Página 1 dos resultados de 128 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Sinalização hormonal e do óxido nítrico na indução do metabolismo ácido crassuláceo em Ananas comosus; Hormonal and nitric oxide signalling in the induction of the Crassulacean acid metabolismo in Ananas comosus

Freschi, Luciano
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 17/10/2008 PT
Relevância na Pesquisa
46.83%
A expressão do metabolismo ácido crassuláceo (CAM) nas plantas C3-CAM facultativas pode ser fortemente modulada por uma variedade de sinais ambientais e endógenos. Visto que plantas de abacaxizeiro (Ananas comosus, variedade Smooth Cayenne) podem apresentar comportamento fotossintético do tipo C3 ou CAM quando cultivadas in vitro, o presente trabalho buscou analisar a participação de quatro classes hormonais (ácido abscísico, citocininas, auxinas e etileno), do cálcio citossólico (Ca2+cit.) e do óxido nítrico (NO) na regulação da expressão do CAM nessa bromélia. Para tanto, os teores endógenos desses sinalizadores foram quantificados durante a indução e a reversão do CAM em abacaxizeiro. Além disso, também foram realizadas análises do grau de expressão do CAM em plantas tratadas com esses compostos sinalizadores ou com seus inibidores de síntese, transporte ou percepção. Os dados obtidos evidenciaram uma correlação positiva entre os teores endógenos de ácido abscísico (ABA) e a expressão do CAM em abacaxizeiro, uma vez que a indução e a reversão do CAM foram acompanhadas de, respectivamente, aumentos e reduções no conteúdo foliar desse hormônio. Em consonância com esses resultados, o fornecimento de ABA exógeno resultou na indução do CAM em plantas mantidas na ausência de estresse hídrico...

Sinalização da indução do metabolismo ácido das crassuláceas (CAM) por ácido abscísico e óxido nítrico em Guzmania monostachia (Bromeliaceae); Abscisic acid and nitric oxide signaling on the induction of crassulacean acid metabolism in Guzmania monostachia (Bromeliaceae)

Mioto, Paulo Tamaso
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 02/03/2012 PT
Relevância na Pesquisa
66.99%
Guzmania monostachia é uma bromélia tanque epífita C3-CAM facultativa, constituindo-se em um modelo muito interessante para estudar a sinalização que ocorre na transição da fotossíntese C3 para CAM. Baseado em resultados obtidos pelo Laboratório de Fisiologia Vegetal do IBUSP, constatou-se que a mudança em questão se dá de forma diferente ao longo do comprimento das folhas dessa espécie, sendo muito mais pronunciada na região apical do que na basal. Outra pesquisa, desenvolvida anteriormente no mesmo laboratório, sugere fortemente que na indução ao CAM, em plantas jovens de abacaxizeiro C3, o óxido nítrico (NO) e o ácido abscísico (ABA) atuam como mediadores dessa resposta. Levando em conta esses fatos, o presente trabalho visou caracterizar a participação do NO e do ABA como sinalizadores do CAM em uma bromélia que é reconhecidamente C3-CAM facultativa na natureza. Além disso, suas folhas apresentam diferentes níveis de expressão do CAM ao longo do comprimento, podendo, assim, constituir-se em um ótimo modelo para estudos de sinalização. Também se buscou, nesta pesquisa,saber se seria possível reduzir o modelo de estudo para folhas destacadas, não necessitando empregar a planta inteira nos experimentais. Após a comparação da fotossíntese entre folhas pertencentes a plantas inteiras e folhas destacadas...

Ácido Salicílico, abcísico e jasmônico em videiras submetidas ou não à aplicação da tecnologia TPC (Thermal Pest Control); Salicylic acid, abscisic acid and jasmonic acid in vines submitted or not to the application of TPC technology (Thermal Pest Control)

