Página 1 dos resultados de 8 itens digitais encontrados em 0.005 segundos

Biopolítica em Giorgio Agambem: reflexão crítica sobre a legitimidade do Poder Soberano

Valerio, Raphael Guazzelli
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 114 f.
POR
Relevância na Pesquisa
56.82%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Filosofia - FFC; Pretende-se mapear o conceito de biopolítica na obra do filósofo italiano Giorgio Agamben, mais precisamente em seu trabalho de 1995, inaugurador da série Homo Sacer, cujo título leva o mesmo nome: Homo Sacer: O Poder Soberano e a Vida Nua. Valendo-se do pensamento de Michel Foucault e Hannah Arendt de um lado, e Walter Benjamin e Carl Schmitt de outro, Agamben faz recuar o conceito de biopolítica às fundações da política ocidental. Importa mostrar como estrutura, lógica e topologia de funcionamento a biopolítica anima as relações políticas desde seu fundamento e que a modernidade foi capaz de desvelar, transformando radicalmente os espaços políticos contemporâneos. É sabido que este conceito foi forjado por Foucault e que em seu pensamento ele funciona como uma modalidade de poder, porém em Agamben ele aparece de forma central, algo como um conceito base de onde emergirão outros quatro: homo sacer, poder soberano, estado de exceção e campo de concentração. A política moderna, ao suscitar um permanente estado de exceção, isola e produz a mera vida e toma para si o direito de administrá-la. Nesta estrutura de funcionamento temos como paradigma de espaço político o campo de concentração; It is intended to map the concept of biopolitics in the work of Italian philosopher Giorgio Agamben...

Extravio do jurídico, ocaso do político, ubiqüidade da exceção

Barbosa, Jonnefer Francisco
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
16.17%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Jurídicas. Programa de Pós-Graduação em Direito.; Objetiva o presente trabalho cujos arranjos estão fixados basicamente na intersecção entre a filosofia do direito e a filosofia política - lançar confrontações e análises instaladas num caráter deliberadamente fragmentário - no plano de três eixos temáticos principais (intitulados, respectivamente: extravio do jurídico; ocaso do político e a ubiqüidade da exceção), compondo-se, cada eixo, de fragmentos-tese - sínteses heurísticas de argumentos e hipóteses - que tentam circunscrever debates topografias sobre algumas aporias ainda pendentes de respostas na teoria e na filosofia do direito contemporâneo, v.g, (eixo I) crise da estatalidade, topografias da decisão jurídica, direito e temporalidade, refuncionalização do direito nas sociedades de massas espetacularizadas contemporâneas; (eixo II) fenecimento das categorias da tradição contratualista (e a urgência de pensar outras referências para a política ocidental), emergência da biopolítica; (eixo III) a força de lei, a ubiqüidade e o tornar-se regra da exceção (aproximação aos conceitos de exceção efetiva e fictícia). Boa parte dos caminhos desta dissertação são margeados a partir dos vetores da filosofia contemporânea representados na teorizações de Walter Benjamin (1892-1940)...

Lima Barreto / Roberto Arlt

Pacheco, Keli Cristina
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 203 f.| il.
POR
Relevância na Pesquisa
16.17%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Literatura, Florianópolis, 2009.; A presente tese opera no limiar entre a literatura brasileira e a argentina, mais especificamente com dois de seus escritores bastante admirados, mas não raro censurados pela crítica em função de supostos deslizes de linguagem e estilo. Lima Barreto (1981-1922) e Roberto Arlt (1900-1942), estes "homens do subsolo" no espaço da literatura nacional, são foco deste estudo que procura, através da leitura dos romances - Recordações do Escrivão Isaías Caminha, Triste Fim de Policarpo Quaresma, Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá, de Lima Barreto, e El juguete rabioso, Los siete locos e Los lanzallamas,de Roberto Arlt -, acompanhar o exílio e a relação das personagens com a comunidade. A partir da definição do conceito de exílio como negatividade, tal como estabelecem Maurice Blanchot, Jean-Luc Nancy, Giorgio Agamben, Franco Rella, entre outros, é possível detectar que a série de personagens solitárias e torturadas, presentes nos romances, participam de um verdadeiro projeto de exaustão do sentido da comunidade que se funda no território. Tal projeto, que exauri a comunidade territorial imaginada - seja nacional ou revolucionária - é...

O abandono da constituição : soberania e poder judiciário no paradigma biopolítico

Theodoro Filho, Wilson Roberto
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
46.71%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Direito, 2011.; A perspectiva teórica de Giorgio Agamben fundamenta-se na idéia de que a natureza ontológica do direito e da política ocidentais está diretamente vinculada à produção soberana de biopolítica a partir da suspensão da ordem jurídica. Em face de tal constructo, todavia, Agamben não elabora uma reflexão sobre o papel do poder judiciário, da Constituição e do controle de constitucionalidade na efetivação da biopolítica e do Estado de Exceção contemporâneos. A presente tese tem por objetivo desenvolver as conclusões teóricas do próprio Agamben em vistas da lacuna levantada, e parte da hipótese de que, se o autor está correto em afirmar que o paradigma biopolítico do campo de concentração domina o funcionamento estrutural das democracias ocidentais, então o poder judiciário e a Constituição contribuem, de algum modo, para a suspensão da ordem político-jurídica e para a definição dos espaços biopolíticos da atualidade. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT; Agamben´s theory proposes that the ontological nature of law and politics is directly linked to the sovereign production of biopolitics...

