Página 14 dos resultados de 1535 itens digitais encontrados em 0.006 segundos

Fatores que afetam a germinação do grão de pólen do maracujá: meios de cultura e tipos de agrotóxicos

Silva,Mairon Moura da; Bruckner,Claudio Horst; Picanço,Marcelo; Cruz,Cosme Damião
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/1999 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Foram conduzidos estudos para seleção de temperatura, meio de cultura e tempo de incubação ideais para germinação de grãos de pólen do maracujá-amarelo (Passiflora edulis f. flavicarpa), com a finalidade de adequar o método de avaliação da interferência de agrotóxicos. A temperatura de 28 + 0,5ºC e o meio com 50 g/L de sacarose; 0,2 g/L de ácido bórico e 1,0 g/L de nitrato de cálcio forneceram as melhores condições para germinação dos grãos de pólen do maracujazeiro. Não detectou-se efeito significativo do tempo de incubação (17 e 48 horas) na germinação dos grãos de pólen. A percentagem de germinação dos grãos de pólen não foi prejudicada pelo acaricida Dicofol + Tetradifon e pelos inseticidas Cartap, Fenpropathrin e Abamectin. Os demais agrotóxicos afetaram a germinação dos grãos de pólen. Os inseticidas Malathion, Fenthion, Trichlorfon, Vamidothion, Deltamethrine, Parathion Methyl e o espalhante adesivo N-dodecil benzeno de sulfato de sódio reduziram moderadamente a germinação, enquanto o Ethion e o Lambdacyhalothrin interferiram severamente na germinação dos grãos de pólen.

Resíduos de agrotóxicos em frutos de tomate

Zavatti,Leslie Maria Segura; Abakerli,Rosângela Blotta
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/1999 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
O uso intensivo de agrotóxicos em culturas de tomates tem causado preocupações quanto à provável contaminação do produto final. Este trabalho teve como objetivo monitorar, por dois anos consecutivos, em quatro propriedades de uma área altamente tecnificada, o uso de agrotóxicos em tomate irrigado durante seu desenvolvimento, quantificar os resíduos dos principais princípios ativos utilizados, e avaliar o grau de contaminação dos frutos colhidos. Foram analisados metamidofós, clorpirifós, captan, clorotalonil, endosulfan, lambda-cialotrina, e cobre. Para avaliar o grau de contaminação dos frutos foi validado um método de análise de resíduos múltiplos capaz de quantificar esses compostos. Os resíduos encontrados foram de fungicidas e inseticidas aplicados nas fases de frutificação e maturação: captan, 0,35 mg/kg, na Fazenda 2; clorotalonil, 0,16 mg/kg e 0,95 mg/kg, nas Fazendas 1 e 2, respectivamente; lambda-cialotrina, 0,03 mg/kg, na Fazenda 2; cobre, 2,03 mg/kg, 3,75 mg/kg e 1,44mg/kg, nas Fazendas 1, 2 e 3, respectivamente, e 0,95 mg/kg, 1,70 mg/kg e 2,31 mg/kg, na Fazenda 4. Não ocorreram resíduos dos inseticidas organofosforados, aplicados principalmente durante o desenvolvimento vegetativo da cultura. Não houve contaminação dos tomates pelos agrotóxicos analisados. Os resíduos que devem ser monitorados são os dos agrotóxicos aplicados na fase de maturação da cultura.

Efeito de doses e de refúgio sobre a seletividade de inseticidas a predadores e parasitóides de pragas de soja

Corso,Ivan Carlos; Gazzoni,Décio Luiz; Nery,Manoel Eugenio
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/09/1999 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Com o objetivo de avaliar o impacto sazonal de alguns inseticidas sobre predadores e parasitóides de pragas da cultura da soja, instalou-se um experimento com delineamento de blocos ao acaso, constando de oito tratamentos e três repetições, no campo experimental da Embrapa-Centro Nacional de Pesquisa de Soja, em Londrina, PR. Os tratamentos consistiram de aplicações de inseticidas para o controle da lagarta-da-soja (pulverizados em 21/1/93) e percevejos (4/3/93). A técnica empregada para levantamento da população de insetos foi a do método do choque, que consiste na aplicação de um inseticida de alto impacto sobre a comunidade de insetos presente nas plantas, sua coleta sobre panos estendidos no solo, e sua posterior identificação e contagem em laboratório. A análise da variância revelou não haver diferenças significativas entre as populações de predadores, himenópteros e dípteros encontrados, nos diferentes tratamentos estudados. Também não foram verificados os fenômenos de ressurgência de pragas ou o aparecimento de elevadas populações de pragas secundárias.

