Página 19 dos resultados de 1305 itens digitais encontrados em 0.003 segundos

Envelhecer saudável no mundo do trabalho : uma análise da intenção dos educandos no módulo "saúde e cidadania" do Programa Integrar

Gomes, Ângela
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Este estudo analisa a proposta de inclusão do tema “Processo de envelhecimento no currículo do Programa Integrar”, dentro do módulo “Saúde e Cidadania”, bem como, um acompanhamento crítico-reflexivo dessa mudança curricular. Promove a reflexão sobre saúde e processo de envelhecimento para os educandos e propõe, a partir desta experiência, a inclusão desta temática no currículo do Programa Integrar de forma permanente para todos os seus núcleos. Assim como, propor a inclusão da temática também no currículo do PROEJA (Programa Nacional de Integração da Educação profissional à Educação Básica). Esta pesquisa desenvolveu-se em um dos núcleos do Programa Integrar/RS, com uma turma do Ensino Fundamental, formada por trinta e quatro educandos. O período de realização deste módulo totalizou 200 horas de atividades referentes às áreas de conhecimento e práticas de informática. Esta pesquisa, cuja abordagem é qualitativa, utiliza alguns elementos da pesquisa-ação. Realizou-se trinta e três entrevistas individuais semi-estruturadas, questionários com todos os educandos, observações em sala de aula e material produzido pelos mesmos. Inicialmente a coleta de dados teve como objetivo conhecer qual o entendimento que os educandos tinham sobre saúde...

Gênero e sexualidade na educação de jovens e adultos : um estudo de caso

Oliveira, Karina Fürstenau de
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Dissertação Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Mudanças nas condições de vida repercutem no cotidiano atual do/a idoso/a, fazendo com que muitos deles/as procurem formas de diversão, como por exemplo os bailes da terceira idade, que criam condições para a integração com novas pessoas, podendo inclusive formar laços afetivos. Nos últimos anos, houve um aumento de alunos/as da pré e terceira idade matriculados na Educação de Jovens e Adultos. Assim, a EJA é uma modalidade de ensino oferecida em algumas escolas brasileiras com objetivo de oportunizar o retorno aos estudos de sujeitos que não puderam concluí-los em tempo regular. No caso da terceira idade, esses/as alunos/as não estão somente em busca de aprendizado, mas também de um local onde possam se expressar, estabelecer laços de amizade, amores, conhecer seus corpos, suas sexualidades, etc. Contudo, na sociedade ocidental, ainda, a velhice é vista como sinônimo de decrepitude, o/a idoso/a é tido/a como assexuado/a, desconsiderando-se, assim, as suas possibilidades de terem e se verem com desejos, paixões, amores. Pensando nestas questões, esta pesquisa de mestrado visou analisar como o gênero e a sexualidade aparecem em práticas escolares e nas falas de alunos/as, com idade superior aos 50 anos, e de professores/as de uma escola com Educação de Jovens e Adultos. Neste estudo...

A imagem dos acadêmicos de enfermagem acerca do próprio envelhecimento; Image nursing stundents have about their own ageing, The; Imagénes de los estudiantes de enfermería acerca del propio envejecimento, Las

Mancia, Joel Rolim; Portella, Vera Catarina Castiglia; Viecili, Renata
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Este estudo buscou compreender como os acadêmicos de enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul se imaginam idosos e como se preparam para a velhice. A metodologia utilizada foi de abordagem qualitativa e contou com a participação de 10 sujeitos. Verificamos que os acadêmicos de enfermagem não se preparam para o envelhecimento e que a imagem de velhice apresentada foi formada em decorrência aos exemplos obtidos ao longo de suas vidas. Considera que se deve estabelecer estratégias durante a juventude para que na velhice se tenha melhor qualidade de vida.; The aim of this study was to understand how nursing students at the Federal University of Rio Grande do Sul (Brazil) imagine themselves in the oldness and how they prepare themselves for oldness. The methodology used was with qualitative approach involving ten subjects. It was found out that the nursing students do not prepare themselves for the ageing process and that their image of oldness is based on the examples obtained throughout their lives. We consider that strategies should be developed in youth in order to have a better quality of life in the oldness.; Este estudio buscó comprender cómo los académicos de enfermería de la Universidad Federal de Rio Grande do Sul se imaginan ancianos y cómo se preparan para la vejez. La metodología utilizada fue de abordaje cualitativo y contó con la participación de diez sujetos. Verificamos que los académicos de enfermería no se preparan para el envejecimiento y que la imagen de vejez presentada fue formada proveniente de los ejemplos obtenidos a lo largo de sus vidas. Considera que se deben establecer estrategias durante la juventud para que en la vejez se tenga mejor calidad de vida.