Por uma ética para o 121o. dia : leituras em Pier Paolo Pasolini, Giorgio Agamben e Georges Didi-Huberman; Towards an ethic for the 121st day : readings in Pier Paolo Pasolini, Giorgio Agamben e Georges Didi-Huberman

Priscila Malfatti Vieira Corilow
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 20/01/2015 PT
Relevância na Pesquisa
56.85%
O centro desse trabalho é um percurso crítico através de algumas das obras de Pier Paolo Pasolini, em especial, as compreendidas entre a segunda metade da década de 1960 e a primeira metade da de 1970. Foram lidos atentamente: a sequência da flor de papel, quatro poemas que integram a coletânea Trasumanar e Organizzar, o roteiro não filmado Porno-Teo-Kolossal, os escritos intitulados Divina mimesis, alguns artigos da coluna mantida no periódico Tempo, intitulada Il caos, assim como vários dos ensaios de Scritti Corsari, o romance Petrolio e os filmes Medea e Salò o le 120 giorni di Sodoma. Dialogando com a percepção de Georges Didi-Huberman em Survivance des lucioles, de que há certa relação de continuidade entre a obra de Pier Paolo Pasolini e a de Giorgio Agamben, procuro também dar corpo ao meu entendimento de que há uma confluência entre o pensamento de ambos, através do cruzamento das leituras dos escritos de Pasolini com algumas das obras de Agamben, em especial La comunità che viene e Altissima povertà e Signatura rerum. As linhas principais que norteiam esse percurso ¿ que ocorre em diálogo com algumas das leituras de Georges Didi-Huberman sobre o cinema e os escritos de Pasolini ¿ são certa percepção não linear do tempo...

"Soberanía y bio-política": (Notas para una política del gesto en el pensamiento de G. Agamben)

Karmy B., Rodrigo
Fonte: Universidad de Chile; Programa Cybertesis Publicador: Universidad de Chile; Programa Cybertesis
Tipo: Tesis
ES
Relevância na Pesquisa
46.35%
“Soberanía” es la palabra que atraviesa de polo a polo la presente tesis. ¿En qué sentido habrá que entender el “y” de su título? En principio, no como una relación al modo de una conjunción entre elementos diferentes primariamente aislados entre sí. El “y” denotaría, ante todo, la relación originaria –es decir, la relación que es condición de todas las otras relaciones posibles- en cual toda soberanía constituiría, en sí misma, bio-política. Aparece, entonces, “bio-política”, concepto que, a la luz de las investigaciones de Foucault, no ha dejado de aparecer en la literatura filosófica contemporánea. Pero ¿por qué el guión que separa “bios” de “política”? En primer lugar para advertir que lo que en la soberanía está en juego es ante todo, la “forma de vida”. En segundo lugar que, a su vez, no habría política –al menos política en Occidente- sin esta implicación y, en tercer lugar que lo que se trataría de atender es, precisamente, esa relación que liga, de modo indisoluble, “forma de vida” y política. ¿En qué consistiría ese nexo? Es lo que, a continuación, se pretende explicar.

POLÍTICAS DE LA EN(X)CARNACIÓN: Elementos para una Genealogía Teológica de la Biopolítica

Karmy B., Rodrigo
Fonte: Universidad de Chile; Programa Cybertesis Publicador: Universidad de Chile; Programa Cybertesis
Tipo: Tesis
ES
Relevância na Pesquisa
36.17%
Se podría decir que la filosofía deslumbra allí donde el hombre se apasiona con su presente. En estos términos, el siguiente trabajo se guía por el deseo de reflexionar sobre la actual consistencia de la pólis, de cuya catástrofe testimonia la inexorable implosión a la que habrían sido conducidas las categorías políticas modernas. Sucedería, pues, como si en nuestro tiempo, la intestina “guerra de todos contra todos” caracterizada por la filosofía política de Thomas Hobbes, volviera al centro del espacio político dislocándolo y llevándolo al “extremo de sus propios conceptos”. Sería en virtud de este proceso que la crisis actual de la pólis occidental, habría terminado por plantearse como un objeto privilegiado de la reflexión filosófica.; Espósito, Roberto, 1950-; Agamben, Giorgio, 1942-; Filosofía política; Biopolítica; Teología filosófica; Encarnación.

Una crònica de Heidegger i «l'escàndol de la filosofia del segle xx»

Hernández Reynes, Jesús
Fonte: Universidade Autônoma de Barcelona Publicador: Universidade Autônoma de Barcelona
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
Publicado em //2002 CAT
Relevância na Pesquisa
46.44%
Amb la publicació, el 1927, d'Ésser i temps, Heidegger es guanya una reputació internacional. Però el 1933, Heidegger, el filòsof mundialment reconegut, esdevé Heidegger el nazi. La simpatia de Heidegger pels nazis ha estat qualificada de «l'escàndol de la filosofia del segle XX». La història oficial de la implicació de Heidegger -que és la recolzada pel mateix Heidegger i pels seus apologistes- la veu com una implicació política de curta durada. D'altra banda, alguns crítics desqualifiquen el treball filosòfic de Heidegger a causa de la seva lleialtat al nazisme, i així mostren la relació intrínseca entre la filosofia de Heidegger i la seva política. Aquest article, en canvi, proposa una tercera via d'aproximació al tema, molt més fructífera. En aquesta línia, es troben Foucault i Agamben. Es tracta d'assumir que Heidegger, pel fet d'haver comprès el nazisme, està en millors condicions que qualsevol altre filòsof per facilitar-nos-en la superació. Segons això, Heidegger serà un testimoni de l'encara avui dia imperant biopolítica.; With the publication in 1927 of Being and Time Heidegger assured his international reputation. But in 1933 Heidegger the world-renowned philosopher became Heidegger the Nazi. The Heidegger's sympathy for the Nazis has been named «the scandal of philosophy of century 20th». The official story of Heidegger's involvement -that is...