Página 1 dos resultados de 102 itens digitais encontrados em 0.025 segundos

Portugal e os PALOP : o perfil doador de um estado semiperiférico à luz da ajuda pública ao desenvolvimento

Machado, Bárbara Clara da Silva
Fonte: Universidade de Coimbra Publicador: Universidade de Coimbra
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
126.17%
Portugal é um Estado semiperiférico que alimenta pretensões de influência global e de assemelhar-se aos Estados centrais do sistema, empenho esse que é sustentado pelo seu legado histórico e pela sua posição geográfica. Essa aspiração tem-se revelado nos moldes em que Portugal vai reedificar as suas relações com as suas excolónias africanas, os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, através da cooperação para o desenvolvimento, onde o discurso da missão civilizadora foi substituído pela incumbência do desenvolvimento, sublimado pela comunidade de afetos e facilitado pelos laços comuns. Percorrendo o caminho dos Estados centrais, Portugal tornou-se membro do Comité de Ajuda ao Desenvolvimento e abraçou o sistema internacional de cooperação, os seus consensos, compromissos e contradições. Conquanto, Portugal é um Estado semiperiférico e essa condição, nomeadamente a debilidade de recursos também exerce influência na Ajuda Pública ao Desenvolvimento (APD). Nesse sentido a tese analisa o tipo de ajuda que Portugal favorece nos seus programas de cooperação e explora a evolução da APD pelos canais de execução, geográfica e sectorialmente. Esta dissertação argumenta que a lógica de benefício do doador comanda o quadro geral da ajuda portuguesa...

Os liames de solidariedade entre o Estado e as organizações de economia solidária na luta contra pobreza nas comunidades rurais em Cabo Verde

Carvalho, José Maria Coelho de
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
55.88%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Sociologia, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, 2012.; A tese tem como objetivo compreender, à luz do paradigma do dom e da perspectiva teórica da economia solidária, a natureza das relações de cooperação entre o Estado e as Associações Comunitárias de Desenvolvimento, no âmbito da luta contra a pobreza nas comunidades rurais em Cabo Verde. O principal foco do estudo é o Programa Nacional de Luta Contra a Pobreza e, particularmente, o seu (Sub)Programa de Luta contra a Pobreza no Meio Rural. O PLPR, pela sua concepção de pobreza, metodologia e estratégia de intervenção descentralizada nas Associações Comunitárias de Desenvolvimento e respetivas comunidades, revelou-se como o modelo que melhor demonstra como as duas modalidades de solidariedade democrática, reciprocidade e redistribuição, interagem e participam de um processo dinâmico de geração, construção e multiplicação de iniciativas e experiências de economia solidária; de ampliação e aprofundamento do processo de democratização do Estado e de aproximação da gestão pública das comunidades rurais pobres. Subsidiariamente, o paradigma do dom...

A fome no mundo : uma proposta didáctica para o 1º CEB

Marques, Vera Mónica Vieira
Fonte: Universidade de Aveiro Publicador: Universidade de Aveiro
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
55.89%
Os avanços científico-tecnológicos têm prestado indiscutíveis contribuições ao bem-estar do ser humano, mas têm também possibilitado um crescimento económico desenfreado, que tem acarretado alguns prejuízos, como a degradação ambiental e o aumento das desigualdades socais. A comunidade internacional tem vindo a consciencializar-se desta situação e tem procurado chegar a acordos e definir objectivos com o intuito de alcançar um tipo de desenvolvimento onde economia, ambiente e bem-estar social apareçam interligados: o desenvolvimento sustentável. Apenas este poderá, de facto, proporcionar uma gestão e uma distribuição mais equilibrada dos recursos do planeta. Neste sentido, a Educação para o Desenvolvimento Sustentável, que precisa da participação de todos os educadores, tem como intuito a formação de cidadãos conscientes dos problemas/desafios que se colocam à humanidade e capazes de intervir positivamente na resolução dos mesmos. Ora, grande parte desses problemas/desafios envolvem a ciência e a tecnologia, quer para a sua compreensão quer para a elaboração de possíveis soluções. Assim sendo, múltiplos autores têm defendido que a Educação em Ciências deixe de se centrar na exposição e memorização de conceitos e teorias...