Previdência privada como alternativa para o trabalhador informal garantir um futuro digno

Milléo, Edifrancis Proença
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Publicador: Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso Formato: application/pdf
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
A segurança em relação ao futuro sempre foi e sempre será preocupação constante do ser humano. Além da preocupação diária de conseguir sustento para sua família, ainda o homem moderno tem a sobrecarga da preocupação do porvir, como ele conseguirá sustentar a si e sua família quando lhe chegar à velhice. O trabalhador em geral, com carteira assinada, possui o resguardo da Previdência Oficial, que lhe garante uma renda, já o trabalhador informal, autônomo não possui essa segurança. Dentro desse contexto, o presente estudo busca verificar se os planos de previdência privada não seriam uma alternativa ao trabalhador informal, garantir um futuro digno, tanto para si como para sua família no momento de sua velhice. A metodologia empregada foi a pesquisa “Survey” com aplicação de questionários aos usuários e clientes do Banco do Brasil na cidade de Cornélio Procópio – PR, com intuito de verificar quais os motivos dos trabalhadores informais não adquirirem um plano de previdência privada que lhe venha garantir uma renda quando chegar à velhice. Como resultado final do presente estudo, conhecendo um pouco melhor o pensamento desses trabalhadores, fica a sugestão para as instituições financeiras, a realização de um trabalho melhor junto a esse público...

Representações sociais de professores e alunos sobre envelhecimento humano e educação em um programa de Universidade Aberta à Terceira Idade

Mennocchi, Lauren Mariana
Fonte: Universidade Estadual Paulista (UNESP) Publicador: Universidade Estadual Paulista (UNESP)
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: 180 f. : il.
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES); Pós-graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem - FC; O rápido aumento da população de idosos no mundo, nas últimas décadas, tem sido resultado e ao mesmo tempo estímulo para a produção de conhecimento e oferta de serviços a esse novo contingente populacional. Dentre os diversos programas direcionados às pessoas idosas, surgem na década de 70, as chamadas Universidades Abertas da Terceira Idade, enquanto serviços alternativos aqueles até então existentes de caráter essencialmente assistencialista. O objetivo principal dos programas dessa natureza é criar condições para que os idosos se apropriem de conhecimentos e se construam enquanto sujeitos. Tendo em vista a potencialidade de propostas como estas, e partindo dos pressupostos da Teoria das Representações Sociais e das características normativas dos discursos científicos voltados à discussão das questões do envelhecimento humano, este trabalho se propõe a analisar as representações sociais de alunos e professores em um programa de Universidade Aberta à Terceira Idade a respeito da velhice e de questões relativas à aprendizagem nessa fase da vida. Os resultados indicaram...

Aspectos da imagem corporal de idosos, praticantes e não praticantes de atividades fisicas

