próxima gestação por pelo menos um ano. Foram realizadas densitometrias ósseas do antebraço não dominante utilizando a dual-energy X-ray absorptiometry, além de avaliação antropométrica e coleta de informações sobre o tempo de amamentação exclusiva...

Representações sociais de avós maternas e paternas sobre a amamentação

Fernandes, Ana Paula
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 96 p.| il.
POR
Relevância na Pesquisa
37.41%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Florianópolis, 2014.; Pesquisa qualitativa com abordagem descritiva e exploratória, tendo como referencial teórico a Teoria das Representações Sociais, desenvolvida com o objetivo geral de conhecer as representações sociais de avós maternas e paternas sobre a amamentação e, com o objetivo específico de identificar se existem diferenças nas representações sociais das avós maternas e paternas acerca da amamentação. As participantes do estudo foram 21 avós que estavam acompanhando suas filhas ou noras com seus bebês, internadas nas unidades de Alojamento Conjunto (AC) de uma maternidade pública do sul do Brasil. A coleta de dados ocorreu entre os meses de agosto e novembro de 2013, através de entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados conforme a técnica da análise de conteúdo temática. O estudo resultou em dois manuscritos. O primeiro manuscrito consiste em uma Revisão Integrativa de Literatura, que teve como objetivo identificar a contribuição das pesquisas desenvolvidas em âmbito nacional e internacional sobre as influências das avós maternas e paternas na amamentação. A busca dos artigos ocorreu nas bases de dados LILACS...

Competências parentais na amamentação : contributos para um modelo de supervisão clínica em enfermagem

Cruz, Laura Maria
Fonte: Repositório Comum de Portugal Publicador: Repositório Comum de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
37.49%
A Supervisão Clínica em Enfermagem tem vindo a afirmar-se como um processo promotor da aprendizagem profissional contínua dos enfermeiros, conferindo suporte para a implementação de práticas clínicas seguras e de qualidade, estimulando a autoavaliação permanente e o desenvolvimento de capacidades analítico-reflexivas. A amamentação constitui um indicador da qualidade de saúde da criança, da mãe e consequentemente dos cuidados de saúde. O desenvolvimento de competências parentais na amamentação, para além de facilitar a adesão e a manutenção deste processo, reflete a excelência dos cuidados de enfermagem. Este estudo pretende avaliar as competências parentais na amamentação, no sentido de propor contributos para um modelo de supervisão clínica, que potencialize a segurança e a qualidade dos cuidados. Com esta investigação pretendeu-se atingir os seguintes objetivos: avaliar as competências parentais relativas à amamentação; identificar as necessidades dos pais, em conhecimentos e habilidades, referentes à amamentação e propor contributos para um modelo de supervisão clínica, que promova as competências parentais na amamentação. Para a sua realização optou-se por uma abordagem quantitativa...

Amamentação e Dieta Materna. Influência de Mitos e Preconceitos

Ferreira, R; Neves, R; Virella, D; Cordeiro Ferreira, G
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
37.41%
Introdução. Durante a gravidez e amamentação, algumasmães alteram a sua dieta com o propósito de aumentar a quantidade e/ou qualidade do seu leite. Objectivos. Caracterizar as alterações dietéticas maternas durante a gravidez e amamentação, identificar factores associados a essas alterações e a sua relação com a manutenção do aleitamento materno aos três meses de vida. Metodologia. Estudo observacional, descritivo, transversal bifásico de uma amostra de 122 díades mãe-filho, realizado num hospital de apoio perinatal diferenciado. Primeira fase: auto-preenchimento de um inquérito nas 48h após o parto, avaliando variáveis sócio-demográficas, história prévia de amamentação, conhecimentos e atitudes face à amamentação e a dieta materna. Segunda fase: inquérito telefónico três meses após o parto, avaliando a duração da amamentação, alterações dietéticas realizadas e eventuais associações a sintomas no lactente. Resultados. A idade materna média foi 30 anos; 43% frequentou o ensino superior; 81% referiu ter alterado a dieta durante a gravidez. Noventa e nove por cento pretendia amamentar e 98% planeava alterar a dieta durante a amamentação: café, chocolate, refrigerantes com cafeína...