Domingues, Bruno Alves
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 16/05/2013 PT
Relevância na Pesquisa
56.87%
A aplicação de ar quente em videiras foi primeiramente realizada na fazenda do Sr. Florenzo Lazo, localizada no Chile, onde havia a necessidade de combater os efeitos negativos das freqüentes geadas que resultava em severos danos à lavoura. Por este motivo o Sr. Florenzo inventou uma máquina que aplicava ar quente com baixa umidade e tinha por objetivo dispersar o ar frio proveniente das geadas. Após certo tempo, foi observado pelo produtor que no local onde a máquina havia operado com maior frequência as plantas apresentavam-se com uma coloração mais escura e com sinais de maior vitalidade. Seguindo estas observações, relacionamos estes efeitos a um possível aumento nos fito-hormônios relacionados ao estresse vegetal e à SAR (Systemic Resistence Adquired), como o ácido salicílico (AS), ácido jasmônico (AJ) e ácido abscísico (ABA), além de fazer uma correlação com alguns resultados de pós-colheita importantes para a comercialização, como: Sólidos solúveis, firmeza e coloração. Para isso foi montado um experimento que foi conduzido em duas parcelas, sendo uma com tratamento TPC e outra apenas com o tratamento convencional com distância padronizada em 3,2 metros entre linhas por 2,0 metros entre planta. As amostras eram coletadas diariamente e devidamente acondicionadas. Ao final da safra...

Regulação hormonal da biossíntese de antocianinas em framboesas (Rubus idaeus) no período pós-colheita; Hormonal regulation on anthocyanin biossynthesis in raspberry (Rubus idaeus) on postharvest.

Moro, Laís
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 29/08/2013 PT
Relevância na Pesquisa
46.74%
Nos frutos, a cor é fundamental para a aceitabilidade inicial do consumidor, especialmente para os chamados "pequenos frutos" como morangos e framboesas, sendo um critério tradicional para a apreciação e seleção do estado de maturação. Em framboesas (Rubus idaeus), as pesquisas têm focado a síntese de antocianinas, os pigmentos mais abundantes nesta espécie. Seus precursores provem da via de biossíntese dos fenilpropanóides, porém os fatores que regulam a atividade dessa via metabólica ainda são pouco conhecidos. Sabe-se que alguns hormônios como o etileno, o ácido indol-3-acético (AIA), o ácido abscísico (ABA) e o metil-jasmonato (MJ) estão relacionados à inibição da síntese ou aumento no acúmulo destes flavonóides. Neste contexto, o objetivo do trabalho é avaliar o efeito destes fatores hormonais sobre a biossíntese de antocianinas em framboesas da cultivar (cv.) Autumn Bliss. Foram avaliados os efeitos dos hormônios sobre as características físico-químicas e fisiológicas dos frutos (açúcares solúveis, ácidos orgânicos, respiração, síntese de etileno, cor), conteúdo de compostos fenólicos e flavonóides. Também foram quantificados os níveis de AIA livre, ABA e MJ e a expressão relativa das enzimas antocianidina sintase (ANS)...

Determinação de ácido abscísico e respostas metabólicas em espécies congenéricas de savana e mata do cerrado paulista

Silva, Carolina de Marchi Santiago da
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 65 p.
POR
Relevância na Pesquisa
66.9%
Pós-graduação em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) - IBRC; O ácido abscísico (ABA) é conhecido como hormônio do estresse hídrico, induzindo o fechamento estomático em episódios de seca. Visto que a concentração deste hormônio é muito baixa, primeiramente foi desenvolvido um método para quantificação foliar de ABA e outros cinco compostos de sua rota metabólica por cromatografia líquida em ionização ‘electrospray’ com espectrometria de massas em tandem (LC-ESI-MS/MS). Espécies de Styrax (S. Ferrugineus, uma espécie de Cerrado sensu stricto e S. pohlii, uma espécie de mata ripária) foram analisadas quanto ao teor de ABA e seus metabólitos na estação seca e na estação chuvosa. Além disso, também medimos, na estação seca, a expressão do gene da enzima 9-cis-epóxi-carotenóide dioxigenase (NCED), chave na biossíntese de ABA. Medidas de trocas gasosas (assimilação de CO2 e transpiração) e potencial da água na folha foram também realizadas nas estações chuvosa e seca. O método analítico desenvolvido mostrou-se eficiente para as quantificações de ABA, evidenciando como evitar o efeito da matriz nas análises. Em conjunto, os dados que obtivemos mostram que a espécie de mata, embora ocorra em hábitat com maior disponibilidade hídrica no solo...