Direitos humanos e ajuda pública ao desenvolvimento em Angola

Cadete, Neide Cláudia Veríssimo e Costa
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
96.02%
A nível global é cada vez maior a preocupação com a inserção dos direitos humanos nas políticas de desenvolvimento. Actualmente a vertente direitos humanos faz-se sentir fortemente nas políticas de cooperação das organizações regionais, multilaterais e também a nível bilateral, reconhecida que é a sua importância para o desenvolvimento integrado e sustentado dos países em desenvolvimento e consequente redução da fome e pobreza extrema. Esta dissertação tem como enfoque a análise da evolução da componente direitos humanos na ajuda pública ao desenvolvimento canalizada para Angola. São abordados aspectos gerais relacionados à cooperação, desenvolvimento, e direitos humanos procurando-se perceber que papel os direitos humanos têm na construção do desenvolvimento em geral e de Angola em particular, qual a relação existente entre cooperação e desenvolvimento, se esta cooperação efectivamente tem contribuído para o desenvolvimento de Angola e se ela é materializada com respeito e privilegiando os direitos humanos na sua implementação; ABSTRACT: At the global level is increasing concern about the inclusion of human rights in development policies. Today the human rights component is felt strongly in the political cooperation of regional organizations...

Cooperação para o desenvolvimento e consolidação da língua portuguesa: contributos teóricos e política linguística portuguesa

Pinto, Paulo Feytor
Fonte: Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Setúbal Publicador: Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Setúbal
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
76.06%
Este artigo explora a dimensão política e estratégica que a língua portuguesa tem nos programas portugueses de cooperação para o desenvolvimento. Para melhor compreender a política linguística portuguesa através da cooperação, num primeiro momento, é apresentado o quadro teórico que tem sido internacionalmente desenvolvido pelos estudos em política linguística e é feita uma brevíssima caracterização sociolinguística dos seis países que beneficiam da ajuda pública portuguesa: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Num segundo momento, são apresentados e analisados os documentos nacionais e da Comunidade de Países de Língua Portuguesa que atual e oficialmente orientam a cooperação pública portuguesa: Estratégia de Promoção da Língua Portuguesa (2008), Conceito Estratégico da Cooperação Portuguesa (2014), Plano de Ação de Brasília (2010) e Plano de Ação de Lisboa (2013). Por fim, apresentam-se perspetivas de desenvolvimento da política de difusão do português que, no enquadramento atual, poderão potenciar a aprendizagem da língua nos países beneficiários da ajuda pública portuguesa. Considerando a tendência para a adoção da educação bilingue no início de escolaridade...

Objectivos de desenvolvimento do milénio: um novo paradigma para uma parceria União Europeia-África Subsaariana?

Henriques, Andreia Filipa Vieira
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /06/2009 POR
Relevância na Pesquisa
95.96%
Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional; A política de cooperação da União Europeia tem uma história de pelo menos 50 anos. Passou por diversas fases marcadas política e historicamente por vários factores como a colonização, as vagas de independência, os alargamentos, a criação das instituições financeiras internacionais, a implementação dos Programas de Ajustamento Estrutural e do Consenso de Washington, um período de fadiga e um reavivar com a viragem do milénio. A partir de 2001, e tendo em conta uma avaliação do trabalho realizado no passado, encontrou nos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio a nova linha orientadora para a sua política de cooperação para o desenvolvimento. Esta dissertação procura explorar, no âmbito da parceria União Europeia-África Subsaariana, a importância dos Objectivos, em particular do Objectivo 8 (parceria global para o desenvolvimento). É realizada uma análise da parceria entre estas duas regiões nas principais áreas deste Objectivo: Comércio, Sustentabilidade da Dívida e Ajuda Pública ao Desenvolvimento.; EU’s cooperation policy has a story of at least 50 years. It has passed through different phases, politically and historically marked by factors such as colonization...