Amamentação e Dieta Materna. Influência de Mitos e Preconceitos

Ferreira, R; Neves, R; Virella, D; Cordeiro Ferreira, G
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
37.41%
Introdução. Durante a gravidez e amamentação, algumasmães alteram a sua dieta com o propósito de aumentar a quantidade e/ou qualidade do seu leite. Objectivos. Caracterizar as alterações dietéticas maternas durante a gravidez e amamentação, identificar factores associados a essas alterações e a sua relação com a manutenção do aleitamento materno aos três meses de vida. Metodologia. Estudo observacional, descritivo, transversal bifásico de uma amostra de 122 díades mãe-filho, realizado num hospital de apoio perinatal diferenciado. Primeira fase: auto-preenchimento de um inquérito nas 48h após o parto, avaliando variáveis sócio-demográficas, história prévia de amamentação, conhecimentos e atitudes face à amamentação e a dieta materna. Segunda fase: inquérito telefónico três meses após o parto, avaliando a duração da amamentação, alterações dietéticas realizadas e eventuais associações a sintomas no lactente. Resultados. A idade materna média foi 30 anos; 43% frequentou o ensino superior; 81% referiu ter alterado a dieta durante a gravidez. Noventa e nove por cento pretendia amamentar e 98% planeava alterar a dieta durante a amamentação: café, chocolate, refrigerantes com cafeína...

Paternidade adolescente no contexto do processo da amamentação

Catarina Torres de Lacerda, Ana; Maria Pontes, Cleide (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.46%
Esta dissertação encontra-se estruturada em dois capítulos e teve como objetivo compreender como o pai adolescente participa da amamentação. No primeiro, realizamos uma revisão bibliográfica centrada no resgate histórico, sócio e cultural sobre a construção do ser masculino, a paternidade adolescente e como o pai adolescente está inserido no processo da amamentação do filho, na busca do referencial teórico ser pai adolescente no contexto da amamentação que ancorou a pesquisa. Para esta fundamentação foram utilizados os Descritores em Ciências da Saúde, a partir de artigos científicos indexados em bancos de dados LILACS, SciELO, MEDLINE e CAPES, além de livros, dissertações e teses. Assim, percebemos que nas transformações as quais a sociedade passou, o pai adolescente reproduz no seu comportamento a herança do processo de construção histórica, social e cultural principalmente no que se refere às atribuições femininas e masculinas, distanciando-o das tarefas consideradas femininas, entre as quais a amamentação está incluída. Deste modo, os adolescentes de ambos os sexos necessitam de ações direcionadas a desmistificar os atributos apontados como femininos e masculinos que perduram na sociedade atual. O outro estudo realizado foi conduzido pela abordagem qualitativa...

O cuidado de enfermagem baseado em evidência : a influência da introdução da chupeta no primeiro mês de vida na duração da amamentação

Soares, Andreia Sofia
Fonte: Repositório Comum de Portugal Publicador: Repositório Comum de Portugal
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.39%
O presente relatório de estágio pretende descrever o processo de aquisição e desenvolvimento de competências do EESMO nas áreas de cuidado de gravidez, trabalho de parto e pós-parto, tendo subjacente o Regulamento de Competências de Cuidados Especializados definidas pela Ordem dos Enfermeiros. Assim, ao longo do trabalho são apresentados e fundamentados, nas diferentes áreas, os planeamentos de cuidados prestados ao casal e sua família. Durante a transição para a parentalidade, a amamentação apresenta-se como uma das áreas mais geradora de dúvidas e sobre a qual existem, socialmente, crenças inibidoras do seu sucesso. Esta, após o parto, torna-se também numa das áreas de cuidado parentais mais desafiantes e exigentes física e emocionalmente. Atualmente, a OMS recomenda a não utilização de chupetas ou mamilos artificiais, até que a amamentação esteja bem estabelecida. A chupeta é ainda hoje considerada como um dos recursos mais eficazes para consolar o RN com dor ou desconforto promovendo, através da sucção, o seu bem-estar. Também se sabe hoje que a chupeta apresenta um importante papel na redução da SMSL, mais frequente durante os seis primeiros meses de vida do bebé. Contudo, devido à existência de dados que relacionam o uso da chupeta com o desmame precoce...

