Página 1 dos resultados de 4121 itens digitais encontrados em 0.077 segundos

Índice de massa corporal apresenta boa correlação com o perfil pró-aterosclerótico em crianças e adolescentes; Body mass index has a good correlation with proatherosclerotic profile in children and adolescents; Índice de masa corporal presenta buena correlación con el perfil proaterosclerótico en niños y adolescentes

COSTA, Geodete Batista; HORTA, Naira; RESENDE, Zulmira Freire; SOUZA, Graziela; BARRETO, Larissa Machado de Farias; CORREIA, Luis Henrique; NASCIMENTO, Thiago Augusto; RIOS, Clay Barreto; BARRETO-FILHO, José Augusto; LOPES, Heno Ferreira
Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC Publicador: Sociedade Brasileira de Cardiologia - SBC
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
156.19%
FUNDAMENTO: Recentemente, uma associação de diferentes fatores de risco foi descrita como a síndrome metabólica. Diferentes definições estão sendo utilizadas para a mesma síndrome. Independente do nome ou da classificação, estabeleceu-se que um agrupamento de fatores de risco cardiovasculares incluindo sobrepeso/obesidade, aumento da pressão arterial e anormalidade lipídicas e glicêmicas está associado com aumento do risco de aterosclerose em adultos. OBJETIVO: O objetivo desse estudo foi correlacionar os percentis do índice de massa corporal com a pressão arterial (PA), índice de resistência à insulina (HOMA-ir) e perfis lipídicos em crianças e adolescentes, os quais caracterizam um perfil pró-aterosclerótico. MÉTODOS: Agrupamentos de fatores de risco cardiovasculares foram avaliados em 118 crianças e adolescentes, divididos de acordo com os quartis do percentil de índice de massa corporal (PIMC): Q1 (n=23) com PIMC <50%, Q2 (n=30) com PIMC entre 50 e 85%, Q3 (n=31) com PIMC entre 85 e 93%, e Q4 (n=34) com PIMC > 93%. Estatisticamente, diferenças significantes não foram observadas para idade (F=2,1; p=0,10); sexo (teste Qui-quadrado=3,0; p=0,38), e etnia (teste do Qui-quadrado = 4,7; p=0,20) entre diferentes quartis. RESULTADOS: Uma diferença estatisticamente significante foi observada para PA sistólica (F=15...

Aumento do índice de massa corporal após os 20 anos de idade e associação com indicadores de risco ou de proteção para doenças crônicas não transmissíveis; Body mass index increase after the age of 20 and associations with risk or protection factors for chronic non-communicable diseases

COELHO, Mara Sérgia Pacheco Honório; ASSIS, Maria Alice Altenburg de; MOURA, Erly Catarina
Fonte: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Publicador: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
156.01%
OBJETIVO: Investigar fatores sociodemográficos, de risco ou de proteção para doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) que se associem ao aumento do índice de massa corporal (IMC) após os 20 anos de idade. MÉTODOS: Estudo transversal com 769 mulheres e 572 homens do Sistema Municipal de Monitoramento de Fatores de Risco para DCNT, 2005, Florianópolis, SC. O aumento do IMC foi definido em percentagem, pela diferença entre o IMC em 2005 e aos 20 anos. RESULTADOS: Desde os 20 anos, o aumento do IMC foi superior a 10% para a maioria dos indivíduos. Nas análises múltiplas, o aumento do IMC foi associado a aumento da idade, baixo nível educacional (mulheres), ser casado (homens), não trabalhar, baixo nível de percepção de saúde, pressão alta, colesterol/triglicerídeos elevados (homens), realização de dieta, sedentarismo e ex-tabagismo (mulheres). CONCLUSÕES: Estratégias de saúde para prevenir o ganho de peso em nível populacional devem considerar principalmente os fatores sociodemográficos.; OBJECTIVE: To examine sociodemographic risk or protection factors for chronic non-communicable diseases (CNCDs) that may be associated with increase in body mass index (BMI) after the age of 20. METHODS: Cross-sectional analysis based on data from 769 women and 572 men who participated in the 2005 Surveillance System for Risk factors for CNCDs...

