Página 2 dos resultados de 995 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Contribuições clínicas da fonética e da fonologia

Antunes, Eva Bolle; Rocha, Joana
Fonte: Edições Universidade Fernando Pessoa Publicador: Edições Universidade Fernando Pessoa
Tipo: Artigo de Revista Científica
Publicado em //2009 POR
Relevância na Pesquisa
37.02%
Pretendemos com este artigo contribuir para a confluência de informação e para a estruturação de um quadro de referências fundamentado, nos domínios temáticos da fonética e da fonologia, nomeadamente quanto às consoantes, semivogais e sílabas do português europeu. Cremos que estes temas fazem parte de uma base teórica útil para a prática e a investigação clínicas, particularmente no âmbito da terapêutica da fala. We aim with this article to contribute to the confluence of information and to the structuring of a substantiated frame of reference, on the thematic domains of phonetics and phonology, namely regarding the consonants, semivowels and syllables of the European Portuguese. We believe that these subjects are part of a useful theoretical basis for the clinical intervention and research, in particular on the speech therapy field.

Descrição preliminar de aspectos da fonologia e da morfologia do lembaama; Preliminary description of the phonological and morphological aspects of the lembaama

Okoudowa, Bruno
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 16/09/2005 PT
Relevância na Pesquisa
37.02%
Este trabalho propõe uma análise preliminar de aspectos da fonologia e da morfologia da língua lembaama2, que pertence ao subgrupo banto, B.62 (Guthrie, 1971), do grupo Benuê- Congo, phylum Niger-Congo. Como esta língua não apresenta ainda nenhum estudo deste gênero, espera-se que esta primeira análise possibilite estudos posteriores mais aprofundados neste e em outros campos lingüísticos. A análise fonológica revelou de um lado, a existência de consoantes palatalizadas, labializadas, pré-nasalizadas, e pré-nasalizadas-palatalizadas, de outro, mostrou a existência de vogais longas. A análise de processos fonológicos demonstrou que a nasalidade é uma propriedade das consoantes que se transmite às vogais adjacentes aos segmentos nasais. Quanto à análise nominal, ela definiu a composição dos nomes da seguinte maneira: Prefixo Nominal (PN) + raiz, e os classificou em 12 classes. Foram também identificados em lembaama fenômenos fonológicos como a semivocalização, o alongamento vocálico, o apagamento vocálico, a variação livre e a palatalização que servem para evitar a ditongação e manter a estrutura CV desta língua. A análise dos tons evidenciou dois tons pontuais: um alto [´] e um baixo [`] e uma regra de apagamento do primeiro tom quando dois tons se encontram.; This work proposes a preliminary analysis of the phonological and morphological aspects of the lembaama language (B62) according to Guthrie (1971). This language is officially called obamba in Gabon. Lembaama is a Bantu language...

Introdução à fonologia da hakitía; Introduction to the phonology of hakitia

Cunha, Álvaro Fernando Rodrigues da
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 24/03/2009 PT
Relevância na Pesquisa
37.02%
Este trabalho tem como objetivo descrever a fonologia da língua Hakitía, língua esta de origem românica falada pela comunidade judaicomarroquina no norte do Brasil. A pesquisa objetiva descrever e documentar esse idioma e quais de seus elementos ainda resistem; e assim, compreender o que acontece com uma língua que tem, praticamente, 516 anos de existência. Esta geração é a última que existe em se tratando dos falantes. Faz-se uma breve contextualização histórica da hakitía, voltando-se à sua origem na Espanha, com a expulsão dos judeus, em 1492, pelos reis Isabel de Castela e Fernando de Aragão, suas várias rotas de exílio, dentre elas, o Marrocos, no norte da África, e, a partir daí até Eretz Amazônia. A pesquisa tem como base metodológica pressupostos gerais da linguística estruturalista, no que se refere à sua descrição.; This study aims at describing the phonology of the Hakitia language, a language of Romanic origin, spoken by the Jewish Maroccan community living in the North of Brazil. This research aims at describing and documenting such language and which of its elements still remains, with the purpose of understanding what has occurred with a language that is, virtually, 516 years old. As far as speaking is concerned...