Carmencita Marcia Balestra
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em //2002 PT
Relevância na Pesquisa
16.96%
A mudança demográfica ocorrida no século XX mudou o perfil etário dos brasileiros.Segundo convenções sociodemográficas, a velhice é a última etapa da vida humana e é delimitada a partir dos 60 anos para países que vivem em tentativa de desenvolvimento. O envelhecimento, enquanto fenômeno, desperta de forma significativa o interesse de pesquisadores em diferentes áreas do conhecimento, entre elas, a educação física. Este é um estudo sobre a velhice, a imagem corporal e atividades físicas. Tivemos como base, um referencial teórico que discute a velhice e a imagem corporal. Para uma melhor compreensão da imagem corporal dos idosos, definimos como universo para este estudo os moradores da unidade gerontológica Vila Vida, localizada na cidade de Goiânia/GO e os freqüentadores do Centro de Convivência de idosos/CCI, que funciona no mesmo local. Foi definido como critério da população alvo serem os moradores e os freqüentadores praticantes e não praticantes de atividades físicas sistematizadas. Assim, desenvolvemos uma pesquisa de campo com a aplicação do teste: A minha imagem corporal, o original, do prof. David Rodrigues (1999) In LOVO (2001). Os resultados deste estudo indicaram preliminarmente que as atividades físicas podem ser uma importante aliada para que os idosos tenham uma melhor compreensão de suas individualidades fisiológicas...

Memoria I : um estudo teorico clinico utilizando trechos da narrativa autobiografica de velhos

Katia Maria Monteiro Rodrigues de Carvalho
Fonte: Biblioteca Digital da Unicamp Publicador: Biblioteca Digital da Unicamp
Tipo: Dissertação de Mestrado Formato: application/pdf
Publicado em 12/02/1993 PT
Relevância na Pesquisa
16.96%
Esta é a primeira parte de duas, de um estudo qualitativo, teórico-clinico sobre memória, que objetiva, na totalidade, uma compreensão psicossomática da memória humana e de suas alterações. Conceitualmente, toma-se a memória numa ótica evolutiva filogenética. Memória I busca uma atualização no conhecimento neurofisiológico e cognitivo sobre memória. Centra atenção na velhice, tentando apontar como os tópicos teóricos aparecem na prática clinica. Estando a memória de velhos intimamente associada às demências involutivas da velhice, o estudo se justifica basicamente por dois motivos: primeiro, inúmeras divergências teóricas permeiam os achados experimentais, clínicos elaboratoriais dessas psiconeuropatologias, sendo a perda progressiva da memória o principal ponto de estabilidade e concordância teórico-clinica; segundo, sendo as demências involutivas entidades nosológicas idade-dependente, e tendo em vista o progressivo envelhecimento população mundial, acentuado a partir da década de 50, o aumento das taxas de incidência e prevalência das demências na velhice assume proporções assustadoras, com perspectivas de uma "epidemia de demência" no ano 2.000. O estudo da memória pode servir de base para estudos posteriores de aplicação terapêutica direta nas perdas mnêmicas de idosos demenciados e não demenciados. O corpo da dissertação foi subdividido em cinco capítulos. No primeiro capítulo...

O envelhecer segundo adolescentes, adultos e idosos usuários do SESC Maringá

Martins, Claudia Regina Magnabosco
Fonte: Florianópolis, SC Publicador: Florianópolis, SC
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Programa de Pós-Graduação em Psicologia; A presente dissertação teve como tema o fenômeno do envelhecimento e suas conseqüências. Foram estudadas as Representações Sociais, ou seja, as teorias de senso comum, as concepções e explicações de grupos de adolescentes, adultos e idosos usuários do SESC Maringá sobre o envelhecimento, a velhice e o idoso. Os resultados apontam para a negação da velhice e a predominância de uma visão negativa a respeito do idoso e da velhice. Ao final, discute-se as implicações dos resultados para a pesquisa acerca do tema e para o trabalho com a população.

A tomada de consciência e o grupo focal na transformação das representações sociais do envelhecimento : uma pesquisa de intervenção