Motivação da grávida para a amamentação e sua relação com variáveis sociodemográficas e envolvimento paterno na gravidez

Pedro, Isabel Maria dos Santos Cascão; Franco, João José de Sousa
Fonte: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras Publicador: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras
Tipo: Outros
Publicado em 31/05/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.37%
Vários são os autores que referem que qualquer esforço no sentido de impulsionar a prática do AM inscreve-se no âmbito da educação para a saúde, e esta por sua vez implica lidar com variáveis psicológicas, entre as quais a motivação. O suporte social percebido relativamente ao marido/companheiro pode ser um fator determinante tanto positivamente como negativamente na motivação da grávida para a amamentação. O objetivo deste estudo foi analisar relações entre a motivação da grávida para a amamentação com variáveis sociodemográficas e envolvimento paterno na gravidez. É um estudo de natureza quantitativa, não experimental, transversal e correlacional, com 130 grávidas entre as 12 e 40 semanas de gestação, do Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Mondego III. Foi aplicado um questionário constituído pela caracterização sociodemográfica, a escala motivação para a amamentação e a escala de envolvimento paterno na gravidez. O estudo foi aprovado pela Comissão de Ética da Unidade Investigação em Ciências da Saúde - Enfermagem, da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, sob o parecer Nº P88-5/2012. Os resultados sugerem que as grávidas mais motivadas para a amamentação na dimensão fisiológica são as do grupo etário mais elevado...

Participação do pai na amamentação

Franco, João José de Sousa; Gonçalves, Vera Lúcia Antunes
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 08/05/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.47%
Introdução: O leite materno é considerado universalmente como o alimento mais completo para as crianças, sendo crescentes as políticas de incentivo à amamentação. Contudo o processo de amamentar ainda está centrado na dimensão da mulher, embora as evidências científicas mostrem que para haver sucesso, a mulher lactante precisa do apoio e da intervenção de todos, em especial do seu companheiro. Neste sentido o companheiro torna-se num importante suporte na promoção e prevalência da amamentação, em especial porque atualmente existe uma maior aproximação dos papéis parentais, verificando-se mudanças na conceção de paternidade. Neste sentido o pai desempenha um importante apoio a esta prática, na medida em que a sua presença e ajuda contribuem de forma positiva ao incentivo e prática da amamentação. A sua aprovação, as atitudes, o envolvimento e participação em relação à amamentação são consideradas elementos importantes na decisão e manutenção da amamentação. Objetivos Avaliar a importância que o pai atribui à sua participação na amamentação; Identificar fatores que influenciam a importância que o pai atribui à sua participação na amamentação. Metodologia: Estudo quantitativo...

Participação do pai na amamentação

Franco, João José de Sousa; Gonçalves, Vera Lúcia Antunes
Fonte: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras Publicador: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras
Tipo: Outros
Publicado em 08/05/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.47%
Introdução: O leite materno é considerado universalmente como o alimento mais completo para as crianças, sendo crescentes as políticas de incentivo à amamentação. Contudo o processo de amamentar ainda está centrado na dimensão da mulher, embora as evidências científicas mostrem que para haver sucesso, a mulher lactante precisa do apoio e da intervenção de todos, em especial do seu companheiro. Neste sentido o companheiro torna-se num importante suporte na promoção e prevalência da amamentação, em especial porque atualmente existe uma maior aproximação dos papéis parentais, verificando-se mudanças na conceção de paternidade. Neste sentido o pai desempenha um importante apoio a esta prática, na medida em que a sua presença e ajuda contribuem de forma positiva ao incentivo e prática da amamentação. A sua aprovação, as atitudes, o envolvimento e participação em relação à amamentação são consideradas elementos importantes na decisão e manutenção da amamentação. Objetivos Avaliar a importância que o pai atribui à sua participação na amamentação; Identificar fatores que influenciam a importância que o pai atribui à sua participação na amamentação. Metodologia: Estudo quantitativo...