Aspectos da fonologia do português como segunda língua por aprendizes anglófonos - uma análise via Teoria da Otimidade; Aspects of the phonology of Portuguese as a second language by Anglophone speakers an analysis within Optimality Theory framework

Guimarães, Miley Antonia Almeida
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 07/11/2012 PT
Relevância na Pesquisa
37.02%
Nesta dissertação, são analisados, via Teoria da Otimidade (MCCARTHY; PRINCE, 1995; PRINCE; SMOLENSKY, 1993), dois aspectos da fonologia do português como segunda língua por aprendizes americanos e britânicos: a ausência de assimilação regressiva de vozeamento envolvendo a fricativa alveolar final em posição de fronteira de palavra e a produção de oclusivas nasais em posição final e de fronteira de palavra. Em inglês, a fricativa alveolar /s/ em coda final diante de segmento sonoro tende a manter seu status de vozeamento subjacente (GIMSON; CRUTTENDEN, 2008; MYERS, 2010; ROCA; JOHNSON, 1999); em contrapartida, em português, a fricativa alveolar, nessa mesma posição, compartilha do traço de sonoridade do segmento à sua direita (BISOL, 2005; FERREIRA NETTO, 2001; MATTOSO CÂMARA JR., 2007 [1970]). Ademais, as oclusivas nasais [m, n] não são licenciadas em posição de coda em português, a não ser diante de segmentos que lhes sejam homorgânicos (BISOL, 2005; CAGLIARI, 2007; MATTOSO CÂMARA JR., 2007 [1970]); em inglês, no entanto, essas oclusivas nasais podem ocorrer independentemente do ponto de articulação do elemento seguinte (EWEN; HULST, 2001; GIMSON; CRUTTENDEN, 2008; ROCA; JOHNSON, 1999). Cabe, portanto...

Fonologia e método pedagógico do lung'le; Phonology and pedagogical method of LungIe

Agostinho, Ana Lívia dos Santos
Fonte: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP Publicador: Biblioteca Digitais de Teses e Dissertações da USP
Tipo: Tese de Doutorado Formato: application/pdf
Publicado em 02/12/2014 PT
Relevância na Pesquisa
37.02%
O objetivo deste trabalho é propor uma descrição sincrônica do sistema fonológico do lungIe, língua crioula de base portuguesa falada na Ilha do Príncipe, São Tomé e Príncipe, abordando e discutindo os trabalhos prévios (Ribeiro 1888; Schuchardt 1889; Ferraz 1975, 1976, 1979; Ferraz & Traill 1981; Rougé 2004; Maurer 1997; Mané 2007; Araujo & Agostinho 2010; Agostinho et al. 2012, Agostinho 2012; Araujo & Agostinho 2014), e apresentar um método pedagógico para esta língua. A descrição da fonologia traz primeiramente o inventário fonológico da língua, abordando a fonotática dos segmentos consonantais e vocálicos. Apresentamos uma proposta para a estrutura silábica, levando em consideração a posição dos glides e das nasais silábicas. Propomos também a estrutura da sílaba fonética e discutimos sua especificidade em relação à sílaba fonológica. Descrevemos alguns processos fonológicos observados em trabalho de campo, demonstrando que o acento é crucial para os processos de apócope, apagamento de sílaba átona final, ditongação, nasalização, alçamento de vogais átonas finais, e sândi vocálico externo. A relação entre tom e acento também é abordada. Desde 2009, o lungIe tem sido ensinado nas escolas. No entanto...

Resolução de choques de acento no portugues brasileiro : elementos para uma reflexão sobre a interface sintaxe-fonologia

Elaine Silveira Ferreira Abousalh
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 19/11/1997 PT
Relevância na Pesquisa
37.02%
Este trabalho discute, sob a perspectiva da fonologia métrica, o fenômeno prosódico do stress clash ou choque de acento em relação a um conjunto de dados do português brasileiro. Os choques de acento que analisamos representam a colisão de acentos primários na grade métrica, no processo de concatenação de constituintes maiores do que a palavra. Enquanto que a maior parte da literatura sobre o assunto escolhe tratar os reajustes de colisões acentuais na grade levando em conta apenas seu condicionamento ritmico, sugerimos que para identificar os contextos em que a dissolução dos choques é ou não possível seja necessário integrar à discussão informações pertinentes à organização sintática das seqüências que contêm clashes, via construção de uma hierarquia de domínios prosódicos; Not informed

A fonologia segmental kamayura

Marcio Ferreira da Silva
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em //1981 PT
Relevância na Pesquisa
37.02%
O presente trabalho tem por objetivo o estudo de aspectos da fonologia segmental da língua falada pelo povo da Nação Kamayurá localizada na região dos formadores do Rio Xingu, no Estado do Mato Grosso, Brasil. A dissertação se divide em duas partes: Na primeira, descrevemos os sons linguisticamente significativos, com base em suas propriedades articulatórias. Esse estudo está baseado sobretudo nas propostas formuladas por David Abercrombie (1967). Na segunda parte, intentamos propor um conjunto de hipóteses sobre aspectos da estrutura fonológica da língua, através de regras formalmente especificadas. Essa análise se baseia no modelo teórico desenvolvido por Noam Avram Chomsky e Morris Halle (1968). A introdução desse trabalho visa a, tão somente, fornecer algumas informações genéricas sobre a Naçao e a língua estudada, e sobre aspectos do trabalho de campo que precedeu nossa análise.; Not informed