Seletividade fisiológica de inseticidas a vespidae predadores do bicho-mineiro-do-cafeeiro

GUSMÃO,MARCOS RAFAEL; PICANÇO,MARCELO; GONRING,ALFREDO HENRIQUE ROCHA; MOURA,MARCELO FIALHO
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2000 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Estudou-se, em laboratório, a seletividade dos inseticidas clorpirifós, deltametrina, dimetoato, ethion, monocrotofós e permetrina às vespas predadoras Apoica pallens Fab., Brachygastra lecheguana Latreille e Polistes versicolor versicolor Olivier (Hymenoptera: Vespidae) em concentrações que correspondem a 50% e 100% da dosagem recomendada para o controle do bicho-mineiro-do-cafeeiro, Perileucoptera coffeella Guérin-Meneville (Lepidoptera: Lyonetiidae). Deltametrina foi seletivo em favor de P. versicolor versicolor e A. pallens. O ethion foi medianamente seletivo a A. pallens e P. versicolor versicolor, e seletivo em favor de B. lecheguana. Os demais inseticidas não foram seletivos às vespas predadoras. A ordem crescente de tolerância das vespas a deltametrina foi: P. versicolor versicolor > A. pallens > B. lecheguana. Para o ethion esta ordem foi: B. lecheguana > P. versicolor versicolor > A. pallens. O clorpirifós, deltametrina, dimetoato, monocrotofós e permetrina apresentaram semelhante toxicidade às vespas nas duas dosagens utilizadas. O ethion, por sua vez, reduziu seu impacto sobre A. pallens e P. versicolor versicolor quando aplicado em subdosagem.

Controle químico da lagarta-enroladeira (Bonagota cranaodes Meyrick) na cultura da macieira

BOTTON,MARCOS; NAKANO,OCTÁVIO; KOVALESKI,ADALÉCIO
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/11/2000 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
A lagarta-enroladeira, Bonagota cranaodes Meyrick (Lepidoptera: Tortricidae), é considerada uma das principais pragas da macieira no Brasil. Com o objetivo de selecionar inseticidas visando ao controle do inseto, experimentos de laboratório e campo foram conduzidos com clorpirifós-etil (Lorsban 480 CE - 72 g de i.a./100 L), metidatiom (Supracid 400 - 60 g de i.a/100 L), fosmet (Imidan 50 PM - 100 g de i.a./100 L), triclorfom (Dipterex 500 - 150 g de i.a./100 L), tebufenozide (Mimic 240 SC - 21,6 g de i.a./100 L), fenitrotiom (Sumithion 500 CE - 75 g de i.a./100 L) e carbaril (Sevin 850 PM - 153 g de i.a./100 L). Todos os inseticidas provocaram 100% de mortalidade de lagartas recém-eclodidas em laboratório, porém, o controle de lagartas de 4º e 5º ínstar, após seu estabelecimento nas plantas de macieira, somente foi satisfatório com clorpirifós-etil, tebufenozide e triclorfom. A pulverização de clorpirifós-etil, após picos de captura dos machos de B. cranaodes com armadilhas de feromônio sexual resultaram em menos de 1% de frutos danificados na colheita em comparação com 4,6% com tebufenozide, e 9,8% na testemunha.