Aleitamento materno - sua prevalência e fatores associados - nomeadamente o "Cantinho da amamentação"

Apóstolo, Jorge Manuel Amado
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 03/10/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.39%
Introdução e Objectivos O aleitamento materno é um dos pilares principais na promoção e protecção da saúde das crianças em todo o mundo (Sarafana, Abecasis, Tavares, Soares & Gomes, 2006). Apesar das evidências bem documentadas das suas vantagens e das iniciativas e estratégias com vista ao aumento da sua prevalência, esta continua baixa, especialmente após o 3.º - 4.º mês após o parto. Com o estudo pretendemos:Identificar a taxa de prevalência do aleitamento materno aos seis meses em dois contextos dos Açores; identificar factores associados à prevalência do aleitamento materno nas populações em estudo, particularmente o "Cantinho da amamentação"; compreender como as mães avaliam a sua experiência no cantinho da amamentação. Metodologia Realizou-se uma pesquisa quantitativa, transversal descritivo-correlacional embora com uma componente de aproximação qualitativa. A colheita de dados foi feita por um questionário e uma entrevista semi-estruturada a 100 parelhas mães/crianças com idades entre os 6 e os 18 meses divididas em dois grupos de comparação: 50 mães que tiveram o apoio do "Cantinho da amamentação" e 50 mães que não usufruíram desse apoio. O principal modelo estatístico utilizado foi teste Qui-Quadrado nos dados quantitativos. Os dados das entrevistas foram submetidos a análise de análise de conteúdo. Resultados Verificou-se uma taxa de prevalência do aleitamento materno não exclusivo de 47%. O fator administração de suplemento ao recém-nascido associou-se negativamente à prevalência do aleitamento materno - p=0...

Aleitamento materno - sua prevalência e fatores associados - nomeadamente o "Cantinho da amamentação"

Apóstolo, Jorge Manuel Amado; Cardoso, Paula Maria
Fonte: Sociedade Portuguesa de Pediatria Publicador: Sociedade Portuguesa de Pediatria
Tipo: Outros
Publicado em 03/09/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.39%
ntrodução e Objectivos O aleitamento materno é um dos pilares principais na promoção e protecção da saúde das crianças em todo o mundo (Sarafana, Abecasis, Tavares, Soares & Gomes, 2006). Apesar das evidências bem documentadas das suas vantagens e das iniciativas e estratégias com vista ao aumento da sua prevalência, esta continua baixa, especialmente após o 3.º - 4.º mês após o parto. Com o estudo pretendemos:Identificar a taxa de prevalência do aleitamento materno aos seis meses em dois contextos dos Açores; identificar factores associados à prevalência do aleitamento materno nas populações em estudo, particularmente o "Cantinho da amamentação"; compreender como as mães avaliam a sua experiência no cantinho da amamentação. Metodologia Realizou-se uma pesquisa quantitativa, transversal descritivo-correlacional embora com uma componente de aproximação qualitativa. A colheita de dados foi feita por um questionário e uma entrevista semi-estruturada a 100 parelhas mães/crianças com idades entre os 6 e os 18 meses divididas em dois grupos de comparação: 50 mães que tiveram o apoio do "Cantinho da amamentação" e 50 mães que não usufruíram desse apoio. O principal modelo estatístico utilizado foi teste Qui-Quadrado nos dados quantitativos. Os dados das entrevistas foram submetidos a análise de análise de conteúdo. Resultados Verificou-se uma taxa de prevalência do aleitamento materno não exclusivo de 47%. O fator administração de suplemento ao recém-nascido associou-se negativamente à prevalência do aleitamento materno - p=0...