Aspectos da fonologia da língua Kaingáng

Herold, Cristina
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: xii, 173 f.| grafs.
POR
Relevância na Pesquisa
37.02%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão; Descrever a fonologia do dialeto Central da língua Kaingáng, a partir de comentários históricos dos Kaingáng, propondo um comentário entre o dialeto Central e os demais dialetos da língua Kaingáng. Trata das divergências de ordem formal entre o dialeto Central e os demais, além da divergência de interpretação das oclusivas pré e pós-nasalizadas. Propõe uma análise acústica com o objetivo de esclarecer os casos de pré e pós-nasalização que nos dará subsídios para constatarmos as poucas diferenças de caráter fonológico existente entre os dialetos, atestando a proximidade entre eles e comprovando as influências entre si

Videoaula: Fonética e Fonologia (parte 1)

Lima, Ronaldo; Souza, Ana Cláudia de
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Vídeo
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.02%
Videoaula sobre questões referentes a fonética e fonologia.

Videoaula: Fonética e Fonologia (parte 2)

Lima, Ronaldo; Souza, Ana Cláudia de
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina
Tipo: Vídeo
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.02%
Videoaula sobre questões referentes a fonética e fonologia.

Fonologia do caboverdiano : das variedades insulares à unidade nacional

Rodrigues, Ulisdete Rodrigues de Souza
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
37.02%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Poruguês e Línguas Clássicas, 2007.; Este estudo dedica-se a investigar a identidade lingüística do Caboverdiano por meio do componente fonológico de quatro das dez ilhas constituintes do Arquipélago de Cabo Verde: Santiago, Fogo, em Sotavento (vento ao Sul), Santo Antão e São Vicente, em Barlavento (vento ao norte). Essa pesquisa se inscreve, naturalmente, nos estudos crioulísticos de natureza gerativista, complementado por aspectos sociolingüísticos inerentes. O aparato teórico-metodológico para análise é o da Teoria da Otimidade (OT), modelo gerativista baseado em restrições universais e violáveis da Gramática Universal (GU), que são hierarquizadas de maneiras distintas ou semelhantes nas línguas do mundo. A finalidade precípua é a de descrever e estudar a sílaba e o acento nas quatro ilhas supracitadas, acrescentando-se a perspectiva de colaborar com o debate a respeito da unidade e/ou variedade no Caboverdiano. O resultado é um trabalho descritivo-explicativo sincrônico da fonologia caboverdiana com pinceladas diacrônicas inevitáveis relativas à formação e modificação observadas nas quatro Ilhas estudadas e...

Fonologia da lingua suri

Tine Henriete van der Meer
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em //1982 PT
Relevância na Pesquisa
37.17%
Este trabalho visa a descrever a fonologia da língua Suruí, da família Mondé do tronco Tupi, a partir de um enfoque gerativo, dando atenção especial a mudanças morfofonêmicas verificadas em fronteiras de morfema, clítico e palavra e interiormente a palavras. Antes de entrar neste assunto, porém, aborda-se a fonologia geral e dentro dela, como um caso especial, a dos ideofones; e a sílaba, com atenção especial ao tom e à acentuação. No final é feita uma comparação de alguns dados desta língua com seus correspondentes em Cinta-Larga, outra língua da família Mondé.; Not informed

Construção de um sistema computacional para suporte à pesquisa em fonologia do portugês do Brasil

Vasilévski, Vera
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Tese de Doutorado Formato: 165 f.| il., tabs.
POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão. Programa de Pós-Graduação em Linguística.; Esta pesquisa apresenta e discute a construção de um programa computacional que descodifica o sistema verbal escrito oficial do português do Brasil em símbolos fonológicos. A motivação para construir o programa veio do alto grau de transparência do sistema alfabético do português do Brasil, que levou à suposição de que tal transparência corresponde ao nível em que o sistema alfabético é lógico. Assim, a hipótese que norteia a pesquisa é a de que o alto nível de previsibilidade dos valores que os grafemas do sistema alfabético do português do Brasil têm pode ser reproduzido em um sistema computacional baseado em regras, que faz a conversão grafema-grafofonema de modo automático. Metodologicamente, o desenvolvimento do aplicativo associa lingüística computacional, lingüística de corpus, estatística, fonética e fonologia. Por ser planejado com base sólida em metodologia e teoria lingüística apropriadas, o aplicativo pôde ser construído em linguagem de programação de computadores não específica para tratar a língua. A conversão baseia-se em um alfabeto fonológico...