Determinantes do índice de massa corporal em adolescentes de escolas públicas de Piracicaba, São Paulo; Determining of body mass index in adolescents from public schools in Piracicaba, São Paulo State

ROMERO, Alexandre; SLATER, Betzabeth; FLORINDO, Alex Antonio; LATORRE, Maria do Rosário Dias de Oliveira; CEZAR, Cláudia; SILVA, Marina Vieira da
Fonte: Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Publicador: Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
156.01%
O objetivo do presente estudo foi verificar os fatores determinantes do índice de massa corporal (IMC) de adolescentes matriculados nas escolas públicas de Piracicaba, São Paulo. A amostra foi constituída por 328 adolescentes de ambos os sexos, com idade mínima de dez anos. Verificou-se peso, estatura, maturação sexual, atividade física e consumo alimentar. Foi usado um modelo de regressão linear múltipla para verificar a associação entre as variáveis independentes e o IMC. Enquanto as meninas consideradas fisicamente ativas apresentaram maior média de IMC do que as insuficientemente ativas, a média do IMC dos meninos não apresentou diferença estatística quando comparada entre meninos ativos e insuficientemente ativos. A maturação sexual foi determinante do IMC, para ambos os sexos, reforçando a ideia de que é fundamental levar em consideração essa variável em estudos que avaliam o estado nutricional em adolescentes. Acredita-se que os métodos utilizados no presente estudo, os quais são normalmente utilizados em pesquisas semelhantes, apresentaram importantes limitações para avaliar a influência do nível de atividade física e do consumo alimentar sobre o IMC dos adolescentes. Dessa forma, ressalta-se a necessidade de aprimoramento desses métodos para adoção em futuros estudos.; The objective of this study was to assess determining factors of body mass index (BMI) in adolescents enrolled in public schools in Piracicaba...

Efeito da quimioterapia adjuvante sobre o peso e índice de massa corporal em mulheres com câncer de mama; Effect of adjuvant chemotherapy on body weight and body mass index in women with breast cancer

Mendes, Eliana da Silva Rezende
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 03/12/2009 PT
Relevância na Pesquisa
146.14%
Introdução: O aumento de peso corporal e o IMC entre 25 e 29,9 kg/m2 (risco de obesidade) ou 30 kg/m2 (obesidade), no momento do diagnóstico do câncer de mama, são fatores de risco, reconhecidos, para a recidiva da doença e redução do tempo de vida das mulheres. Objetivo: verificar os efeitos da quimioterapia adjuvante sobre o peso e índice de massa corporal de mulheres com câncer de mama. Métodos: o estudo foi descritivo, exploratório, com coleta de dados, a partir de prontuários e contato telefônico, de uma amostra de conveniência de 66 mulheres, com câncer de mama, e submetidas à quimioterapia adjuvante, no período de 2000 a 2008. As variáveis de estudo foram peso e índice de massa corporal, protocolo quimioterápico, número de ciclos de quimioterapia, fase do climatério (pré e pós-menopausa), ingestão alimentar e prática de atividade física. A análise estatística foi realizada por meio dos testes qui-quadrado, t-Student e ANOVA. Foi adotado nível de significância de 0,05 e intervalo de confiança de 95%. Resultados: as mulheres tinham, em média, 49 anos de idade (26 - 75 anos), sendo que a alteração de peso corporal foi associada, significativamente (p < 0,05), com número de ciclos de quimioterapia e alteração da prática de atividade física...

Efeito de doze semanas de exercício aeróbio sobre o índice de massa corporal e a imagem corporal de adolescentes