Construção da escala de conhecimentos do pai sobre a amamentação e da escala da necessidade de conhecimentos do pai sobre a amamentação

Franco, João José de Sousa
Fonte: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetas Publicador: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetas
Tipo: Outros
Publicado em 08/05/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.46%
Introdução: Um pai motivado para a amamentação é capaz de apoiar a mãe, podendo ser das ajudas mais importantes na sua promoção e prevalência. A este propósito considera-se que o conhecimento que o pai tem sobre os diferentes aspetos relacionados com a amamentação é um fator determinante do seu envolvimento e colaboração. Neste sentido a avaliação dos conhecimentos do pai, bem como da sua necessidade de conhecimentos, podem determinar a sua expetativa face à amamentação e planear intervenções mais focalizadas. Por outro lado a construção de escalas permite comparar resultados entre os diversos estudos e avaliar as intervenções realizadas. Objetivo: Construir e validar a escala de conhecimentos do pai sobre a amamentação (ECPA) e a escala da necessidade de conhecimentos do pai sobre a amamentação (ENCPA). Metodologia: Com base na revisão da literatura, construiu-se a escala de conhecimento do pai sobre a amamentação composta por 9 itens. De seguida foram entrevistadas seis Enfermeiros Especialista em Enfermagem de Saúde Materna, Conselheiras em Amamentação sobre os itens a avaliar, do que resultou a aceitação da escala construída, e que os mesmos itens poderiam ser avaliados em dois aspetos: "o conhecimento" e a "necessidade de conhecimento". Com este instrumento foi realizada um estudo quantitativo...

Construção da escala de conhecimentos do pai sobre a amamentação e da escala da necessidade de conhecimentos do pai sobre a amamentação

Franco, João José de Sousa
Fonte: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras Publicador: Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em 08/05/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.46%
Introdução: Um pai motivado para a amamentação é capaz de apoiar a mãe, podendo ser das ajudas mais importantes na sua promoção e prevalência. A este propósito considera-se que o conhecimento que o pai tem sobre os diferentes aspetos relacionados com a amamentação é um fator determinante do seu envolvimento e colaboração. Neste sentido a avaliação dos conhecimentos do pai, bem como da sua necessidade de conhecimentos, podem determinar a sua expetativa face à amamentação e planear intervenções mais focalizadas. Por outro lado a construção de escalas permite comparar resultados entre os diversos estudos e avaliar as intervenções realizadas. Objetivo: Construir e validar a escala de conhecimentos do pai sobre a amamentação (ECPA) e a escala da necessidade de conhecimentos do pai sobre a amamentação (ENCPA). Metodologia: Com base na revisão da literatura, construiu-se a escala de conhecimento do pai sobre a amamentação composta por 9 itens. De seguida foram entrevistadas seis Enfermeiros Especialista em Enfermagem de Saúde Materna, Conselheiras em Amamentação sobre os itens a avaliar, do que resultou a aceitação da escala construída, e que os mesmos itens poderiam ser avaliados em dois aspetos: "o conhecimento" e a "necessidade de conhecimento". Com este instrumento foi realizada um estudo quantitativo...

Construção da escala de conhecimentos do pai sobre a amamentação e da escala da necessidade de conhecimentos do pai sobre a amamentação