Contribuição para a fonologia da língua apiaká (tupí-guarani)

Padua, Alexandre Jorge
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.17%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Classicas, Programa de Pós-Graduação em Linguística, 2007.; Esta dissertação percorreu os passos preliminares da análise da fonética e fonologia da língua Apiaká, pertencente à família lingüística Tupí-Guaraní, tronco Tupí. Os estudos anteriores desta língua consistiam em pequenas listas de palavras coletadas por estudiosos e viajantes dos séculos XIX e XX, salvo um inventário de sons depreendidos de um questionário padrão aplicado por Sarah Gudschinsky (1959). O presente trabalho procurou fazer uma análise fonética demonstrando a ambiência de ocorrência dos sons da língua. Posteriormente, foi realizado um estudo da fonologia segmental. Finalmente, foram abordadas as implicações sociais a que a comunidade Apiaká está sujeita, devido ao iminente desaparecimento de seu idioma. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT; In this thesis a preliminary phonetic and phonological analysis of the Apiaká language, which belongs to the Tupi-guarani family of the Tupi stock, was worked out. The previous studies on this language consisted in small word-lists collected by travelers and researchers in the XIX and XX centuries. The unique exception is an analysis of sounds extracted from a standard questionnaire applied by Sarah Gudschinsky (1959). The present work aimed at an analysis of the phonetics and distribution patterns of the sounds of this language...

Fonética e fonologia da lingua Araweté : uma nova contribuição

Alves, Juliana Ferreira
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
37.17%
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Classicas, Programa de Pós-Graduação em Linguística, 2008.; Fonética e fonologia da língua Araweté: uma nova contribuição é um estudo sobre a fonologia de uma língua falada por duas comunidades indígenas do sudeste do estado do Pará. A reavaliação e a continuidade de trabalhos anteriores de outros autores é um esforço para aumentar o conhecimento sobre a língua Araweté, com novos elementos e novas contribuições. Após observações introdutórias sobre o povo Araweté, seus possíveis deslocamentos, o seu nome, algumas características culturais, é desenvolvido o estudo lingüístico, composto por cinco capítulos: o primeiro aborda os estudos anteriores, o segundo apresenta o inventário fonético e a interpretação fonológica das consoantes, o terceiro versa sobre as vogais, o quarto trata do acento, do padrão silábico e dos processos fonológicos e, por fim, o quinto aborda a fonética acústica das vogais do Araweté. Após esses capítulos, apresentamos as considerações finais. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT; Phonetics and phonology of Araweté language: a new contribution is a study about the phonetics and phonology of the language spoken by two indigenous communities of south-eastern state of Pará (Brazil). Reviewing and giving continuity to previous work of other researchers is an effort for increasing the knowledge about on the Araweté language. After an introduction on the Araweté people...

UMA INTRODUÇÃO À DINÂMICA EM FONOLOGIA, COM FOCO NOS TRABALHOS DESTA COLETÂNEA

Albano, Eleonora C.; Universidade Estadual de Campinas
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 21/06/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
Uma exposição conceitual simples da Teoria dos Sistemas Dinâmicos prefacia a apresentação dos artigos desta coletânea. Introduz-se a noção de sistema dinâmico, nas suas formas simples e complexa, sem recurso a formalismos. O pano de fundo assim delineado permite fazer de cada artigo um ensejo para comentar os avanços da Fonologia Articulatória (ou Gestual) e modelos dinâmicos afins a partir da virada do século. Mostra-se que a nossa produção atual justifica o crescente interesse brasileiro pela abordagem dinâmica em Fonologia.

UMA PROPOSTA SOBRE A CODA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO A PARTIR DA FONOLOGIA GESTUAL, COM FOCO ESPECIAL NA NASAL

Medeiros, Beatriz Raposo de; Universidade de São Paulo
Fonte: UFPR Publicador: UFPR
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; Artigo Avaliado pelos Pares Formato: application/pdf
Publicado em 21/06/2013 POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
Propomos que a coda do português brasileiro apresenta uma coordenação específica entre os gestos vocálico e consonantal, com um gradiente de vocalização. Essa coordenação deve ser entendida no âmbito da Fonologia Gestual, ou Fonologia Articulatória, que prevê maior estabilidade gestual em estruturas CV e menor estabilidade em estruturas VC. Estudos acústicos e aerodinâmicos aqui apresentados sobre a nasalidade vocálica e seus diferentes contextos à direita levam-nos a inferir vários tipos de sobreposição articulatória dos gestos envolvidos na vogal e sua coda nasal. Uma das sobreposições inferidas é a do gesto vocálico com o gesto vélico para a qual hipotetizamos forte acoplamento (ou aderência) intergestual.