Papel do tegumento e do acido abscisio no processo de degradação do galactomanano em sementes de Sesbania virgata (CAV.) PERS

Patricia Pinho Tonini
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 10/08/2004 PT
Relevância na Pesquisa
56.74%
Sementes de Sesbania virgata (Cav.) Pers. apresentam o galactomanano como polissacarídeo de reserva de parede celular presente no endosperma, cuja mobilização envolve três enzimas hidrolíticas (galactosidase, endo--mananase e exo--manosidase). O ácido abscísico (ABA) tem sido sugerido como envolvido no mecanismo de regulação desse processo, interferindo na produção e atividade das enzimas hidrolíticas, possivelmente relacionado com o tegumento. Neste trabalho, sementes escarificadas, embebidas em água e em solução de ABA 10-4 M, foram utilizadas para verificar o efeito do ABA exógeno e endógeno na degradação do galactomanano durante a germinação e pós-germinação, assim como sua possível relação com o tegumento. Na presença do ABA exógeno, as sementes apresentaram retardamento no desarranjo celular do endosperma, com atraso na degradação do galactomanano e no desaparecimento da endo--mananase no endosperma, sugerindo um atraso de sua atividade na presença do ABA que, conseqüentemente, retardou a degradação do galactomanano. A presença da endo--mananase no tegumento sugeriu a participação deste tecido na produção, modificação e/ou armazenamento da enzima, assim como das outras enzimas hidrolíticas...

Efeito do acido abscisico sobre a mobilização de galactomanano e o desenvolvimento do embrião em sementes de Sesbania marginata Benth

Adriana Potomati
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 14/01/2000 PT
Relevância na Pesquisa
66.9%
Galactomananos são polissacarídeos de reserva da parede celular, compostos por uma cadeia principal de manoses P-(1_4), com ramificações simples de galactose, ligadas 0:-(1 _6) à cadeia principal. São compostos típicos de sementes em espécies da família Leguminosae e os estudos feitos até o momento indicam que este seja uma molécula bifuncional, exercendo um papel no controle da embebição no início da germinação e posteriormente servindo como reserva de carbono para o crescimento inicial da plântula. As sementes de Sesbania marginata (Leguminosae-Faboideae) acumulam galactomanano no endosperma (21 % da massa de matéria seca da semente), o qual é completamente degradado após a germinação, por ação de três enzimas: 0:galactosidase, endo-p-mananase, e exo-p-mananase (ou p-manosidase). Os produtos da degradação são transferidos para os cotilédones e eixo embrionário em crescimento, acumulando amido, que é posteriormente degradado ao longo do crescimento da plântula. No presente traballho foi verificado que o ácido abscísico (ABA 10-4M) é capaz de retardar a germinação das sementes de S.marginata e inibir significativamente o crescimento do embrião. O acompanhamento das variações das massas fresca e seca mostrou que o ABA tem um efeito transitório na massa seca...

Alterações bioquímicas de plantas e morfológicas de gemas de cafeeiro associadas a eventos do florescimento em resposta a elementos meteorológicos

Nascimento,Marilza Neves do; Alves,José Donizeti; Soares,Ângela Maria; Castro,Evaristo Mauro de; Magalhães,Marcelo Murad; Alvarenga,Amauri Alves de; Silva,Guilherme Henrique
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
46.9%
O florescimento do cafeeiro envolve diversos fatores, tanto da planta como do ambiente. A compreensão das interações entre esses fatores pode contribuir para o desenvolvimento de práticas de manejo mais dequadas, principalmente em relação à irrigação. Tais práticas podem vir a promover uma uniformização da floração, conseqüentemente uniformização da maturação dos frutos, minimizando os custos de produção. O objetivo deste trabalho foi avaliar alterações morfológicas de gemas, síntese de prolina e de ácido abscísico em plantas de cafeeiros em resposta a elementos meteorológicos, visando assim contribuir para o conhecimento de fatores que influenciam a uniformização da floração. Foram feitas análises, por meio de técnicas de microscopia eletrônica de varredura, em gemas de ramos plagiotrópicos de primeira ordem, coletadas semanalmente durante o período de novembro/04 a fevereiro/05. No período de julho a setembro de 2005, foram realizadas avaliações em plantas irrigadas e não-irrigadas, de potencial hídrico foliar antes do amanhecer e teor de prolina, em folhas totalmente expandidas, posicionadas em ramos do terço superior da copa. Foi também avaliado o teor de ácido abscísico na seiva do xilema e nas gemas florais. Os resultados mostram modificações na estrutura das gemas associadas a um período de déficit hídrico seguido de precipitação e...