Trichês, Patrícia Barbosa Martins
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 105 p.| il., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
146.19%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Desportos, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, 2013.; A adolescência se caracteriza por ser uma fase de adaptações biológicas, psicológicas e sociais. O corpo do adolescente está em constante transformação: a massa corporal e a estatura aumentam e; consequentemente, a imagem corporal é redefinida neste período. Na adolescência a imagem corporal é influenciada por questões culturais, pelo padrão de beleza estipulado pelas mídias (magreza); assim como, pelos pares, o que pode causar uma insatisfação com a forma corporal, principalmente entre adolescentes do sexo feminino. Outro fato importante nesta etapa da vida é a diminuição na participação em atividades físicas, o que pode comprometer a saúde presente e futura do jovem. Este estudo teve como objetivo verificar os efeitos de doze semanas de exercícios aeróbios sobre o índice de massa corporal (IMC) e a imagem corporal de adolescentes do sexo feminino, com idades de 14 a 18 anos. O estudo se caracterizou como experimental com delineamento randomizado pré e pós-testes. A pesquisa foi constituída de 24 alunas voluntárias de dois colégios. As adolescentes foram selecionadas de forma aleatória simples para formar o grupo experimental (GE=11) e o grupo controle (GC=13). Foram coletados dados da massa corporal e da estatura para calcular o IMC. Para verificar a imagem corporal e satisfação corporal foi utilizada a escala de Silhuetas de Stunkard. O GE realizou duas sessões semanais de exercício aeróbio (cinquenta minutos cada) durante doze semanas. Na comparação entre o pré e o pós-teste dos grupos foi utilizado o teste de Wilcoxon. Na comparação entre os grupos GE e GC foi utilizado o teste de Mann-Whitney. E para verificar associação entre IMC e satisfação corporal utilizou-se a correlação de Spearman. Foi adotado o grau de significância de 5% em todos os testes no programa estatístico SPSS versão 15.0®. Após a intervenção verificou-se uma redução estatisticamente significativa no IMC...

Risco nutricional em cirurgia avaliado pelo índice de massa corporal ajustado ou não para pacientes idosos

Bicudo-Salomão,Alberto; Aguilar-Nascimento,José Eduardo de; Caporossi,Cervantes
Fonte: Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia - IBEPEGE ; Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva - CBCD ; Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva - SBMD ; Federação Brasileira de Gastroenterologia - FBG; Sociedade Brasileira de Hepatologia - SBH; Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva - SOBED Publicador: Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia - IBEPEGE ; Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva - CBCD ; Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva - SBMD ; Federação Brasileira de Gastroenterologia - FBG; Sociedade Brasileira de Hepatologia - SBH; Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva - SOBED
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/2006 PT
Relevância na Pesquisa
146.23%
RACIONAL: O índice de massa corporal vem sendo usado indistintamente entre idosos ou não para a avaliação do estado nutricional. A hipótese deste trabalho é a de que em pacientes idosos um ponto de corte mais alto para o índice de massa corporal pode ter maior validade na aferição do risco nutricional em cirurgia. OBJETIVO: Avaliar a morbimortalidade em pacientes cirúrgicos idosos comparada a pacientes mais jovens e sua associação com valores baixos de índice de massa corporal utilizando-se um ponto de corte convencional (18,5 kg/m²) e outro adaptado para pacientes com idade avançada (24 kg/m²). PACIENTES E MÉTODOS: Um mil e novecentos e doze pacientes foram divididos em dois grupos: <65 anos n = 1627) e >65 anos (n = 285). Comparou-se nos dois grupos o tempo de internação e a morbimortalidade. Pacientes com idade >65 anos foram estratificados segundo o índice de massa corporal <18,5 kg/m² ou <24 kg/m², e analisados quanto a complicações pós-operatórias, reoperações, óbito e tempo de internação. RESULTADOS: O tempo de internação foi maior em pacientes com idade >65 anos (6 [1-75] dias vs. 4 [1-137] dias), assim como as complicações pós-operatórias (37/285; 13,0% vs. 109/1627; 6,7%; OR 2,1; IC95% 1...

Análise da capacidade de acomodação em pacientes présbitas com baixo índice de massa corporal

Damasceno,Nadyr Antonia; Damasceno,Eduardo de França
Fonte: Sociedade Brasileira de Oftalmologia Publicador: Sociedade Brasileira de Oftalmologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/10/2013 PT
Relevância na Pesquisa
146.18%
OBJETIVO: Correlacionar o índice de massa corporal com condição de baixo peso como possível fator de influência sobre a presbiopia. MÉTODOS: Estudo transversal envolvendo 1030 pacientes com acuidade visual de 20/20 emétropes, com faixa etária entre 36-40 anos, 51-55 anos e 60-65 anos, sendo excluídos pacientes com cover testes positivo, anisometrópicos, com insuficiência de convergência ou alta correlação de convergência / acomodação. Avaliação do índice de massa corpórea de todos os pacientes, como variável pesquisada de presença ou ausência de baixo índice de massa corporal. RESULTADOS: Não houve diferenças estatísticas significativas entre baixo peso e pesos maiores, quando se comparam os dois grupos em relação ao sexo e faixa etária. Houve significância estatística quando se correlacionou indivíduos de baixo peso corporal (IMC < 18,5) e menor expressão de presbiopia em indivíduos com faixa etária entre 51- 55 anos e na faixa etária entre 60-65 anos. CONCLUSÃO: Conforme demonstrado pela análise estatística há uma correlação significativa entre baixo peso corporal definido como índice de massa corporal abaixo de 18,5 e menor incidência de presbiopia ou retardo de sua instalação e evolução com a idade.