Costa, Filomena Guterres
Fonte: Universidade de Brasília Publicador: Universidade de Brasília
Tipo: Tese
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, 2006.; Existe um consenso nos estudos das representações sociais da velhice: declínio, doenças e perdas (físicas, familiares e da capacidade de trabalho), de um lado e, de outro, a valorização da experiência do idoso e das questões sócio-políticas a ele relacionadas. Na Psicologia do envelhecimento, 3 aspectos são salientados: o declínio do suporte familiar ao idoso, a experiência e valores relacionados ao envelhecer e a defesa de trabalhos sobre a capacitação dos cuidadores, majoritariamente centrados no aspecto físico do envelhecimento. Assumimos o desafio proposto por Fávero (2005) de criar uma situação que engendrasse uma transformação das representações sociais da velhice nos cuidadores de uma instituição para idosos. Teórico-metodológicamente, três aportes foram essenciais: o grupo focal, os atos da fala e a tomada de consciência no sentido desenvolvimental piagetiniano. Tomamos, como sugere esta autora, o sujeito humano na sua identidade única e particular sem apartá-lo do coletivo, considerando sua capacidade de reorganização interna. Participaram do estudo, 7 sujeitos entre 32 e 52 anos, 6 mulheres e 1 homem, funcionários de uma instituição para idosos independentes...

Empoderamento de idosos em grupos direcionados ?? promo????o da sa??de

Teixeira, Mirna Barros
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Busca investigar o empoderamento de pessoas idosas a partir da participa????o em grupos de encontro, direcionados ?? Promo????o da Sa??de. Partindo-se do pressuposto que o a?? ?? ( e provoca o desempoderamento compreendido como perda da autonomia positiva das pessoas idosas devido ?? imagem negativa da velhice, associada a perdas fisiol??gicas e sociais; levanta-se a hip??tese de que a participa????o de pessoas idosas, na din??mica de grupos voltados para a valoriza????o do envelhecer, implica no favorecimento do empoderamento, que se traduz em autonomia positiva. O m??todo utilizado se apoiou na entrevista e no grupo focal estando inserido na Pesquisa Qualitativa em Sa??de. Utilizou-se, como campo de investiga????o o grupo de idosos do PROVE - Projeto de Valoriza????o do Envelhecer, cujo objetivo ?? promover um espa??o onde idosos, possam estar discutindo assuntos voltados para o fen??meno da longevidade. Investiga-se esse grupo de encontro de idosos a partir de sua proposta de constru????o positiva da velhice. Os resultados demonstraram que a participa????o dos idosos em grupos voltados para o envelhecimento, favorece o empoderamento, expressa em autonomia positiva, na medida em que os grupos atuam como apoio social aumentando a rede social dos idosos...

Influ??ncia do Saber Biom??dico na Percep????o da Rela????o Sa??de/Doen??a/Incapacidade em Idosos da Comunidade

Moraes, Gustavo Vaz de Oliveira
Fonte: Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Dissertação
PT_BR
Relevância na Pesquisa
16.96%
O saber biom??dico fundamenta-se em uma vis??o biol??gica e mecanicista do ser humano e na abordagem curativa das doen??as e representa a vis??o oficial do corpo humano nas sociedades capitalistas ocidentais baseadas na capacidade de produ????o e de consumo. Tal saber tem influenciado n??o apenas as pr??ticas objetivas de sa??de, mas, tamb??m, a subjetividade das pessoas em rela????o ao seu corpo e ?? sua vida. Em um contexto de envelhecimento populacional acelerado e intenso, a compreens??o da influ??ncia do saber biom??dico na percep????o dos pro cessos sa??de/doen??a/incapacidade por idosos se justifica pela necessidade de entendimento dos modos de pensar e de agir dos indiv??duos face ?? experi??ncia da velhice. O presente trabalho tem por objetivo compreender, a partir de uma vis??o antropol??gica, como os elementos do saber biom??dico influenciam a percep????o da rela????o de sa??de, doen??a e incapacidade de idosos residentes na comunidade de Bambu??, MG. A pesquisa foi realizada na perspectiva da abordagem qualitativa, constituindo-se em um estudo etnogr??fico observacional. A amostra foi constitu??da por 57 idosos (27 homens e 30 mulheres) com idades entre 62 e 96 anos. Foi utilizado o modelo dos signos, significados e a????es na coleta e an??lise dos dados...