Impacto de inseticidas sobre parasitóides da traça-das-crucíferas em repolho, no Distrito Federal

Castelo Branco,Marina; Medeiros,Maria Alice
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2001 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Este trabalho teve como objetivo identificar os parasitóides da Plutella xylostella(L.) presentes em áreas de cultivo do Distrito Federal, tratadas ou não com inseticidas, onde larvas do inseto foram coletadas. Foram identificados quatro parasitóides: Apantelessp. (Braconidae), Oomyzus sokolowiskii (Kurdjumov) (Eulophidae), Diadegmasp. (Ichneumonidae) e Actiasp. (Tachinidae). Onível de parasitismo nas áreas não tratadas com inseticidas variou de 5% a 94%, enquanto em áreas tratadas variou de 11% a 87%. A maior parte das larvas de traça-das-crucíferas foram encontradas nas cabeças de repolho ou na parte inferior das folhas da saia das plantas. Esta distribuição de larvas sobre as plantas deve permitir que estas escapem do contato com o inseticida, e, conseqüentemente, os parasitóides podem sobreviver nas plantas tratadas.

Seletividade de oito inseticidas a predadores de lagartas em citros

Galvan,Tederson Luiz; Picanço,Marcelo Coutinho; Bacci,Leandro; Pereira,Eliseu José Guedes; Crespo,André Luiz Barreto
Fonte: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira Publicador: Embrapa Informação Tecnológica; Pesquisa Agropecuária Brasileira
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/02/2002 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
O objetivo deste trabalho foi avaliar a seletividade dos inseticidas abamectina, acefato, carbaril, deltametrina, fenitrotiom, fenpropatrina, paratiom metílico e triclorfom aos predadores Brachygastra lecheguana (Latreille), Protonectarina sylveirae (Saussure) e Protopolybia exigua (Saussure) (Hymenoptera: Vespidae) em concentrações que corresponderam a 50% e 100% da dose recomendada para o controle de lagartas em citros. Os inseticidas estudados não foram seletivos em favor do predador P. sylveirae. Fenitrotiom, fenpropatrina, paratiom metílico e triclorfom não foram seletivos em favor dos predadores B. lecheguana e P. exigua. Abamectina, acefato e carbaril foram medianamente seletivos em favor de P. exigua, o mesmo foi verificado com abamectina e carbaril em favor de B. lecheguana. Acefato foi seletivo em favor de B. lecheguana e deltametrina em favor de P. exigua. As altas mortalidades causadas por deltametrina a P. sylveirae, triclorfom a B. lecheguana e acefato a P. exigua decresceram quando aplicados em subdose. B. lecheguana foi o predador mais tolerante à dose de acefato, seguido por P. exigua e P. sylveirae. O predador P. exigua foi mais tolerante à dose de deltametrina que B. lecheguana e P. sylveirae. As três espécies de predadores foram altamente suscetíveis às doses e subdoses de fenitrotiom...

Mortalidade do ácaro predador Neoseiulus californicus (Acari: Phytoseiidae) em testes de toxicidade residual de inseticidas e acaricidas usuais em pomáceas

Ruiz,Marcelo Gustavo; Moraes,Gilberto José de
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2008 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Os ácaros fitoseídeos, especialmente Neoseiulus californicus (McGregor), são importantes agentes de controle biológico de ácaros tetraniquídeos-praga nas culturas de pomáceas no "Alto Valle del Río Negro y Neuquén", Argentina. Neste trabalho, avaliou-se a mortalidade de N. californicus quando exposto a resíduos dos inseticidas azimphos-methyl, carbaryl e cyfluthrin, e dos acaricidas cyhexatin e propargite. Os produtos foram aplicados às concentrações recomendadas em plantas de pereira. Um, três, seis e dez dias após a aplicação (DAA), folhas tratadas foram retiradas das plantas para a preparação de unidades experimentais. Cinco adultos de N. californicus, provenientes de criação-estoque, foram transferidos para cada unidade, onde pólen de taboa foi fornecido como alimento. As unidades foram mantidas a 25 ± 2 ºC, 60 ± 10% de umidade relativa e fotoperíodo de 14 h. A mortalidade do ácaro foi avaliada 24 h após o confinamento. As médias de mortalidade foram comparadas pelo teste de Dunnett, a 5% de probabilidade. A progressão do declínio do efeito dos produtos testados foi submetida à análise de regressão. Nas duas primeiras datas de avaliação, todos os produtos apresentaram valores de mortalidade significativamente diferentes da testemunha tratada com água. Seis dias após a aplicação...