APD Portugal - PALOP : estratégia, determinantes e motivações

Cordeiro, José Pedro Lopes
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2010 POR
Relevância na Pesquisa
85.91%
Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional; Os fluxos de Ajuda Pública ao Desenvolvimento entre Portugal e os PALOP têm sido objecto de análise que, as mais das vezes, se fica pela leitura da evolução quantitativa dos seus valores. Partindo de uma observação da dinâmica da cooperação internacional e portuguesa e com apoio de dados estatísticos e modelos econométricos, a presente dissertação procura desvendar a estratégia, as motivações, os interesses e os determinantes que estão na origem de tais fluxos. Com base nos resultados atingidos, concluir-se-á acerca da importância de motivações humanitárias, económicas, comerciais, políticas, geoestratégicas e relacionadas com o passado colonial, bem como de questões transversais, na dinâmica dos fluxos de APD.; The ODA flows between Portugal and the Portuguese-Speaking African Countries have been thoroughly studied, but most of the times in a perspective that doesn´t go beyond the analysis of the quantitative evolution of the data. This paper aims to observe the strategy, the motivations, the interests and the determinants of this type of flows, starting from the observation of the international and Portuguese cooperation dynamics and with the support of statistical and econometric models. Based on the final results of the model...

A cooperação internacional para o desenvolvimento na viragem do século: a cooperação portuguesa com Timor Leste

Mesquita, Ana Virgínia Guedes
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /09/2004 POR
Relevância na Pesquisa
65.84%
Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional; Em 1999, o grupo dos principais beneficiários da ajuda pública ao desenvolvimento de Portugal, ocupado desde sempre pelos cinco países africanos de língua oficial portuguesa, sofreu uma mudança considerável ao contar com a inclusão de Timor Leste. Esta mudança é ulterior à viragem na história ocorrida no país nesse mesmo ano. Subjugado ao domínio indonésio durante 24 anos, após mais de 400 anos de colonização portuguesa, Timor apenas deu início ao seu caminho para a independência no seguimento da consulta popular de 30 de Agosto de 1999. A proclamação da República Democrática de Timor Leste aconteceria formalmente em 20 Maio de 2002. Durante a transição para a independência, Timor Leste contou com o apoio da comunidade internacional, sendo palco de ensaio de uma experiência de cooperação multilateral única, na qual Portugal também participou. Porém, à cooperação portuguesa com Timor faltou a capacidade de definir claramente prioridades, que lhe permitissem apoiar e desenvolver projectos de cooperação para o desenvolvimento sustentáveis e adequados à realidade local. Aliás, a apreciação final é a de que a cooperação com Timor respondeu fundamentalmente...

O desenvolvimento do setor educativo africano como prioridade da APD portuguesa (1998-2011)

Faria, Raquel
Fonte: ISEG - CEsA Publicador: ISEG - CEsA
Tipo: Outros
Publicado em //2012 POR
Relevância na Pesquisa
55.87%
A política de Cooperação Portuguesa desde cedo estabeleceu como prioridade central os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), devido aos laços históricos e socioculturais, que caraterizam uma relação com mais de 35 (trinta e cinco) anos. Conhecida pelos seus objetivos de redução da pobreza; de reforço da Democracia e do Estado de Direito; de promoção tanto do crescimento económico como do diálogo, das integrações regionais e de uma parceria europeia para o desenvolvimento humano, a Cooperação nacional tem desempenhado um papel crucial no desenvolvimento africano, particularmente, ao nível do setor educativo. Efetivamente, os dados mostram-nos que esta tem sido uma das áreas de intervenção prioritária, independentemente, dos diferentes governos constitucionais que nos últimos anos assumiram o poder. Segundo, o IPAD (2011), a cooperação técnica enquanto modalidade da Ajuda mais utilizada nos últimos tempos, reflete-o de forma clara e inequívoca no período compreendido entre o ano de 1996 e o ano de 2010: 38% da distribuição setorial da cooperação técnica foi direcionada para a educação, a que seguiu o governo e a sociedade civil com 24%, sendo que a nossa investigação isso o confirma demonstrando...