Franco, João José de Sousa; Gonçalves, Vera Lúcia Antunes
Fonte: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra Publicador: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 08/05/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.46%
Introdução: Um pai motivado para a amamentação é capaz de apoiar a mãe, podendo ser das ajudas mais importantes na sua promoção e prevalência. A este propósito considera-se que o conhecimento que o pai tem sobre os diferentes aspetos relacionados com a amamentação é um fator determinante do seu envolvimento e colaboração. Neste sentido a avaliação dos conhecimentos do pai, bem como da sua necessidade de conhecimentos, podem determinar a sua expetativa face à amamentação e planear intervenções mais focalizadas. Por outro lado a construção de escalas permite comparar resultados entre os diversos estudos e avaliar as intervenções realizadas. Objetivo: Construir e validar a escala de conhecimentos do pai sobre a amamentação (ECPA) e a escala da necessidade de conhecimentos do pai sobre a amamentação (ENCPA). Metodologia: Com base na revisão da literatura, construiu-se a escala de conhecimento do pai sobre a amamentação composta por 9 itens. De seguida foram entrevistadas seis Enfermeiros Especialista em Enfermagem de Saúde Materna, Conselheiras em Amamentação sobre os itens a avaliar, do que resultou a aceitação da escala construída, e que os mesmos itens poderiam ser avaliados em dois aspetos: "o conhecimento" e a "necessidade de conhecimento". Com este instrumento foi realizada um estudo quantitativo...

Representações sociais de um grupo de nutrizes sobre o apoio no processo de amamentação; Social representations of a group of nourishers on the support for the breastfeeding process

Müller, Fabiana Swain
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 17/04/2008 PT
Relevância na Pesquisa
37.41%
Os baixos índices de amamentação exclusiva sugerem a falta de estrutura que forneça apoio efetivo para que a mulher tenha condições de escolher e decidir em relação ao início e a duração da amamentação. Em nossa percepção, há uma dissonância entre o apoio instituído e o apoio esperado pela mulher. Sendo assim, questiona-se o que é o apoio para amamentar, como a mulher/nutriz interpreta as ações de apoio de sua rede social e quais são os elementos mais relevantes para ela. Consideramos que a definição do apoio à amamentação carece de clareza e consenso. Questionamos se o apoio à mulher no processo de amamentação pode ser considerado um fenômeno socioculturalmente construído e sua natureza prática influenciada pelos mecanismos de comunicação existentes na sociedade. Desta forma, elegemos os pressupostos das Representações Sociais para nos levar a conhecer as representações de um grupo de nutrizes sobre apoio para amamentar e identificar as ações de apoio do entorno social que são recebidas e percebidas por elas no processo de amamentação. O local do estudo foi o Centro de Saúde Escola Samuel Barnsley Pessoa (CSE Butantã-SP). Participaram 14 mulheres, em processo de amamentação com filhos até a idade de seis meses...

Influência da cirurgia mamária e alterações da mama sobre o sucesso da amamentação em bebês nascidos por cesariana eletiva

Kuchenbecker, Grete Marta
Fonte: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre Publicador: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul; Porto Alegre
Tipo: Dissertação de Mestrado
PORTUGUêS
Relevância na Pesquisa
37.39%
INTRODUÇÃO : Alterações da mama podem ter impacto significativo sobre o sucesso da amamentação. No Brasil, na população usuária do sistema privado de saúde, a prevalência de cirurgias mamárias é alta. Outro fator de risco que pode interferir no sucesso da amamentação nessas pacientes é a alta taxa de parto cesáreo, que por sua vez pode estar associado a traumas mamilares.OBJETIVOS : O objetivo deste estudo foi avaliar a influência da cirurgia mamária e de outras alterações da mama no sucesso da amamentação em pacientes submetidas à cesariana eletiva em um hospital privado.MÉTODOS : Foram incluídos no estudo recém-nascidos por cesariana eletiva, com idade gestacional igual ou maior que 37 semanas. Os dados foram obtidos do prontuário hospitalar, de entrevistas com as mães durante a estadia na maternidade e por contatos telefônicos no final da segunda semana e três meses após o parto. As variáveis em estudo foram idade gestacional, presença de companheiro, número de gestações, tipo de mamilo, amamentação prévia, dor durante a amamentação, prescrição de complemento, implante de silicone de mama, cirurgia de redução mamária, fissura mamária e sangramento mamário. Um modelo de regressão logística foi ajustado tendo como variável de resposta amamentação exclusiva aos três meses e como variáveis dependentes as significativas ao nível de 30% nas análises anteriores.RESULTADOS : A amostra do estudo foi composta por 1117 recém-nascidos e suas mães...