Conservação in vitro de mangabeira da região nordeste do Brasil

Sá,Aline de Jesus; Lédo,Ana da Silva; Lédo,Carlos Alberto da Silva
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2011 PT
Relevância na Pesquisa
47.05%
A mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) é uma espécie cujas regiões de ocorrência natural vêm sofrendo grande pressão antrópica, a qual está provocando erosão genética em muitas populações nativas, principalmente da região Nordeste. Em virtude da existência de poucas coleções de mangabeira conservadas ex situ, evidencia-se a importância do desenvolvimento de um método alternativo e complementar para a conservação de germoplasma dessa espécie. A utilização de técnicas de cultura de tecidos de plantas para a conservação de recursos genéticos apresenta diversas vantagens sobre a conservação de germoplasma no campo, destacando-se a economia de recursos financeiros para a manutenção das coleções, redução de riscos fitossanitários e intempéries climáticas. Por esse motivo, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência de regulador osmótico (manitol) e inibidor de crescimento (ácido abscísico) na conservação in vitro de microestacas de mangabeira por crescimento lento. As culturas foram mantidas em meio MS com 3% de sacarose e 0,6% de agar. Os experimentos foram conduzidos em delineamento inteiramente casualizado, em sala de crescimento com temperatura variando de 26±2°C...

Aplicação de ethephon e ácido Abscísico em uva Crimsom Seedless e seu efeito sobre a conservação pós-colheita.

SANTOS, F. C.; LIMA, M. A. C. de; LIMA, M. A. C. de; ARAÚJO, A. L. de S.; MORAES, L. R. V. de; RISTOW, N. C.
Fonte: In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA SEMIÁRIDO, 7.; JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACEPE/UNIVASF, 1., 2012, Petrolina. Anais... Petrolina: Embrapa Semiárido, 2012. Publicador: In: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA SEMIÁRIDO, 7.; JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACEPE/UNIVASF, 1., 2012, Petrolina. Anais... Petrolina: Embrapa Semiárido, 2012.
Tipo: Artigo em anais de congresso (ALICE) Formato: 1 CD-ROM.; p. 375-381.
PT_BR
Relevância na Pesquisa
67.05%
O objetivo deste trabalho foi determinar o efeito da aplicação de ácido abscísico (ABA) em comparação ao uso de ethephon durante a maturação sobre a conservação pós-colheita da uva ?Crimson Seedless?, cultivada no Submédio do Vale do São Francisco. O experimento foi conduzido em parreiral comercial, em Petrolina, PE. Os tratamentos foram representados por dose e número de aplicações de ácido abscísico, comparado ao uso de ethephon e ao controle, e pelo tempo de armazenamento. O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso, em fatorial 8 x 5, com quatro repetições. O ABA influenciou a cor dos cachos e o teor de sólidos solúveis, à semelhança do ethephon. Porém, as bagas foram menos firmes e elásticas, mostrando sinais de murcha mais precocemente.; 2012

Análise transcriptômica de genes e LTR retrotransposons em arroz (Oryza sativa ssp. japonica) em resposta à toxidez por ferro; Transcriptomic analysis of genes and LTR retrotransposons in rice (Oryza sativa ssp. japonica) in response to iron toxicity

FINATTO, Taciane
Fonte: Universidade Federal de Pelotas; Agronomia; Programa de Pós-Graduação em Agronomia; UFPel; BR Publicador: Universidade Federal de Pelotas; Agronomia; Programa de Pós-Graduação em Agronomia; UFPel; BR
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
46.9%
Iron toxicity in plants is associated with the presence of large concentrations of reduced iron (Fe2+) in the soil solution, which occurs in flooded soils and affects rice plants grown under this condition. Symptoms of iron toxicity involve oxidative stress in leaves, as a response to excessive Fe2+ absorption by the roots. The responses of plants to stress conditions include stimulus perception, signal transduction and gene transcription activation. Besides gene expression, LTR (Long Terminal Repeat) retrotransposons represent ca. 22% of the rice genome, they can be transcriptionally activated under stress, and they can alter the expression of adjacent genes (e.g. due to alterations in chromatin structure). This study aimed to identify differentially expressed genes and LTR retrotransposons in leaves of 18-day-old rice seedlings (Oryza sativa ssp. japonica cv. Nipponbare) after four days of iron excess exposure. They were identified a differential expression of genes and LTR retrotransposons in rice exposed to iron excess using a microarray approach. Total RNA was extracted from leaves of 18-day-old rice seedlings (Oryza sativa L. ssp japonica cv. Nipponbare) after four days of cultivation in nutrient solution with iron excess (7 mM of FeSO47H2O) and in a control solution. The hybridization was performed with cDNA and rice transposome array v. 2.0 microarray (Roche/NimbleGen technology...