Comunicação científica eficiência de inseticidas à base de nim no controle de Grapholita molesta (Busck, 1916) (Lepidoptera: Tortricidae)

Bernardi,Oderlei; Bernardi,Daniel; Trecha,Calisc de Oliveira; Jardim,Edson de Oliveira; Cunha,Uemerson Silva da; Garcia,Mauro Silveira
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2010 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
O objetivo foi avaliar a eficiência de inseticidas à base de nim no controle da mariposa-oriental G. molesta em laboratório. A dieta artificial foi cortada em cubos e imersa nas caldas dos respectivos tratamentos; em seguida, lagartas recém-eclodidas foram transferidas para tubos de vidro, contendo os cubos de dieta tratados. Os produtos testados foram: NeemAzal-T/S®, Dalneem emulsionável®, Organic Neem® e Natuneem Agrícola® na concentração de 0,5% do produto comercial (p.c.) em comparação com o inseticida químico fenitrotion (Sumithion 500 CE®) a 0,15% p.c. e uma testemunha (água). Os inseticidas NeemAzal-T/S® e Dalneem emulsionável® apresentaram a mortalidade de 100% das lagartas, sendo eficientes no controle do inseto em condições de laboratório. Organic Neem® e Natuneem Agrícola® demonstraram menor atividade inseticida, ocasionando mortalidade de 73,5% e 22,5%, respectivamente; no entanto, afetaram significativamente a viabilidade larval.

Potencial inseticida de plantas da família Annonaceae

Krinski,Diones; Massaroli,Angélica; Machado,Marilza
Fonte: Sociedade Brasileira de Fruticultura Publicador: Sociedade Brasileira de Fruticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/2014 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
A utilização de plantas para o controle de insetos tem aumentado em todo o mundo. Isto ocorre porque os inseticidas vegetais apresentam moléculas biodegradáveis, são menos tóxicos a mamíferos e potencialmente adequados para utilização no controle de pragas. As plantas da família Annonaceae estão ganhando destaque como biopesticidas por serem naturalmente bioativas, apresentando atividade citotóxica, antitumoral, vermicida, antimicrobiana, imunossupressora, antiemética, inibidora do apetite e crescimento, antimalárica e também inseticida. A atividade inseticida das anonáceas deve-se à presença de acetogeninas, substâncias que atuam nas mitocôndrias, inibindo a NADH - ubiquinona oxidorredutase, causando a morte dos insetos. Nesta revisão, relatamos a utilização de anonáceas no controle de insetos, mostrando que até o momento, apenas 42 espécies de anonáceas possuem informações de atividade inseticida contra pouco mais de 60 espécies de insetos-praga. Estas informações mostram que muita pesquisa ainda é necessária, principalmente para conhecer a atividade inseticida de outras espécies de anonáceas, além de seus efeitos sobre insetos-praga ainda não estudados. Assim, teremos como alternativa para o desenvolvimento sustentável...

Seletividade de inseticidas a Podisus rostralis (Stal) (Heteroptera: Pentatomidae) predador de lagartas desfolhadoras de eucalipto