Relação entre índice de massa corporal e a percepção da auto-imagem em universitários

Kakeshita,Idalina Shiraishi; Almeida,Sebastião de Sousa
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2006 PT
Relevância na Pesquisa
146.21%
OBJETIVO: Analisar as relações entre o índice de massa corporal e a autopercepção da imagem corporal. MÉTODOS: Foram avaliados 106 estudantes universitários, de ambos os sexos, maiores de 18 anos, na região de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, em 2003. Para avaliar a percepção da imagem corporal, utilizou-se uma escala de silhuetas e uma escala visual analógica; a primeira aplicada por dois métodos psicométricos distintos. Para a avaliação do componente subjetivo da imagem corporal foi aplicado um questionário sobre imagem corporal. A avaliação do estado nutricional considerou a classificação do índice de massa corporal. Os dados foram submetidos à análise de variância e teste post-hoc de Newman-Keuls. RESULTADOS: A maioria das mulheres eutróficas ou com sobrepeso (87%) superestimaram seu tamanho corporal enquanto mulheres obesas e homens (73%), independente do índice de massa corporal, subestimaram o tamanho corporal. As diferenças devido a gênero foram estatisticamente significativas, bem como a insatisfação geral com a imagem corporal percebida, mostrado pelo desejo por menores valores do índice de massa corporal. As mulheres com sobrepeso apresentaram maior preocupação e desconforto com o corpo. CONCLUSÕES: Tanto homens como mulheres apresentaram distorção na autopercepção da imagem corporal...

Variação no Índice de Massa Corporal em Usuárias de Terapia de Reposição Hormonal

Lima-Junior,José Alaércio de Toledo; Pinto-Neto,Aarão Mendes; Costa-Paiva,Lúcia Helena Simões; Pedro,Adriana Orcesi
Fonte: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Publicador: Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/05/2000 PT
Relevância na Pesquisa
146.13%
Objetivo: avaliar os efeitos da terapia de reposição hormonal sobre o índice de massa corporal de mulheres na pós-menopausa. Casuística e Métodos: foram avaliadas retrospectivamente, por um período de três anos, 166 usuárias e 136 não-usuárias de reposição hormonal, acompanhadas no Ambulatório de Menopausa do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher da Universidade Estadual de Campinas, avaliando-se a variação desse parâmetro ao final de cada ano em relação ao inicial. A análise dos dados foi realizada usando-se o testechi², o teste t de Student e o teste de Mann-Whitney para amostras independentes. Resultados: não foram observadas variações significativas no índice de massa corporal, quando se compararam as usuárias e não-usuárias durante os três anos de observação. Conclusão: a terapia de reposição hormonal não produziu alterações no índice de massa corporal em mulheres adequadamente acompanhadas durante o seu uso.

Adaptação do índice de massa corporal humano para cães

Muller,Daniel Curvello de Mendonça; Schossler,João Eduardo; Pinheiro,Maicon
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2008 PT
Relevância na Pesquisa
146.16%
O índice de massa corporal (IMC) é amplamente utilizado por médicos para quantificar a massa corporal de pessoas adultas. O índice elevado de gordura, ou seja, o peso em excesso, está relacionado com problemas cardiovasculares, infertilidade, diabetes, artrite, dificuldade em se locomover ou respirar e prejuízos na cicatrização de feridas. Apesar de todo o estudo que se tem a respeito desses problemas, não há um método preciso e objetivo para se quantificar o excesso de peso em cães. A proposta deste trabalho foi determinar um índice de massa corporal canino (IMCC), a partir do IMC existente para humanos. Foram medidos e pesados 246 animais, sem raça definida e com diferentes condições corporais. Para dar validade ao índice de massa corporal obtido, os animais também foram avaliados por dois veterinários segundo os padrões subjetivos, já existentes. Verificou-se que valores do IMCC entre 11,8 e 15kg m-2 refletem o peso ideal para cães de porte médio, cujo tipo físico possui média de peso entre 10 e 25kg.