Modo Angola : o impacto da Intervenção da China no desenvolvimento socioeconómico de Angola

Carmo, Catarina Maria Raminhos do
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2013 POR
Relevância na Pesquisa
65.74%
Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional; Desde de 2002 que a China tem criado laços cada vez mais fortes com Angola. A ajuda pública ao desenvolvimento, a diplomacia através do soft power, o investimento e o mecanismo “Modo Angola” são os métodos de intervenção utilizados pela segunda potência mundial. A relação sino-angolana centra-se sobretudo no financiamento à reconstrução e reabilitação de infra-estruturas em troca de petróleo. Trata-se de uma cooperação onde os benefícios são mútuos para ambas as partes, contudo o futuro pode reservar-lhes alguns inconvenientes.; Since 2002, China has created increasingly stronger ties with Angola. The aid, diplomacy through soft power, investment and the mechanism “Angola Mode” are the intervention methods used by the second world power. The sino-angolan relationship focuses mainly on financing the reconstruction and rehabilitation of infrastructure in exchange for oil. It’s a cooperation where benefits are mutual for both countries, but the future might bring them some inconvenients.

Segurança alimentar, ajuda pública ao desenvolvimento e pobreza

Cardoso, Manuela
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 10/03/2011 POR
Relevância na Pesquisa
75.79%
O conceito de segurança alimentar pode ser visto sob duas perspectivas: food safety e food security Se a primeira se liga a aspectos biológicos, de higiene e conservação, a segunda pressupõe a eliminação da fome e subnutrição crónicas, aspectos fundamentais ao desenvolvimento equilibrado do ser humano e da diminuição da pobreza. Embora a eliminação da fome no mundo esteja contemplada em variadíssimos documentos de diferentes organizações, com destaque para a FAO, para a ONU que a inclui num dos Objectivos do Milénio para o Desenvolvimento, para o Banco Mundial que dedica à agricultura, principal fonte de alimentos, o seu Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial de 2008, a fome persiste. Continuam a existir milhões de indivíduos atingidos pela fome, subnutrição e insegurança alimentar crónicas, quando em muitos outros países existe excesso de bens alimentares que são regularmente destruídos por perda de validade ou para evitarem a baixa da sua cotação nos mercados internacionais. Parece existir falta de solidariedade intra e interpaíses e a sobreposição de interesses económicos aos interesses humanos. Esta falta de ética poderá estar na base de muitos conflitos e de falta de bem-estar de uma grande parcela da população mundial.

A Declaração de Paris, eficácia da ajuda ao desenvolvimento e o princípio da apropriação: experiência de aplicação

Freitas, Raquel
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Conferência ou Objeto de Conferência
Publicado em 09/03/2011 POR
Relevância na Pesquisa
76%
Nos últimos anos registaram-se esforços internacionais inéditos no sentido de garantir uma maior eficácia da Ajuda Pública ao Desenvolvimento (APD) e do seu contributo para o desenvolvimento económico e redução da pobreza, designadamente em África. A ideia de assegurar que os países em desenvolvimento se apropriam das suas políticas de desenvolvimento foi reconhecida na Declaração de Paris sobre a Eficácia da Ajuda, como um dos princípios basilares para melhorar a eficácia da APD. No entanto, a implementação e avaliação do princípio de apropriação têm gerado questões e debates, quer ao nível dos especialistas técnicos quer ao nível dos académicos que estudam estas matérias. O problema reside essencialmente na dificuldade em distinguir entre apropriação real e virtual, e nos impactos negativos desta última relativamente aos resultados desejados. Este artigo percorre os debates existentes, no sentido de identificar as clivagens essenciais em torno do conceito de apropriação, e as suas desvantagens e oportunidades. Finalmente, pretende-se contribuir para a discussão sobre a validade do conceito e possíveis áreas de melhoria para incrementar a sua pertinência na linha dos objectivos da Declaração de Paris.