Uso variado de [ay] e [a] na fala florianopolitana – uma análise a partir da fonologia de uso

Haupt, Carine; UFSC
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Lingüística da UFSC Publicador: Programa de Pós-Graduação em Lingüística da UFSC
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; "Avaliado por pares"; Formato: application/pdf
Publicado em 20/11/2015 POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
http://dx.doi.org/10.5007/1984-8420.2015v16n1p98Neste trabalho, apresentamos um estudo sobre a monotongação do ditongo [aI99] em sílabas abertas e fechadas na fala dos florianopolitanos a partir das entrevistas do banco de dados do VARSUL (Variação Linguística na Região Sul do Brasil). Baseados na Fonologia de Uso e na Teoria de Exemplares, analisamos quantitativamente as ocorrências de monotongação, com o objetivo de verificar os efeitos da frequência de uso no fenômeno. A análise dos dados nos leva a assumir que o fenômeno de monotongação é um fenômeno de variação, salvo os contextos de consoante seguinte palato-alveolar (em sílabas abertas), nos quais a monotongação é quase categórica. Para as sílabas fechadas, temos a influência da palatalização da fricativa final como determinante para o apagamento da semivogal. O fenômeno de variação não se dá de forma abrupta e, através da análise acústica, analisamos a gradiência da monotongação. Observamos que a semivogal deixa vestígios de sua presença: na duração do segmento resultante da monotongação e na trajetória dos formantes, em que pudemos identificar diferentes configurações, tais como o primeiro alvo (vogal de base) alongado ou a articulação de um segundo alvo (semivogal) que não se completa.  Ademais...

A DISTRIBUIÇÃO E O USO DOS DIMINUTIVOS –INHO E –ZINHO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM PELA FONOLOGIA DE USO

Barbosa, Maria Fernanda Moreira
Fonte: DLCV - Língua, Linguística & Literatura Publicador: DLCV - Língua, Linguística & Literatura
Tipo: info:eu-repo/semantics/article; info:eu-repo/semantics/publishedVersion; ; Estatística Formato: application/pdf
Publicado em 15/08/2014 POR
Relevância na Pesquisa
37.17%
O presente artigo realiza um estudo sobre as formações diminutivas X–inho(a) e X–zinho(a), por falantes do Português Brasileiro (doravante PB), aferindo suas respectivas frequências de uso bem como a probabilidade de aplicação de ambas as formas diminutivas diante de seus contextos de uso mais prototípicos no PB. Mais especificamente, este trabalho pretende estudar a distribuição e o uso dos referidos sufixos diminutivos, visando sobretudo à interface morfologia / fonologia, com o apoio dos pressupostos da Fonologia de Uso (BYBEE, 2001).

Estado Actual de la Relación entre la Fonética y la Fonología y la Formación y Consolidación de Fonetistas

Chela-Flores,Godsuno
Fonte: Universidad Central de Venezuela. Facultad de Humanidades Publicador: Universidad Central de Venezuela. Facultad de Humanidades
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 ES
Relevância na Pesquisa
37.17%
En este trabajo se analiza la difícil relación de las dos disciplinas que se ocupan de la expresión oral: la fonética y la fonología. La primera fue considerada como el modelo de la investigación lingüística desde fines del siglo XIX gracias a la fundación de la Asociación Fonética Internacional y otros factores, hasta el surgimiento del Círculo Lingüístico de Praga en el primer tercio del siglo XX, cuando comenzó un alejamiento de las descripciones y explicaciones con base en el naturalismo, lo que conllevó la gradual exclusión de la fonética como disciplina lingüística. Esa exclusión también ocurrió entre los lingüistas norteamericanos. Sin embargo, con el adve-nimiento de la fonología generativa “clásica” en 1968, el abstraccionismo y el formalismo llegaron a su grado más alto, lo que provocó una reacción que buscó reducirlos. Desde esa reacción en los años setenta se ha efectuado un regreso a la foneticidad. Se analizan aquí las razones de los vaivenes en la relación y se explican sus causas. En el entrenamiento de fonetistas se sugieren estrategias para la enseñanza de la fonética taxonómica en contraste con la llamada fonética “científica”; se examinan aspectos controversiales de la fonética taxonómica y se proponen soluciones.