Relação entre o consumo alimentar e atividade física com índice de massa corporal em funcionários universitários

Sichieri,Rosely; Pereira,Rosângela Alves; Marins,Vânia Maria Ramos de; Perrelli,Rita de Cássia; Coelho,Maria Auxiliadora Santa Cruz; Molina,Maria Del Carmen
Fonte: Pontifícia Universidade Católica de Campinas Publicador: Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/1998 PT
Relevância na Pesquisa
146.17%
Nas últimas duas décadas observou-se um importante aumento da prevalência de obesidade no Brasil, contudo não existem dados populacionais atualizados sobre ingestão de alimentos e atividades físicas, que seriam em última instância os fatores que poderiam explicar este aumento de obesidade. Estudou-se a associação entre o consumo de calorias e gordura e a prática de atividades físicas com o índice de massa corporal, em um estudo transversal com 91 funcionários universitários. O consumo alimentar foi avaliado por um questionário semi-quantitativo de freqüência de consumo de alimentos e por quatro recordatórios de 24 horas. Peso e altura foram medidos e calculou-se o índice de massa corporal por meio da relação peso/altura em kg/m². As atividades físicas desenvolvidas no trabalho, no lazer e no deslocamento para o trabalho e/ou escola no mês que antecedeu a pesquisa foram investigadas através de questionário. Estimou-se o gasto energético associado às atividades físicas, através de equações propostas pela Organização Mundial da Saúde. Em análise linear multivariada associaram-se positivamente ao índice de massa corporal a idade (p=0,02), pertencer ao grupo de funcionários de nível médio e de apoio...

Correlação entre o índice de massa corporal e os indicadores antropométricos de distribuição de gordura corporal em adultos e idosos

Sampaio,Lilian Ramos; Figueiredo,Vanessa de Carvalho
Fonte: Pontifícia Universidade Católica de Campinas Publicador: Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2005 PT
Relevância na Pesquisa
146.22%
OBJETIVO: O objetivo deste trabalho foi avaliar a correlação entre o índice de massa corporal e indicadores antropométricos de distribuição de gordura em adultos e idosos. MÉTODOS: Trata-se de um estudo transversal, constituído por 634 indivíduos (316 adultos e 318 idosos) de ambos os sexos, atendidos nos ambulatórios do Hospital das Clínicas da Universidade Federal da Bahia (Salvador, BA). Mediram-se em cada indivíduo: peso, altura, pregas cutâneas triciptal e subescapular, circunferências de quadril e cintura, segundo técnicas propostas por Lohman, em 1988. Utilizou-se o teste de correlação de Pearson para avaliar a correlação entre o índice de massa corporal e os indicadores antropométricos de distribuição de gordura. RESULTADOS: As correlações entre o índice de massa corporal e a circunferência da cintura nos dois grupos etários do sexo masculino foram: de adultos (r = 0,93; p<0,001); de idosos (r = 0,89; p<0,001). Para os grupos do sexo feminino, as correlações foram: grupo de adultas (r = 0,93; p<0,001), de idosas (r = 0,86; p<0,001). A correlação entre o índice de massa corporal e a razão cintura quadril foi menor, mas estatisticamente significante, entre os dois grupos de cada sexo. Assim, para o sexo masculino...

Influência de altura, peso e índice de massa corporal na força axial da língua

Almeida,Letícia Duarte de; Furlan,Renata Maria Moreira Moraes; Las Casas,Estevam Barbosa de; Motta,Andréa Rodrigues
Fonte: Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia Publicador: Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2012 PT
Relevância na Pesquisa
146.2%
OBJETIVO: Analisar a influência de peso, altura e índice de massa corporal na força axial da língua. MÉTODOS: Foram analisados os prontuários referentes a 44 indivíduos com idade entre 20 e 37 anos, sendo 11 (25%) homens e 33 (75%) mulheres. Foram pesquisadas as informações referentes a peso, altura, resultado da avaliação clínica da língua (tônus lingual) e resultado da avaliação instrumental da força axial da língua, sendo esta última realizada por meio do FORLING. Os dados foram analisados estatisticamente. RESULTADOS: Não foram observadas diferenças entre os valores de força em relação às variáveis de classificação do índice de massa corporal e avaliação clínica da língua. O índice de massa corporal e o peso apresentaram correlação positiva com a força média da língua. Verificou-se, ainda, correlação positiva forte entre as variáveis de força média, força máxima e maior força máxima da língua. CONCLUSÃO: Embora o índice de massa corporal e o peso se correlacionem de forma positiva com a força média axial da língua, não há associação entre a classificação do índice de massa corporal e as forças axiais da língua.