Relações hidricas, trocas gasosas e conteudo de acido abscisico e acido 3-indol acetico em laranjeiras 'pera' com clorose variegada dos citros

Mara de Menezes de Assis Gomes
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 18/05/2001 PT
Relevância na Pesquisa
67.01%
Laranjeiras 'Pêra' (Citrus sinensis L. Osbeck) enxertadas sobre limoeiros 'Cravo' (Citrus limonia Osbeck) de um ano de idade foram infectadas pela bactéria Xylella fastidiosa, responsável pela doença Clorose Variegada dos Citros (CVC), pelo método de encostia. As laranjeiras crescidas em vasos de 100,0 L foram mantidas em telado, para impedir a entrada de cigarrinhas, vetores da bactéria. Seis meses após a inoculação, foi confirmada a presença da bactéria por meio da análise de PCR (reação em cadeia de polimerase). Como foi verificado que a deficiência hídrica (DH) intensifica os efeitos da CVC no campo, as plantas foram submetidas a três ciclos de DH no período de um ano (março e outubro de 1998 e abril de 1999) e divididas em quatro tratamentos: plantas sadias irrigadas (PSI); plantas sadias não irrigadas (pSNI); plantas doentes irrigadas (PDI) e plantas doentes não irrigadas (pDNI). No primeiro e segundo ciclos de DH, as taxas de fotossíntese (A), transpiração (E) e a condutância estomática (g) das plantas não irrigadas foram diminuindo à medida que o estresse foi se tomando mais severo. Os valores de A de PSNI e PDNI ficaram nulos após dez dias de deficiência hídrica. As plantas doentes foram as mais sensíveis ao aumento de DPVf-ar (déficit de pressão de vapor entre o ar e a folha) durante o dia. As altas concentrações de ácido abscisico (ABA) encontradas em plantas não irrigadas...

Expressão de genes do sistema antioxidante mediada por ácido abscísico em folhas de milho (Zea mays L.)

Dall'Asta, Pâmela
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 115 p.| il., grafs., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
66.9%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Programa de Pós-graduação em Recusos Genéticos Vegetais, Florianópolis, 2013; O hormônio ácido abscísico (ABA) participa da sinalização celular em situações de estresse. Buscou-se, nesse estudo, verificar a expressão de genes envolvidos no sistema antioxidante em resposta ao ABA de uma variedade de milho com baixa produção de flavonoides (p1-ww). Foram aplicadas às plântulas concentrações crescentes de ABA, sendo controle (água), 10, 100 e 1000 ?M. As coletas das folhas medianas foram realizadas após 3, 6 e 12 horas de tratamento. As amostras foram usadas para posterior isolamento do RNA, síntese de cDNA e qRT-PCR. Foi realizada a quantificação relativa (método do ?Ct) dos transcritos de actina (act), Zm actina (Zmact), -glumamilcisteína sintetase ( -ecs), glutationa sintetase (gsh-s), glutationa redutase (gsr1), gluatationa S-transferase (gst23), ascorbato peroxidases (apx1 e apx2), catalases (cat1 e cat3) e superóxido dismutase (sod2), em relação aos transcritos de ?-tubulina (tub), gene de referência. O experimento foi repetido três vezes. Foram realizadas análises estatísticas pelo teste de Kruskal-Wallis...

Análise da expressão gênica, sob condições de déficit hídrico, em limoeiro 'Cravo' (Citrus limonia OSBECK).