Gonring,Alfredo Henrique Rocha; Picanço,Marcelo Coutinho; Leite,Germano Leão Demolin; Suinaga,Fábio Akiyoshi; Zanuncio,José Cola
Fonte: Sociedade de Investigações Florestais Publicador: Sociedade de Investigações Florestais
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2003 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
O objetivo deste trabalho foi estudar a seletividade fisiológica dos inseticidas deltametrina, fenitrotiom, malatiom e permetrina em favor de ninfas (3º e 5º instares) e adultos (fêmeas e machos) do predador Podisus rostralis, empregando-se 50 (subconcentração) e 100% da concentração usada no controle de lagartas desfolhadoras de eucalipto. Deltametrina foi seletivo em favor de ninfas de 3º e 5º instares e adultos (1,94, 0,00 e 7,87% de mortalidade, respectivamente) do predador. Permetrina foi seletivo em favor de ninfas de 5º instar (3,55% de mortalidade) e medianamente seletivo em favor de ninfas de 3º instar e adultos (28,22 e 32,08% de mortalidade, respectivamente) do predador. Malatiom foi medianamente seletivo em favor de ninfas de 5º instar (49,38% de mortalidade) e não-seletivo em favor de ninfas 3º instar e adultos (95,34 e 88,99% de mortalidade, respectivamente) do predador. Fenitrotiom não foi seletivo em favor de nenhum dos instares do predador (100% de mortalidade). A alta toxicidade do fenitrotiom a P. rostralis não foi reduzida quando o predador foi exposto a 50% da concentração recomendada deste inseticida. O impacto do malatiom (a ninfas de 3º instar e adultos) e permetrina (a fêmeas) sobre P. rostralis diminuiu quando estas fases do predador foram expostas à metade das concentrações desses inseticidas. O impacto do deltametrina não foi afetado por sua concentração. Ninfas de 3º instar e adultos foram menos tolerantes do que ninfas de 5º instar ao malatiom e permetrina. As fêmeas de P. rostralis foram mais tolerantes que os machos à concentração do malatiom e à subconcentração de permetrina.

Uso de inseticidas para o controle da traça-do-tomateiro e traça-das-crucíferas: um estudo de caso

Branco,Marina Castelo; França,Félix H.; Medeiros,Maria A.; Leal,José Guilherme T.
Fonte: Associação Brasileira de Horticultura Publicador: Associação Brasileira de Horticultura
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/03/2001 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Em agosto de 1999, produtores de tomate e brássicas do Núcleo Rural da Taquara tiveram seus cultivos seriamente comprometidos devido à impossibilidade de controle da traça-do-tomateiro e da traça-das-crucíferas. Diversos inseticidas, alguns com o mesmo princípio ativo ou pertencentes ao mesmo grupo químico, eram aplicados de uma a sete vezes por semana sem qualquer eficiência no controle das pragas. Lavouras foram abandonadas em diferentes estádios de desenvolvimento. A fim de definir uma estratégia de controle que viabilizasse a produção de tomate e brássicas na região, foi avaliado em laboratório a eficiência da dose comercial de alguns inseticidas usados no controle das duas pragas. Para isso, foram coletadas duas populações de traça-do-tomateiro e uma população de traça-das-crucíferas. Para traça-do-tomateiro, cartap, abamectin, lufenuron, acefate e deltametrina causaram respectivamente 100, 90, 67, 2 e 0% de mortalidade das larvas. Para traça-das-crucíferas, B. thuringiensis, abamectin, cartap, acefate and deltametrina causaram 100; 96; 86; 79 e 5% de mortalidade respectivamente. De acordo com estes resultados foi recomendada a suspensão imediata do uso de piretróides e organofosforados para o controle das duas pragas. Abamectin e cartap foram recomendados para o controle da traça-do-tomateiro e B. thuringiensis para o controle de traça-das-crucíferas.

Resistência a inseticidas em populações de Simulium (Diptera, Simuliidae)

Campos,Jairo; Andrade,Carlos Fernando S.
Fonte: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz Publicador: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2002 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Populações de Simulium (Chirostilbia) pertinax Kollar, 1832 do Sul e Sudeste do Brasil, foram analisadas quanto à susceptibilidade ao Temephos, considerando-se os históricos de controle e possível resistência. Bioensaios in situ foram realizados para populações dos estados do Paraná (Tibaji e Rolândia), Rio de Janeiro (Muriqui) e São Paulo (Barra do Una, Ilhabela, e Morungaba). As populações foram caracterizadas como susceptíveis (S) ou resistentes (R) submetendo-se larvas nos últimos estádios a uma concentração operacional (0,1ppm i.a./10min) de Temephos (Abate 500E) como diagnóstica. Os possíveis mecanismos para o desenvolvimento de resistência ao organofosforado são discutidos considerando-se antigas e novas estratégias de controle.