Associação entre o índice de massa corporal de pais e de escolares de 7 a 14 anos de Florianópolis, SC, Brasil; The association between the Body Mass Index of schoolchildren aged between 7 and 14 years and that of their parents in the city of Florianópolis, in the State of Santa Catarina, Brazil

BERNARDO, Carla de Oliveira; FERNANDES, Patrícia Salvador; CAMPOS, Rosângela Mirela Marchi Beltrão; ADAMI, Fernando; VASCONCELOS, Francisco de Assis Guedes de
Fonte: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira Publicador: Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira
Tipo: Artigo de Revista Científica
POR
Relevância na Pesquisa
156.01%
OBJETIVOS: verificar a associação entre o Índice de Massa Corporal (IMC) de escolares de 7 a 14 anos e dos respectivos pais. MÉTODOS: estudo transversal com 886 escolares de quatro escolas de Florianópolis, SC. Diagnóstico antropométrico dos escolares e dos pais definido, respectivamente, a partir do IMC para idade de acordo com Centers for Disease Control and Prevention e dos pontos de corte da Organização Mundial da Saúde. A associação entre o IMC dos pais e dos escolares foi estimada por meio da razão de prevalência (RP) com intervalo de confiança (IC) de 95% e teste qui-quadrado com valor de significância de p< 0,05. RESULTADOS: identificou-se prevalência de sobrepeso/obesidade mais elevada em meninos (29,9%) quando comparada a de meninas (17,7%) (p<0,001). Observou-se relação estatisticamente significante entre o IMC de escolares do sexo feminino com o IMC das mães (RP=1,63; IC95%=1,1-3,0; p=0,02) e dos pais (RP=1,78; IC95%= 1,1-3,5; p=0,01). Nos escolares do sexo masculino a associação observada não foi estatisticamente significante. CONCLUSÕES: identificou-se que a prevalência do sobrepeso ou obesidade é 1,63 vezes maior, entre as meninas, quando a mãe também apresenta esse distúrbio e 1,78 vezes maior quando o pai o apresenta...

Correlação entre o índice de massa corporal e pressão arterial em crianças

Neves, Diógenes Fernando de Matos
Fonte: Universidade Católica de Brasília Publicador: Universidade Católica de Brasília
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: Texto
PT_BR
Relevância na Pesquisa
156.01%
O objetivo foi avaliar a correlação entre o índice de massa corporal (IMC) com a pressão arterial (PA) em criança. Realizado com um total de 83 crianças, a faixa etária foi entre 6 a 10 anos de idade o local foi em Águas Claras – DF na Assistência Integral a Criança (CAIC). A definição sobre o peso e a obesidade foi diagnosticada conforme a tabela de Cole et. al (2000) e Giugliano & Carneiro (2004), e para a definição de hipertensão arterial, foi seguido o estude da V Diretriz de Hipertensão Arterial do Brasil, onde é estabelecido percentis de 90, 95 e 99, que a criança é considerada hipertensa a cima de percentil 95. As crianças com sobre peso e obesas, tiveram médias de PA superior as crianças com IMC normal e baixo peso, e a correlação para se ter uma hipertensão com um IMC elevada foi r=0,357, e r=0,158 para PAS e PAD respectivamente. Os resultados obtidos indicam a necessidade de atenção especial às crianças com um IMC elevado, pois a correlação é positiva, quando se trata que o IMC está elevado, tem um favorecimento para um aumento da pressão arterial. Crianças sedentárias e obesas devem praticar atividades físicas e ter uma alimentação saudável.; Educação Física

Relação entre índice de massa corporal e a percepção da auto-imagem em universitários; Relationship between body mass index and self-perception among university students