NEVES, D. M.; COELHO FILHO, M. A.; SOUZA, D. T.; SOARES FILHO, W. dos S.; COSTA, M. G. C.; GESTEIRA, A. da S.
Fonte: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE RECURSOS GENÉTICOS; WORKSHOP EM BIOPROSPECÇÃO E CONSERVAÇÃO DE PLANTAS NATIVAS DO SEMI-ÁRIDO, 3.; WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE BIOENERGIA E MEIO AMBIENTE, 2010, Salvador. Bancos de germoplasma: descobrir a riqueza, garantir o futuro: anais. Brasília, DF: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2010. 1 CD-ROM (Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. Documentos, 304). Publicador: In: CONGRESSO BRASILEIRO DE RECURSOS GENÉTICOS; WORKSHOP EM BIOPROSPECÇÃO E CONSERVAÇÃO DE PLANTAS NATIVAS DO SEMI-ÁRIDO, 3.; WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE BIOENERGIA E MEIO AMBIENTE, 2010, Salvador. Bancos de germoplasma: descobrir a riqueza, garantir o futuro: anais. Brasília, DF: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2010. 1 CD-ROM (Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. Documentos, 304).
Tipo: Resumo em anais de congresso (ALICE)
PT_BR
Relevância na Pesquisa
46.9%
A citricultura brasileira é um dos setores mais competitivos do agronegócio global, e o Brasil ocupa a posição de maior produtor mundial de citros e exportador de suco concentrado congelado. O Nordeste brasileiro, por sua vez, detém, após o Estado de São Paulo, a citricultura de maior expressão, graças à liderança nesse setor dos Estados da Bahia e Sergipe, que praticamente se igualam na produção de citros. Um dos problemas que podem afetar drasticamente a produção nacional é a carência de genótipos capazes de tolerar a seca. O ácido abscísico (ABA) desempenha um papel crucial na regulação dos níveis de água através das células guardas, e também na indução de genes envolvidos na tolerância à seca. Dessa forma, o objetivo deste trabalho foi determinar, a partir de análise fisiológica, os níveis de expressão dos genes ost1 (Open Stomata1) e sad1 (ABA supersensitivo à seca) em plantas de limoeiro ?Cravo? submetidas ao déficit hídrico, por meio da técnica de RT-qPCR. O papel do gene ost1 consiste em atuar como um regular positivo na indução do ABA no fechamento estomático. Já o sad1 é um importante regulador negativo que modula o metabolismo de RNA como splicing, exportação e degradação, controlando a sensibilidade do ABA à seca nas plantas. Neste estudo foram utilizadas dez plantas nucelares...

Clonado y caracterización de un gen de tomate modulable por ácido abscísico

Rossi, María Magdalena
Fonte: Facultad de Ciencias Exactas y Naturales. Universidad de Buenos Aires Publicador: Facultad de Ciencias Exactas y Naturales. Universidad de Buenos Aires
Tipo: info:eu-repo/semantics/doctoralThesis; tesis doctoral; info:eu-repo/semantics/publishedVersion Formato: application/pdf
Publicado em //1996 SPA
Relevância na Pesquisa
66.9%
En este trabajo se clonó y se caracterizó estructuralmente un gen de tomate (Asr2), homólogo a un cADN inducible por ácido abscísico (ABA), estrés hídrico y maduración (Asr1) previamente clonado. Por otro lado, se comprobó la existencia de una familia génica, de por lo menos tres miembros, localizada en el cromosoma 4 a la cual pertenecen Asr1 Asr2. Para conocer la funcionalidad de la región 5' de Asr 2 en la expresión génica, estas secuencias fueron fusionadas al gen de la Β-glucuronidasa (GUS). Con la construcción resultante, se llevaron a cabo ensayos de expresión transitoria en Carica papaya L. mediante cañón génico y se obtuvieron plantas transgénicas de papaya, tabaco y papa vía cañón génico y A. tumefaciens. Los resultados muestran que la región 5' de Asr2 posee funciones de promotor in vivo y que además el ABA modula la expresión de GUS en ambos sistemas, transitoria y estable.; Fill:Rossi, María Magdalena. Universidad deBuenos Aires. Facultad de Ciencias Exactas y Naturales;Argentina.