(Con)viver : o envelhecimento bem sucedido

Rodrigues, Elisabete Margarida Braga
Fonte: Universidade do Minho Publicador: Universidade do Minho
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Publicado em //2010 POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Relatório de estágio de mestrado em Educação (área de especialização em Educação de Adultos e Intervenção Comunitária); Portugal e a restante comunidade europeia vivem, hoje, confrontados com uma realidade demográfica caracterizada pelo aumento do número de idosos. No âmbito da educação de adultos, tal condição impõe novas e directas políticas e práticas de combate ao envelhecimento passivo, auxiliando a pessoa idosa a combater a sua condição e a tornar-se agente activo e dinâmico no desenvolvimento da sua velhice e da comunidade envolvente. Vivemos numa aldeia global em constante transformação, em que a palavra de ordem é evoluir e em que a medicina dita a ordem e a esperança média de vida. Actualmente, essa esperança média de vida é de 78 anos (no nosso pais, no que se refere ao sexo masculino) e 85 anos (para o sexo feminino) sendo dados do instituto nacional de estatística. Tendo em conta estes resultados não se pode deixar que a velhice vivida pelos nossos gerontes seja repleta de momentos de enfado e de ócio passivo. É urgente dignificar o período de reforma e envelhecimento da nossa população, respondendo a esta nova realidade de pessoas idosas mais instruídas, culturalmente enriquecidas...

A problemática do envelhecimento na perspectiva da ecologia humana: o caso particular de Marvão

Junceiro, João Claudino
Fonte: Universidade de Évora Publicador: Universidade de Évora
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Introdução - Todos os seres vivos com reprodução sexuada envelhecem, ou seja, modificam-se com o passar do tempo, no sentido de uma diminuição das suas performances, do seu potencial reprodutor e da sua adaptabilidade, à medida que a sua probabilidade de falecimento aumenta. Nas sociedades urbano-industriais, mercê das necessidades administrativas, criou-se um conceito de idoso em termos cronológicos. Com a idade de reforma, o trabalhador é colocado na última fase da vida: a velhice ou terceira idade. A Organização Mundial de Saúde, numa tentativa de uniformização de critérios, definiu como idoso qualquer indivíduo com 65 ou mais anos, independentemente do sexo e estado de saúde. 0 processo de envelhecimento, também conhecido como senescência, resulta de uma interacção complexa de factores genéticos, metabólicos, hormonais, imunológicos e estruturais, agindo sobre níveis moleculares, celulares, histológicos e orgânicos (Kaplan, Sadock,1990: 52). 0 envelhecimento é caracterizado pela incapacidade progressiva do organismo para se adaptar às condições variáveis do seu ambiente. 0 Envelhecimento constitui uma diminuição na capacidade de sobrevivência (Contran, Kumar; Robbins,1991: 447). Os mecanismos implicados no envelhecimento apresentam...

As Representações Sociais do Envelhecimento Ativo de Idosos e Profissionais

Mendes, Felismina; Marques, Maria do Céu; Mendes, João; Lopes, Manuel
Fonte: Martinari Publicador: Martinari
Tipo: Parte de Livro
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
O envelhecimento é um processo que, a nível individual, remete para múltiplas trajetórias de vida e que, no plano coletivo, sofre a influência de fatores socioculturais como acesso à educação, aos cuidados em saúde, à alimentação e ao lazer e a uma rede de relações estáveis. Na literatura gerontológica, envelhecer é considerada uma situação progressiva e multifatorial, e a velhice uma experiência heterogénea, experienciada com mais ou menos qualidade de vida e potencialmente bem-sucedida (Lima, Silva & Galhardoni, 2008). Analisar a velhice como uma experiência homogénea, não significa apenas minimizar os problemas enfrentados pelos idosos, decorre do fato de a sociedade moderna não ter previsto um papel específico ou uma atividade para os velhos, remetendo-os para uma existência sem significado (Areosa, Bevilacqua & Werner, 2003). Atualmente, tem sido o modelo de envelhecimento ativo que tem ocupado um lugar cimeiro nas agendas mundiais das diferentes organizações internacionais desde a Organização Mundial de Saúde (OMS), à Comissão Europeia e às entidades de saúde e segurança social dos diferentes estados membros. Neste âmbito têm vindo a ser propostas e acionadas estratégias políticas e desenvolvidas medidas de intervenção social que procuram traduzir uma nova imagem da velhice e promover novas leituras e práticas sobre esta realidade. O modelo subjacente ao envelhecimento ativo conceptualiza o envelhecimento sob uma perspectiva positiva...