São Tomé e Príncipe e a Cooperação Internacional: O seu Impacto no Desenvolvimento e nas Finanças Públicas

Quintaneiro, Luís
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Estudos Africanos (CEA-IUL) Publicador: Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Estudos Africanos (CEA-IUL)
Tipo: Parte de Livro
Publicado em /10/2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.04%
É já proverbial afirmar-se que a economia e a sociedade santomense sobrevivem essencialmente graças à ajuda e cooperação internacionais, sejam elas de natureza pública/oficial (ajuda pública ao desenvolvimento) ou privada (veiculada através das ONG’s/ONGD’s). Nesse contexto é corrente surgir na comunicação social local (sem serem alvo de desmentido) expressões como “93% do Orçamento de São Tomé e Príncipe é financiado pela ajuda internacional”. Sendo indesmentível esse elevado papel da ajuda internacional, a generalizada ignorância sobre como a mesma se processa em São Tomé e Príncipe tem dado origem a alguma mitificação sobre este facto que em nada ajuda o desejável incremento da sua eficácia. Para se poder formular um efetivo juízo de valor sobre a importância e o impacto dessa ajuda é necessário analisar com mais detalhe como é que ela se manifesta, quem são os principais atores envolvidos, como a cooperação internacional se articula com o funcionamento do aparelho de estado, como condiciona o funcionamento desse mesmo aparelho e – em sentido mais lato – da sociedade santomense e como a sua componente financeira aparece “transcrita” nas contas públicas. Como pano de fundo para esta análise surge a incontornável realidade da prevalência da pobreza e da exclusão social terem vindo a aumentar de forma persistente e constante desde o fim da “primeira república” (1990) - período durante o qual a ajuda internacional era quase só proveniente do “bloco de leste” – até aos dias de hoje...

A eficácia da ajuda e a definição das políticas de desenvolvimento em S. Tomé e Príncipe

Freitas, Raquel
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Estudos Africanos (CEA-IUL) Publicador: Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Estudos Africanos (CEA-IUL)
Tipo: Parte de Livro
Publicado em /11/2012 POR
Relevância na Pesquisa
66.02%
Nos últimos anos tem-se registado uma preocupação signficativa com a questão da eficácia da Ajuda Pública ao Desenvolvimento (APD) e de que forma é que esta pode contribuir para o desenvolvimento dos países e para a redução da pobreza. No âmbito da agenda internacional sobre a eficácia da ajuda, a conferência de Busan em 2011 estabeleceu uma parceria global para a cooperação para um desenvolvimento efectivo. No entanto os indicadores de monitorização desta parceria não foram ainda adaptados, e tem havido críticas à forma como são operacionalizados os princípios que estruturam o actual paradigma da ajuda ao desenvolvimento, definido pela Declaração de Paris sobre a Eficácia da Ajuda (2005). Algumas dessas críticas debruçam-se sobre o princípio da apropriação. Este princípio implica que os países devem ser os donos e ter a liderança sobre a elaboração das suas políticas de desenvolvimento e é aferido através da existência ou não de uma Estratégia Nacional de Redução da Pobreza (ENRP) operacional. De entre as várias críticas a esta operacionalização encontra-se acima de tudo a ideia de que os doadores continuam a dominar o processo de deliberação; o facto de as limitações dos países em desenvolvimento em termos de capacidades técnicas limita a possibilidade de real apropriação; a falta de participação alargada à sociedade civil e outros parceiros nacionais importantes para a natureza democrática do processo. O objectivo deste artigo será identificar quais têm sido as limitações no caso de São Tomé e Princípe na elaboração das ENRP (ENRP interina aprovada em 2000; ENRP aprovada em 2002 e revista em 2005). Através da análise da estrutura política que rodeia a elaboração destes dois documentos pretende-se chegar às dinâmicas por detrás da formulação das políticas de desenvolvimento e da priorização que é feita. Pretende-se analisar a forma como em São Tomé e Princípe a interacção entre os grupos de doadores...