Clonado y caracterización de un gen de tomate modulable por ácido abscísico

Rossi, María Magdalena
Fonte: Facultad de Ciencias Exactas y Naturales. Universidad de Buenos Aires Publicador: Facultad de Ciencias Exactas y Naturales. Universidad de Buenos Aires
Tipo: Tesis Doctoral Formato: text; pdf
Publicado em //1996 ESPAñOL
Relevância na Pesquisa
66.9%
En este trabajo se clonó y se caracterizó estructuralmente un gen de tomate (Asr2), homólogo a un cADN inducible por ácido abscísico (ABA), estrés hídrico y maduración (Asr1) previamente clonado. Por otro lado, se comprobó la existencia de una familia génica, de por lo menos tres miembros, localizada en el cromosoma 4 a la cual pertenecen Asr1 Asr2. Para conocer la funcionalidad de la región 5' de Asr 2 en la expresión génica, estas secuencias fueron fusionadas al gen de la Β-glucuronidasa (GUS). Con la construcción resultante, se llevaron a cabo ensayos de expresión transitoria en Carica papaya L. mediante cañón génico y se obtuvieron plantas transgénicas de papaya, tabaco y papa vía cañón génico y A. tumefaciens. Los resultados muestran que la región 5' de Asr2 posee funciones de promotor in vivo y que además el ABA modula la expresión de GUS en ambos sistemas, transitoria y estable.

Efecto del ácido abscísico exógeno sobre las características de bayas de vitis vinifera L. cv. sauvignon blanc y chardonnay

Apablaza Álvarez, Claudia Andrea
Fonte: Universidad de Chile Publicador: Universidad de Chile
Tipo: Tesis
ES
Relevância na Pesquisa
66.9%
Memoria para optar al título profesional de Ingeniera Agrónoma; Autorizada por el autor, pero con restricción para ser publicada a texto completo hasta diciembre de 2013; En diversos estudios, se ha demostrado que el ácido abscísico (ABA) se encuentra relacionado con el inicio de la maduración de las bayas de vid. Aplicaciones exógenas de este regulador cercanas a la época de envero, han adelantado el proceso de maduración, ya que se acelera el metabolismo primario y secundario de las bayas tratadas, tales efectos han sido demostrados en la totalidad de los ensayos realizados, en variedades de uva tinta, de mesa y para vino. Sin embargo, aún no se ha estudiado el efecto de este fitoregulador sobre variedades blancas. Con la intención de establecer el efecto del ABA sobre bayas de las var. Sauvignon Blanc y Chardonnay, se determinaron 3 tratamientos: (i) 50 mgL-1 ABA; (ii) 100 mgL-1 ABA; (iii) testigo con agua y Tween 20 al 0,1% (v/v). Se realizaron dos aplicaciones, -2 y +1 días después de pinta (DDP) para la var. Chardonnay y -7 y -4 días después de pinta (DDP) para la var. Sauvignon Blanc. Mediante muestreos semanales, se determinó el avance en la maduración de las bayas junto con la evolución del volumen y peso total de las bayas...

Efecto de la aplicación de ácido abscísico sobre las características física y la composición química de bayas de vid vinífera var. Pinot Noir

Ovalle Rodríguez, Juan Ignacio
Fonte: Universidad de Chile Publicador: Universidad de Chile
Tipo: Tesis
ES
Relevância na Pesquisa
66.9%
Memoria para optar al título profesional de Ingeniero Agrónomo; El ácido abscísico (ABA), en la época de pinta, está involucrado en el metabolismo primario y secundario de bayas de vid vinífera, principalmente en la acumulación de azúcares, antocianos, taninos y flavonoles. Tal efecto ha sido demostrado en cepas de alta complejidad fenólica como Cabernet Sauvignon, Merlot y Carménère. Sin embargo, hasta el momento no existen trabajos en el cv. Pinot Noir, el cual presenta una débil composición fenólica. Con el propósito de determinar el efecto del ABA sobre bayas de Pinot Noir, se establecieron tres tratamientos: (i) 50 mg•L-1ABA; (ii) 100 mg•L-1 ABA; (iii) testigo con agua y 0,1% (v/v) del surfactante Tween 20. Las aplicaciones se realizaron 2 días después de pinta (DDP) y 24 DDP. Mediante muestreos semanales, se determinó la evolución del peso de bayas y de pieles, volumen de bayas, sólidos solubles, acidez, pH, fenoles, antocianos y taninos totales. Al final de la temporada se evaluó la deshidratación de bayas. Las aplicaciones de ABA afectaron el pH, acidez y sólidos solubles, sin encontrarse resultados concluyentes sobre el efecto del ABA. Así mismo, las aplicaciones de ABA no afectaron el peso de los hollejos...