CONTROLE QUÍMICO DO PULGÃO MYZUS PERSICAE (SULZER,1776) (HOMOPTERA-APHIDIDAE) NA CULTURA DO FUMO

Tarragó,Manoel Fernando Sigaran; Bredemeier,Dieter; Schafer,Pedro Paulo
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1994 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
RESUMO Estudou-se a ação de diferentes inseticidas sobre populações do pulgão, Myzus persicae, em lavouras de fumo da Agro Comercial Fumageira S. A., var. Sumatra, no Município de Cruz das Almas - BA. Foram realizados dois ensaios, um em dezembro de 1991 e o outro em fevereiro de 1992, e nas duas oportunidades mostraram-se eficientes os inseticidas Acefate 750 PS, Pirimicarb 500 PM e Metamidofos 600 CE.

Associação de Baculovirus aniticarsia com subdosagens de inseticidas no controle de lagartas de Anticarsia gemmatalis (Hübner, 1818)

Silva,Mauro Tadeu Braga da
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/01/1995 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
O presente trabalho foi desenvolvido durante a safra agrícola de 1989/90, em Cruz Alta, RS, com a condução de cinco experimentos de campo. O objetivo foi avaliar a possibilidade de utilização do vírus de poliedrose nuclear (VPN), Baculovirus anticarsia, em mistura com subdosagens de inseticidas químicos no controle da lagarta da soja, Anticarsia gemmatalis (Hübner), quando a população do inseto ultrapassa o limite populacional para a aplicação do vírus sozinho. Foram feitas avaliações do número de lagartas vivas, do número de lagartas mortas pelo vírus, do percentual de desfolha e da produtividade das plantas de soja. Os resultados indicaram que o vírus associado a subdosagens de diflubenzurom (1,25g i.a./ha), carbaril (48g i.a./ha), clorpirifós (36g i.a./ha), endossulfam (35g i.a./ha), permetrina (3g i.a./ha), profenofós (25g i.a./ha), tiodicarbe (17,5g i.a./ha) e triclorfom (200g i.a./ha) foi tão eficiente quanto os inseticidas sozinhos, nas doses normais, diflubenzurom (15g i.a./ha), carbaril (200g i.a./ha), clorpirifós (180g i.a./ha), endossulfam (175g i.a./ha), permetrina (15g i.a./ha), profenofós (100g i.a./ha), tiodicarbe (70g i.a./ha) e triclorfom (200g i.a./ha) para o controle de altas populações da lagarta da soja. O vírus associado a subdosagem de Bacillus thuringiensis (125g p.c./ha) e B. thuringiensis sozinho na dosagem normal (500g p.c./ha) não foram eficientes.

Seletividade de inseticidas a Doru luteipes (Scudder, 1876) (Dermaptera: Forficulidae) e Cotesia sp. (Hymenoptera: Braconidae) inimigos naturais de Ascia monuste orseis (Godart, 1818) (Lepdoptera: Pieridae)

Picanço,Marcelo Coutitnho; Moura,Marcelo Fialho de; Miranda,Moacyr Mascarenhas Motta; Gontijo,Lessando Moreira; Fernandes,Flávio Lemes
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/04/2003 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Este trabalho objetivou estudar a seletividade dos inseticidas carbaril, deltametrina, paratiom metílico, permetrina e triclorfom em favor do predador Doru luteipes (Scudder) (Dermaptera: Forficulidae) e do parasitóide Cotesia sp. (Hymenoptera: Braconidae), em relação ao controle do curuquerê Ascia monuste orseis (Godart) (Lepidoptera: Pieridae). Foram determinadas as CL90 para A. monuste orseis e estas foram utilizadas como doses discriminatórias para se avaliar o grau de seletividade dos inseticidas. Deltametrina e permetrina foram altamente seletivos em favor de D. luteipes. Deltametrina foi medianamente seletiva em favor de Cotesia sp. e a permetrina não apresentou seletividade em favor deste parasitóide. Triclorfom foi altamente seletivo em favor de ninfas de quarto estádio e adultos de D. luteipes e mediamente seletivo em favor de Cotesia sp. e de ninfas de primeiro estádio do predador. Carbaril foi medianamente seletivo em favor de Cotesia sp. mas não apresentou seletividade em favor de D. luteipes. Paratiom metílico não foi seletivo em favor de Cotesia sp. e D. luteipes. Adultos de D. luteipes foram menos sensíveis a deltametrina, permetrina e triclorfom do que adultos de Cotesia sp., sendo que o inverso ocorreu com o carbaril. Esses inimigos naturais apresentaram alta sensibilidade ao paratiom metílico. Ninfas de quarto estádio e adultos de D. luteipes foram mais sensíveis ao paratiom metílico e triclorfom que ninfas de primeiro estádio. Ninfas e adultos de D. luteipes apresentaram semelhante sensibilidade ao carbaril...