Kakeshita, Idalina Shiraishi; Almeida, Sebastião de Sousa
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 01/06/2006 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
146.21%
OBJETIVO: Analisar as relações entre o índice de massa corporal e a autopercepção da imagem corporal. MÉTODOS: Foram avaliados 106 estudantes universitários, de ambos os sexos, maiores de 18 anos, na região de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, em 2003. Para avaliar a percepção da imagem corporal, utilizou-se uma escala de silhuetas e uma escala visual analógica; a primeira aplicada por dois métodos psicométricos distintos. Para a avaliação do componente subjetivo da imagem corporal foi aplicado um questionário sobre imagem corporal. A avaliação do estado nutricional considerou a classificação do índice de massa corporal. Os dados foram submetidos à análise de variância e teste post-hoc de Newman-Keuls. RESULTADOS: A maioria das mulheres eutróficas ou com sobrepeso (87%) superestimaram seu tamanho corporal enquanto mulheres obesas e homens (73%), independente do índice de massa corporal, subestimaram o tamanho corporal. As diferenças devido a gênero foram estatisticamente significativas, bem como a insatisfação geral com a imagem corporal percebida, mostrado pelo desejo por menores valores do índice de massa corporal. As mulheres com sobrepeso apresentaram maior preocupação e desconforto com o corpo. CONCLUSÕES: Tanto homens como mulheres apresentaram distorção na autopercepção da imagem corporal...

Modificações no índice de massa corporal em mulheres idosas após um programa de reabilitação física; Changes in body mass index in older women after physical rehabilitation program

Brito-Gomes, Jorge Luiz de; Perrier-Melo, Raphael José; Lucena Filho, Ademar; Santos, Marcos André Moura dos; Costa, Manoel da Cunha; Guimarães, Fernando José de Sá Pereira
Fonte: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina Publicador: Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; ; ; ; ; Formato: application/pdf
Publicado em 24/04/2015 POR
Relevância na Pesquisa
146.18%
The aging is a complex process, where alterations of body composition determine structural and functional changes in the human body. This study aims to analyze the anthropometric and body composition (fat mass and lean body mass) alterations after a physical rehabilitation program in elderly women, and to verify these alterations between status of BMI. The sample consisted of 160 elderly women (63.8 ± 2.9 years) engaged in a program of systematic activities for twelve weeks. Anthropometric and body composition before and after the intervention period were performed. BMI was used to evaluate body composition as well as the nutritional status. After intervention, significant reductions were observed in total body mass (68.2 ± 9.4 vs 67.2 ± 9.3, p < 0.001), fat mass (23.9 ± 5.3 vs 23.4 ± 5.0, p = < 0.001) , lean body mass (44.3 ± 5.2 vs 43.8 ± 5.3, p < 0.001) and BMI (21.8 ± 3.0 vs 21.4 ± 3.0, p = < 0.001). Significant differences among BMI strata were observed (p <0.001). The program brought about changes in body composition components, which involved reduction of body fat and body mass, besides contributing to the control of BMI in elderly.; O envelhecimento é um processo complexo, cujas alterações determinam mudanças estruturais e funcionais no corpo humano. Este estudo tem por objetivos: analisar as alterações antropométricas e da composição corporal (massa gorda e massa corporal magra) após a realização de um programa de exercícios em mulheres idosas...

General functional fitness and body mass index of elderly women engaged in physical activity; Aptidão funcional geral e índice de massa corporal de idosas praticantes de atividade física

Mazo, Giovana Zarpellon; Centro de Educação Física, Fisioterapia e Desportos – CEFID/UDESC; Külkamp, Wladymir; Centro de Educação Física, Fisioterapia e Desportos – CEFID/UDESC; Bellani Lyra, Vanessa; Centro de Educação Física, Fisioterapia
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Brasil Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Brasil
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; "Avaliado por Pares",; Avaliado por Pares; Correlacional Formato: application/pdf; application/pdf
Publicado em 19/12/2006 POR; ENG
Relevância na Pesquisa
146.13%
The aim of the study was to verify the relationship between the General Functional Fitness Index (GFFI) and the Body Mass Index (BMI) of elderly women engaged in physical activity. The sample consisted of 52 elderly women, with mean age of 68.62 years (s.d. =4.98 yrs) engaged in physical activity for at least 6 months. To test functional fi tness, the battery of tests of American Alliance for Health, Physical Education, Recreation & Dance (AAHPERD) for the elderly was applied. Body mass and stature were measured with an electronic scale and stadiometer, allowing for body mass index (IMC) computation. The results were compared with AAHPERD normative values for elderly women aged 60 to 79 years. Data analyses were performed using descriptive statistics, the Qui-square test, Fisher’s Exact test and binary logistic regression, with a level of significance of p; O objetivo do estudo foi verifi car a relação entre o Índice de Aptidão Funcional Geral (IAFG) e o Índice de Massa Corporal (IMC) de mulheres idosas, praticantes de atividade física. A amostra foi constituída por 52 idosas, com média de 68,62 anos idade (DP=4,98), praticantes de atividade física por, no mínimo, 6 meses. O instrumento utilizado para verifi car a aptidão funcional das idosas foi a bateria de testes para idosos da American Alliance for Health...