Anatomía, contenidos de ácido abscísico y nutrimentos y germinación de semillas de heliconia

Benítez-Domínguez,Lizeth; Gómez-Merino,Fernando C.; Trejo-Téllez,Libia I.; Robledo-Paz,Alejandrina
Fonte: Sociedad Mexicana de Fitogenética A.C. Publicador: Sociedad Mexicana de Fitogenética A.C.
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2011 ES
Relevância na Pesquisa
66.9%
Las heliconias se propagan asexualmente a través de rizomas y en consecuencia hay pocos estudios sobre la biología de sus semillas, las cuales son necesarias para generar variabilidad genética. En esta investigación se estudió la constitución interna de las semillas, los contenidos de ácido abscísico y de nutrimentos, y la germinación en cuatro especies de heliconias: Heliconia bourgaeana, H. collinsiana, H. latispatha y H. psittacorum. En semillas de H. collinsiana y H. latispatha analizadas al microscopio, los embriones aparecen sin daños después de un año de almacenamiento, mientras que en H. bourgaeana y H. psittacorum se observaron alteraciones del tejido embrionario. En las cuatro especies se detectaron taninos y almidón en endospermo, con mayor presencia de taninos en H. bourgaeana y H. psittacorum. El contenido de ABA fue mayor en H. collinsiana (7.8 µg g-1 MS) que en las demás especies que presentaron 0.26 µg g-1 MS o menos. El mayor contenido de B, Ca, Mg, Mn, Fe y Zn también se registró en H. collinsiana, y las menores concentraciones de B, Ca, Cu, Fe, Mg, Mn, P y Zn las presentó H. psittacorum. A 85 d después de la siembra la germinación in vitro fue de 18, 30, 3 y 32 % para H. bourgaeana, H. collinsiana...

Acondicionamiento pre-siembra: una opción para incrementar la germinación de semillas de chile habanero (Capsicum chinense Jacq.)

Garruña-Hernández,René; Latournerie-Moreno,Luis; Ayala-Garay,Oscar; Santamaría,Jorge M.; Pinzón-López,Luis
Fonte: Colegio de Postgraduados Publicador: Colegio de Postgraduados
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 ES
Relevância na Pesquisa
46.8%
Las semillas de chile habanero (Capsicum chinense Jacq.) disminuyen su germinación después de periodos de almacenamiento superiores a los 100 d. Los tratamientos de acondicionamiento revigorizan, aceleran y uniforman la germinación de las semillas del género Capsicum. En este estudio se acondicionaron semillas de chile habanero durante 144 h con aireación constante en agua destilada y soluciones acuosas (tratamientos) de: KNO3 al 3 %, polietilen glicol (PEG) a -0.5 MPa, ácido abscísico (ABA) a 10-5 M, y ácido giberélico (AG3) a 400 ppm. Después del acondicionamiento las semillas germinaron en cajas petri y charolas (el testigo fue sembrado sin acondicionar). El diseño experimental fue completamente al azar, con los datos se realizó un ANDEVA y las medias se compararon con la prueba de Tukey (p≤0.05). Los resultados mostraron que las semillas acondicionadas con ABA (13.22 % de semillas germinadas d-1) aumentaron la velocidad de germinación con respecto al testigo (6.38 % de semillas germinadas d-1) y todos los tratamientos de acondicionamiento aumentaron el porcentaje de germinación (%G), pero no todos mantuvieron ese aumento durante la emergencia. En el porcentaje de emergencia (%E) sólo los tratamientos con PEG y KNO3 (osmóticos) fueron estadísticamente diferentes al testigo superándolo en 36 y 21 %. Los tratamientos osmóticos evitaron la protrusión durante el acondicionamiento y su %E fue similar al %G. El acondicionamiento de las semillas es óptimo si aumenta la germinación y la emergencia; por lo tanto el acondicionamiento de las semillas de chile habanero con KNO3...