Um outro amanhã para África: de Tóquio a Yokohama reflexão sobre as conferências internacionais de Tóquio para o desenvolvimento de África (TICAD)para o

Saiote, Fernando Jorge Matias
Fonte: Instituto Universitário de Lisboa Publicador: Instituto Universitário de Lisboa
Tipo: Tese de Doutorado
Publicado em //2014 POR
Relevância na Pesquisa
96.17%
Mestrado em Estudos Africanos,Ramo de Estado, Política e Relações Internacionais; Estudar o Desenvolvimento na sua vertente da ajuda pública é, já de si, uma tarefa que se pre-tende escrupulosa por ser um tema bastante abrangente, fazê-lo particularizando essa ajuda pode tornar-se exigente e arriscado pelo facto de, ao contrário do que pode acontecer com a evolução das teorias, não ser fácil encontrar consensos num mundo de ideologias políticas tão divergentes. Esta Dissertação não pretende procurar consensos em redor da política de ajuda externa japonesa, ou deificá-la como o caminho correcto a percorrer, pretende, isso sim, anali-sá-la no sentido de compreender se esse é um dos caminhos que deve ser, ou não, ponderado no âmbito da ajuda internacional aos países em desenvolvimento e dos objectivos globais que se pretendem alcançar no futuro próximo. A pesquisa feita em torno da evolução das políticas japonesas de ajuda internacional e de aju-da pública ao desenvolvimento culmina na exploração das cinco edições da Tokyo Internatio-nal Conference on African Development (Processo TICAD) iniciadas em 1993 e cuja última edição se realizou no ano de 2013. Antes porém, há todo um conjunto de conceitos fundamen-tais que se revelam necessários para a compreensão de todo o Processo TICAD: desenvolvi-mento...

Relações Cabo Verde/China. Balanço dos trinta e dois anos de cooperação

Tavares, Pedro Borges
Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa Publicador: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /12/2010 POR
Relevância na Pesquisa
75.92%
Dissertação apresentada para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do Grau de Mestre em Ciência Política e Relações Internacionais; O propósito da nossa investigação é examinar eventuais mudanças, rupturas e (des) continuidades na história das relações de cooperação entre o arquipélago de Cabo Verde e a China – balanço dos trinta e dois anos de cooperação – tendo como pano de fundo a noção da cooperação Sul-Sul como modelo alternativo de cooperação, porquanto a nação cabo-verdiana tem sido, ao longo da sua história política, recipiendária da ajuda externa ao desenvolvimento, sobretudo em donativos e empréstimos concessionais, do conjunto dos países do bloco Sul, assumindo a China uma posição de destaque nessas relações de cooperação. Na presente dissertação percepciona-se a cooperação Sul-Sul como modelo alternativo e complementar às formas tradicionais de cooperação política, até então forjadas pela burocracia diplomática cabo-verdiana, uma vez que esta se enquadra na estratégia global de redimensionamento das relações externas e de diversificação da diplomacia de um arquipélago que procurou, desde os primórdios da sua independência, novas ancoragens de desenvolvimento e estratégias de mobilização de recursos externos. Quais são os verdadeiros interesses da China no reforço da cooperação política e económica com um Estado insular...

A política pública das lotarias - Possibilidades para o financiamento do desenvolvimento

Gomes, Maria Margarida Carqueijeiro Tomaz
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /07/2007 POR
Relevância na Pesquisa
65.9%
Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional; Num contexto de estagnação da Ajuda Pública ao Desenvolvimento (APD) e de acordo global sobre a urgência de encontrar formas inovadoras de cumprir os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), a discussão sobre o potencial de novas fontes de financiamento é uma prioridade. Os substanciais montantes envolvidos no mercado mundial do jogo de Estado (em 2005, atingiram os 182 mil milhões de dólares) levaram à sugestão da criação de uma Lotaria Global cujos proveitos revertessem para o desenvolvimento. Com este trabalho pretende-se discutir as possibilidades e dificuldades que podem surgir na construção de tal fonte de financiamento bem como na construção de outras formas de financiamento associadas às lotarias de Estado. Uma lotaria, na acepção geral do termo, é um poderoso mecanismo de geração de receitas ao dispor de um Estado e as questões de política envolvidas na sua exploração têm grande influência sobre a vida pública de uma sociedade, não podendo ser levianamente considerados os aspectos sobre os quais se funda a sua operacionalização. Onde existem, os jogos de Estado são parte integrante da orgânica da sociedade. Se, por um lado, são o resultado da procura da satisfação de uma necessidade de entretenimento e de interacção social; são...