Seletividade de inseticidas usados na cultura da macieira a ovos de Chrysoperla externa (Hagen, 1861) (Neuroptera: Chrysopidae)

Ferreira,Antônio José; Carvalho,Geraldo Andrade; Botton,Marcos; Mendonça,Lúcia Aparecida; Corrêa,Alan Rodrigo Batista
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/08/2005 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Neste trabalho, foi avaliado o efeito de inseticidas sobre ovos de duas populações de Chrysoperla externa (Hagen, 1861) (Neuroptera: Chrysopidae). O trabalho foi realizado em laboratório (25±2°C, UR de 70±10% e fotofase de 12 horas) avaliando-se inseticidas, nas concentrações indicadas pelos fabricantes e/ou que estão em fase de pesquisa para o controle da mariposa-oriental, lagarta-enroladeira e mosca-das-frutas na cultura da macieira. Os produtos e dosagens (g ou mL do p.c. 100L-1 de água) avaliados foram: fosmet (Imidan 500 PM - 200), metoxifenozide (Intrepid 240 SC - 60), tebufenozide (Mimic 240 SC - 60), benzoato de emamectina (Proclaim 5 SG - 15), spinosad (Tracer 480 SC - 20), etofenprox (Trebon 100 SC - 150), clorpirifós etil (Lorsban 480 BR - 150) e testemunha (somente água). As pulverizações foram realizadas em ovos com até 12 horas de idade, utilizando-se torre de Potter. Avaliaram-se a viabilidade dos ovos, o período embrionário, e a sobrevivência das larvas de primeiro e segundo estádios provenientes dos ovos tratados. A toxicidade dos produtos foi determinada em função da mortalidade acumulada do predador durante o seu desenvolvimento, classificando-os conforme escala proposta pela IOBC. As duas populações de C. externa apresentaram o mesmo padrão de resposta aos produtos fitossanitários avaliados quando aplicados sobre ovos. Fosmet...

Eficácia de diferentes inseticidas e de volumes de calda no controle de Spodoptera frugiperda nas culturas do milho e sorgo cultivados em várzea

Costa,Marcus Antônio Gonçalves; Grützmacher,Anderson Dionei; Martins,José Francisco da Silva; Costa,Ervandil Correa; Storch,Gustavo; Stefanello Júnior,Getúlio Jorge
Fonte: Universidade Federal de Santa Maria Publicador: Universidade Federal de Santa Maria
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2005 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
A lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda (J. E. Smith, 1797) tem causado prejuízos significativos à produtividade nas culturas do milho e sorgo, principalmente em áreas de várzeas. Com o objetivo de determinar-se a eficiência de controle de S. frugiperda em milho e sorgo no agroecossistema de várzea e avaliar a resposta das culturas sobre o rendimento de grãos, foi realizado um experimento na Embrapa Clima Temperado de Pelotas, Estação Experimental de Terras Baixas, Capão do Leão, RS no ano agrícola 2001/2002. Semeou-se milho da cultivar Pioneer 30F33 e sorgo da cultivar Aventis BRS 305 em blocos ao acaso com parcelas sub-subdivididas. Os inseticidas utilizados e respectivas dosagens (mL p.c. ha-1) foram o Match CE (lufenurom), 300; Rimom 100 CE (novalurom), 150; Tracer SC (espinosade), 50; Lorsbam 480 BR (clorpirifós), 500 e Karate 50 Zeon (lambdacialotrina), 150. As avaliações foram aos 5, 10, 15, 20, e 25 dias após a aplicação. Os volumes de calda (L ha-1) utilizados para cada tratamento foram 0, 150, 200, 250 e 300. A eficiência de controle de S. frugiperda com os inseticidas lufenurom, novalurom, espinosade, clorpirifós e lambdacialotrina aplicados em volumes de calda de 0, 150, 200, 250 e 300L ha-1 que variou em função do estádio da cultura do milho e sorgo e época de aplicação. O rendimento de grãos foi independente do volume de calda aplicado tanto para as culturas de milho e sorgo.