A auto-percepção do envelhecimento e os traços de personalidade em idosos

Yassine, Ismael Macedo Correia
Fonte: Universidade de Lisboa Publicador: Universidade de Lisboa
Tipo: Dissertação de Mestrado
Publicado em //2011 POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2011; O presente estudo foca a auto-percepção do envelhecimento e os traços de personalidade, assumindo como principais objectivos: (1) a exploração da relação entre auto-percepção do processo de envelhecimento por parte dos idosos (com mais de 60 anos de idade) e os traços de personalidade e, (2) a compreensão das dimensões da autopercepção do envelhecimento que melhor predizem determinados traços de personalidade. Participaram neste estudo 146 indíviduos, masculinos e femininos, com idades compreendidas entre os 60 e os 89 anos de idade. De forma a avaliar a autopercepção do envelhecimento foi utilizada a versão portuguesa do Questionário de Percepções do Envelhecimento (QPE) (Barker, O’Hanlon, McGee, Hickey, & Conroy, 2007; Claudino, 2007). Os traços de personalidade foram avaliados pela versão portuguesa do Inventário dos Cinco Factores NEO-FFI (Costa, P. T. & McCrae, R. R., 1989, 1992; Lima e Simões, 2001). Os resultados permitem verificar que (1) o traço de neuroticismo se encontra positivamente associado a uma concepção pessoal da velhice como período gerador de respostas emocionais negativas...

A imagem dos acadêmicos de enfermagem acerca do próprio envelhecimento

Mancia,Joel Rolim; Portela,Vera Catarina Castiglia; Viecili,Renata
Fonte: Associação Brasileira de Enfermagem Publicador: Associação Brasileira de Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2008 PT
Relevância na Pesquisa
16.96%
Este estudo buscou compreender como os acadêmicos de enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul se imaginam idosos e como se preparam para a velhice. A metodologia utilizada foi de abordagem qualitativa e contou com a participação de 10 sujeitos. Verificamos que os acadêmicos de enfermagem não se preparam para o envelhecimento e que a imagem de velhice apresentada foi formada em decorrência aos exemplos obtidos ao longo de suas vidas. Considera que se deve estabelecer estratégias durante a juventude para que na velhice se tenha melhor qualidade de vida.

Identificação de variáveis que afetam o envelhecimento: análise comportamental de um caso clínico

Battini,Elissa; Maciel,Evelise Martinelli; Finato,Mariza da Silva Santos
Fonte: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas Publicador: Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2006 PT
Relevância na Pesquisa
16.96%
O objetivo desta pesquisa foi identificar e analisar as variáveis que influenciam a adaptação do indivíduo ao processo de envelhecimento. Para tanto foi realizado um estudo de caso que identificou algumas variáveis que, quando presentes, podem tanto aumentar quanto diminuir a probabilidade de adaptação adequada à velhice. Dentre as que podem aumentar a probabilidade de um envelhecimento bem-sucedido, destacam-se: autonomia, auto-aceitação, redes de apoio, crença religiosa e propósitos de vida. Entretanto outras características podem diminuir essa adaptabilidade, tais como: negação da velhice, isolamento, postura místico-religiosa conformista e alienação do presente. O resultado do estudo corrobora tal levantamento, de modo que a entrevistada parece ter se adaptado à velhice em virtude das habilidades desenvolvidas ao longo de sua vida, assim como das contingências atuais.