O sector rural como componente fundamental no processo de desenvolvimento dos países do sul

Jordão, Maria Fernanda dos Santos
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2007 POR
Relevância na Pesquisa
65.86%
Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional; Depois de algumas décadas em que o paradigma de desenvolvimento dominante assentou essencialmente no crescimento da indústria, muitos países em desenvolvimento, nomeadamente na África Subsariana, não conseguem sair da pobreza e desenvolver as suas economias. Esta concentração excessiva no crescimento da indústria fez-se muitas vezes com custos elevadíssimos para o sector agrícola e para as populações rurais dos países em desenvolvimento, que constituem também a maioria dos pobres. Com os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, a comunidade internacional e os governos nacionais voltam-se para o sector agrícola, vendo neste um enorme potencial para despoletar o crescimento sustentado das economias rurais e de reduzir a pobreza, facilitando o processo de desenvolvimento nos países do Sul. No entanto, para que o sector agrícola dos países do Sul possa prosperar é necessário avaliar as políticas de comércio internacional e de ajuda pública ao desenvolvimento e o impacto que têm sobre o sector. Para além disso, é necessário reconhecer que o mundo em desenvolvimento é muito heterogéneo e que o ponto de partida é muito diferente face às condições endógenas de cada país ou região. As condicionantes ao nível da população e das condições em que vive e ao nível da tecnologia podem ser também determinantes para o processo de crescimento das economias rurais em particular...

A ajuda internacional e as guerras civis: uma relação perversa?

Barbosa, Tânia Isabel Lopes
Fonte: Instituto Superior de Economia e Gestão Publicador: Instituto Superior de Economia e Gestão
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em /05/2005 POR
Relevância na Pesquisa
65.94%
Mestrado em Desenvolvimento e Cooperação Internacional; No século XXI, continuam a predominar nos países pobres guerras civis travadas por razões como a ambição da secessão do Estado e luta pela inclusão, alimentadas por diversos factores (recursos naturais, clivagens étnicas, diáspora), e com graves consequências para essas sociedades. É nesse contexto que actua a ajuda internacional com o compromisso de salvar vidas e de minimizar o sofrimento humano. Esta dissertação reflecte sobre a possível influência da APD no agravamento e no prolongamento dos conflitos. Por um lado, a ajuda internacional está associada a interesses políticos, económicos e geoestratégicos que poderão determinar o comportamento dos doadores. Por outro, existem aspectos técnicos da distribuição da ajuda pelos actores humanitários que influenciam a dinâmica da paz e da guerra. Essa hipótese é testada à luz dos casos das guerras civis no Sri Lanka e em Angola. Apesar de ser indiscutível que, em ambos os casos, a ajuda internacional tenha desempenhado um papel fundamental na distribuição de bens básicos, ela terá sido marcada por alguns trâmites menos positivos na sua actuação e interferido em questões de carácter político...

O legado da Presidência Bush em África

Tavares,Rodrigo
Fonte: IPRI-UNL e Tinta da China Publicador: IPRI-UNL e Tinta da China
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2008 PT
Relevância na Pesquisa
65.85%
O objectivo central deste artigo é fazer uma nova avaliação do legado de George W. Bush no continente africano recorrendo a novas fontes e auscultando quer a posição americana, quer a opinião dos próprios africanos. O artigo é composto por três secções. Na primeira parte a política da Administração Bush é comparada ao legado dos seus predecessores Jimmy Carter (1977-1981), Ronald Reagan (1981-1989), George H. Bush (1989-1993) e Bill Clinton (1993-2001). Na segunda parte concentramo-nos nos quatro principais pilares da intervenção americana no continente: cooperação militar, ajuda pública ao desenvolvimento, combate a doenças (HIV/sida e malária), protecção da democracia e boa governação. Finalmente, no epílogo, tentar-se-á antecipar o posicionamento sobre África dos candidatos presidenciais John McCain e Barack Obama.