Adubação e inseticidas no controle de Empoasca kraemeri e Bemisia tabaci, em cultivares de feijoeiro semeados no inverno

Boiça Jr.,Arlindo Leal; Santos,Terezinha Monteiro dos; Muçouçah,Marcus Juabre
Fonte: São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" Publicador: São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/12/2000 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Vários fatores influenciam a produtividade da cultura do feijoeiro, dentre estes podem ser citados as pragas, merecendo destaque, a cigarrinha verde, Empoasca kraemeri Ross & Moore (Hemiptera: Cicadellidae) e principalmente a mosca branca, Bemisia tabaci (Gennadius) (Hemiptera: Aleyrodidae), que prejudica o feijoeiro pela transmissão do vírus do mosaico dourado. Este trabalho avalia o efeito de cultivares de feijoeiro, adubação e inseticidas nas populações de E. kraemeri e B. tabaci na época de semeadura "de inverno". Os genótipos utilizados foram IAPAR MD-806, IAPAR MD-808, IAC-Carioca e Bolinha. Avaliaram-se, dos 7 aos 56 dias após emergência das plantas, o número de ninfas e adultos de cigarrinha verde e mosca branca, percentual de ataque de cigarrinha e número de plantas com sintomas de mosaico dourado. Na colheita, foram avaliados o número e peso de vagens por planta, o número de grãos por planta e peso de grãos (kg ha-1). Os danos de cigarrinha verde e os sintomas de mosaico dourado foram menos intensos em IAPAR MD-806 e IAPAR MD-808 em relação ao Bolinha e IAC-Carioca. A adubação não influenciou o número médio de adultos de cigarrinha verde nos genótipos de feijoeiro. As aplicações de inseticidas e adubo proporcionaram menores números médios de adultos de mosca branca nos genótipos de feijoeiro quando avaliados em conjunto aos 56 dias após emergência das plantas.

Controle químico de ovos e ninfas de Bemisia tabaci biótipo B (Hemiptera: aleyrodidae)

Valle,Giuliana Etore do; Lourenção,André Luiz; Novo,José Polese Soares
Fonte: São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" Publicador: São Paulo - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"
Tipo: Artigo de Revista Científica Formato: text/html
Publicado em 01/06/2002 PT
Relevância na Pesquisa
26.92%
Moscas brancas são pragas de diversas culturas, causam redução na produção e na qualidade do produto. Inseticidas, com diferentes modos de ação vêm sendo utilizados, sem muito sucesso. Neste trabalho avaliou-se a eficiência de inseticidas sobre ovos de diferentes idades (1, 3 e 5 dias) e de ninfas de 1° ínstar da mosca branca Bemisia tabaci biótipo B. Os experimentos foram realizados em condições de laboratório, sob temperatura de 25 ± 2°C e fotofase de 12 horas. Piriproxifem (75 mg L-1) atuou como excelente ovicida, sendo altamente eficiente, 3 dias de idade. Cartape (500 mg L-1) não teve efeito satisfatório, mas a 1000 mg L-1 foi eficiente em ovos com até 5 dias de idade. Quanto à ação sobre ninfas de 1° ínstar, para pulverizações na face superior das folhas, piriproxifem, a 75 mg L-1, apresentou eficiência na supressão da emergência de adultos, caracterizando presença de ação translaminar; buprofezim, cartape, acefato e fempiroximate não apresentaram eficiência no controle de ninfas. Quando aplicado na face inferior das folhas, buprofezim (375 mg L-1) apresentou eficiência comparável à de piriproxifem, impedindo a emergência de adultos.