Como tornar-se idoso: um modelo de cuidar em enfermagem gerontológica

Santana,Rosimere Ferreira; Santos,Iraci dos
Fonte: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem Publicador: Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós Graduação em Enfermagem
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2005 PT
Relevância na Pesquisa
16.96%
Supondo que a compreensão do imaginário de idosos sobre o envelhecimento proporcionará conhecimentos de enfermagem sobre o seu cuidar, investigamos, mediante a sociopoética, junto a idosos, no Rio de Janeiro, as possibilidades de inovação nesta prática. Os resultados demonstraram a existência das dicotomias do imaginário no envelhecer: o velho versus o idoso; a aceitação versus a negação da velhice, culminando no desejado versus o não desejado na velhice. Concluímos que as pessoas, na continuidade da vida, não querem ser velhas (viver o indesejado, com mal-estar), mas tornarem-se idosas (envelhecer com bem-estar), permitindo compreender o que existe no processo de aceitação e negação da velhice. Tal evidência nos incentiva a adotar os conhecimentos produzidos nesse cuidar/pesquisar sociopoético voltado para a qualidade de vida dos idosos.

Viv??ncias da sexualidade de idosos (as)

Rodrigues, Luiz Carlos Barbosa
Fonte: Universidade Federal do Rio Grande Publicador: Universidade Federal do Rio Grande
Tipo: Dissertação de Mestrado
POR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Disserta????o(mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande, Programa de P??s-Gradua????o em Enfermagem, Escola de Enfermagem, 2008.; A viv??ncia da sexualidade na velhice nada mais ?? do que a continua????o de um processo que se iniciou na inf??ncia. A gera????o atual de idosos (as) construiu seus conceitos atrav??s de experi??ncias vividas em uma educa????o repressora presente na cultura da ??poca. Este estudo teve como objetivo identificar e descrever a viv??ncia de idosos (as) acerca de sua sexualidade. Os pressupostos foram: Os(as) idosos(as) n??o diferenciam sexualidade e atividade sexual. 2) Na inf??ncia e adolesc??ncia os(as) idosos(as) n??o despertaram sua sexualidade. 3) Na juventude houve um despertar da sexualidade do(as) idosos(as). 4) Na maturidade/velhice os(as) idosos(as) v??m aproveitando mais sua sexualidade. Foi realizada uma pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa, tendo como local, uma associa????o de idosos (as) de um munic??pio do Sudoeste do Paran??. Os sujeitos do estudo totalizaram 4 (quatro) idosos (as), sendo 3 (tr??s) mulheres e 1 (um) homem, desta associa????o. Foi utilizado como t??cnica a entrevista gravada semi-estruturada, no domic??lio dos sujeitos da pesquisa, e como instrumento de coleta um roteiro de entrevista que possibilitou orientar a conversa com confiabilidade...

O olhar do idoso sobre a finitude: um estudo sobre as representações sociais da morte em idosos de uma cidade do sertão pernambucano

Carolina Farias de Oliveira, Sandra; Isabel Patricio de Carvalho Pedrosa, Maria (Orientador)
Fonte: Universidade Federal de Pernambuco Publicador: Universidade Federal de Pernambuco
Tipo: Outros
PT_BR
Relevância na Pesquisa
16.96%
Essa pesquisa descreve a representação que os idosos da zona rural e urbana do interior do Estado de Pernambuco têm sobre a morte e quais as implicações dessa representação em suas vidas. Considera-se idoso o indivíduo com 60 anos ou mais, em consonância com a Política Nacional dos Idosos PNI. A Teoria das Representações Sociais (TRS) foi utilizada como aparato teóricometodológico para análise e discussão dos dados. A justificativa para se estudar o significado da morte e da velhice está no fato de os dois temas serem considerados tabus, dentro da nossa sociedade, e por isso silenciados. O fato de se realizar a coleta em uma cidade do interior do Estado explica-se pela pouca visibilidade dessa região em pesquisas acadêmicas na área de Psicologia. Além disso, supõe-se que os valores e religiosidade do povo do interior, diferentes daqueles do homem urbano, repercutem em suas concepções sobre a morte. Para a presente pesquisa foram selecionados 100 idosos de ambos os gêneros, da cidade de Carnaíba, uma cidade em que a pesquisadora contava com apoio institucional para realizar o trabalho. A coleta de dados foi feita por meio de uma entrevista semi-estruturada, em que constavam questões relacionadas ao contexto de vida dos sujeitos e indagações referentes à morte. Os dados foram analisados com o auxílio do software ALCESTE que realiza uma análise do corpus da entrevista...