Sensibilidade e especificidade dos sistemas de classificação para sobrepeso baseados no índice de massa corporal em crianças de 7-10 anos de idade.; Sensitivity and specificity of body mass index-based classification systems for overweight in children 7-10 years old.

Leal, Danielle Biazzi; Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Florianópolis, SC. Brasil; da Costa, Filipe Ferreira; Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Nutrição. F
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Brasil Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Brasil
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; "Avaliado por Pares",; Epidemiological survey; Avaliado por Pares; Estudo epidemiológico tranversal Formato: application/pdf
Publicado em 30/03/2013 ENG
Relevância na Pesquisa
156.13%
DOI: http://dx.doi.org/10.5007/1980-0037.2013v15n3p267 O objetivo deste estudo foi comparar a sensibilidade e especificidadede sistemas de classificação baseados no índice de massa corporal (IMC) na detecção do excesso degordura corporal em escolares. Um total de 2795 escolares com idade entre sete a dez anos foram examinados. O excesso de gordura corporal foi definido como os resíduos padronizados do somatório de três dobras cutâneas iguais ou superiores ao percentil 90. Os sistemas internacionais baseados no IMC recomendados pela International Obesity Task Force (IOTF) e Organização Mundial de Saúde (OMS-2007) foram avaliados com base emsua sensibilidade e especificidade para detecção do excesso de gordura corporal e comparado com uma referência do IMC nacional (Brasil-2006). Análise das razões de verossimilhança positiva (RV+) e negativa (RV-) também foi utilizada para comparar as precisões diagnósticas dos três critérios do IMC. Os três sistemas de classificação apresentaram sensibilidade (78,4-98,6%) e especificidade (75,9-91,6%) moderadamente alta para ambos os sexos. No geral,os três sistemas de classificação apresentaram valores de RV+ e RV-, condizentes com umdiagnóstico de evidência moderada para o sobrepeso (RV+ acima de cinco e RV- abaixo de 0...

Relação entre índice de massa corporal e a percepção da auto-imagem em universitários

Kakeshita,Idalina Shiraishi; Almeida,Sebastião de Sousa
Fonte: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo Publicador: Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2006 PT
Relevância na Pesquisa
146.21%
OBJETIVO: Analisar as relações entre o índice de massa corporal e a autopercepção da imagem corporal. MÉTODOS: Foram avaliados 106 estudantes universitários, de ambos os sexos, maiores de 18 anos, na região de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, em 2003. Para avaliar a percepção da imagem corporal, utilizou-se uma escala de silhuetas e uma escala visual analógica; a primeira aplicada por dois métodos psicométricos distintos. Para a avaliação do componente subjetivo da imagem corporal foi aplicado um questionário sobre imagem corporal. A avaliação do estado nutricional considerou a classificação do índice de massa corporal. Os dados foram submetidos à análise de variância e teste post-hoc de Newman-Keuls. RESULTADOS: A maioria das mulheres eutróficas ou com sobrepeso (87%) superestimaram seu tamanho corporal enquanto mulheres obesas e homens (73%), independente do índice de massa corporal, subestimaram o tamanho corporal. As diferenças devido a gênero foram estatisticamente significativas, bem como a insatisfação geral com a imagem corporal percebida, mostrado pelo desejo por menores valores do índice de massa corporal. As mulheres com sobrepeso apresentaram maior preocupação e desconforto com o corpo. CONCLUSÕES: Tanto homens como mulheres apresentaram distorção na autopercepção da imagem corporal...